01 janeiro 2022

O Fracasso da República: No Bicentenário da nossa Independência -- a ser comemorado em 2022 -- algumas reflexões....

Marechal Deodoro da Fonseca, o "pai" da República brasileira

    
De 1822 a 1889 o Brasil foi uma nação respeitada no mundo. Em 15 de novembro de 1889, houve um golpe militar que impôs a República. Nascida através de um golpe, à revelia da vontade da população, a República simboliza os interesses de grupos e partidos, em detrimento do bem geral. Acompanhe, a partir de hoje,  dados e fatos sobre o regime republicano no Brasil.

A República em números 

Em pouco mais de 130 anos, a república acumula:


•    2 estados de sítio,
•    17 atos institucionais,
•    6 dissoluções do Congresso,
•    19 rebeliões,
•    2 renúncias presidenciais,
•    3 presidentes impedidos de tomar posse,
•    5 presidentes depostos,
•    7 Constituições diferentes,
•    2 longos períodos ditatoriais,
•    9 governos autoritários.

 Na Monarquia o Brasil era um país de Primeiro Mundo. Veja nossa posição hoje

Segundo este ranking, num total de 167 países, o Brasil está entre as piores posições em Capital Social (133º posição), Segurança (111ª) e Qualidade da Economia (102ª). Nos itens Educação, Saúde e Qualidade de Vida, que são frequentemente usadas como "prioridades" pelos políticos brasileiros, o Brasil ocupa 90ª, 58ª e 63ª posição, respectivamente. Nem mesmo para investidores e empresários o Brasil representa um local seguro, ficando na 98ª posição no ranking num total de 167 países avaliados.

Segundo o IPC, que é o principal indicador de corrupção no setor público do mundo, o Brasil, "em 2019, manteve-se no pior patamar da série histórica do Índice de Percepção da Corrupção, com apenas 35 pontos". Neste ranking, 0 significa que o país é percebido como altamente corrupto e 100 significa que o país é percebido como muito íntegro. Com 35 pontos, o Brasil ocupa a 106ª posição num total de 180 países e territórios avaliados.

 Fonte: Site Monarquia Já

Postagem de Armando Lopes Rafael

A morte da Imperatriz Thereza Christina

 A 28 de dezembro de 1889, somente quarenta dias após a Família Imperial Brasileira ter sido injustamente banida de nossa Pátria, em função da quartelada republicana de 15 de novembro daquele ano, faleceu em um hotel na Cidade do Porto, em Portugal, a Imperatriz Dona Thereza Christina, aos 67 anos de idade.

    Em seus últimos instantes de vida, Dona Thereza Christina confidenciou à Baronesa de Japurá, sua dama de companhia:
– Maria Isabel, eu não morro de doença. Morro de dor e de desgosto.

     O historiador Max Fleiuss afirma:
“Costuma-se dizer que o dia 15 de novembro foi uma revolução incruenta, feita com flores. Houve, porém, pelo menos uma vítima: a Imperatriz.”

Fonte: Leopoldo Bibiano Xavier, no livro: “Revivendo o Brasil-Império”. 1º edição, São Paulo. Artpress, 1991, páginas. 160-161.