23 abril 2022

Trilogia de um aprendiz de passarinho!– por José Luís Lira (*)

     Na antiga Grécia, a trilogia se constituía de poema dramático composto de três tragédias que devem ser representadas juntas. Em pleno século XXI ainda temos trilogias. Não, obrigatoriamente, no estilo grego. Dias antes da Páscoa recebi de presente do poeta Bruno Paulino uma trilogia: “Ofertório de Pássaros” (2019), “Breviário” (2020) e “Salmos para orquestrar silêncios” (2022). Essa trilogia ao invés de tragédia, traz beleza, arte e muito sentimento. Todos os livros são lindamente diagramados, com ilustrações magnificamente antigas que nos remetem, historicamente, ao passado, num momento tão presente.

   Pela argúcia do título comecei pelo Breviário. Logo num dos primeiros poemas li “como nunca aprendi dançar forró/ tornei-me poeta”.  Na sequência encontramos a “árvore sagrada/ o juazeiro...” “verdejante e festivo/ portal d’outro mundo” que “abriga visagens e esconjura demônios”. E falando em geografia o poeta diz: “pra lá,/ pra lá dos ermos/ foi morar minha saudade”. E o poeta que se diz aprendiz de passarinho lembra que os “passarinhos estão cantando/ o sol hoje está brilhoso/ os lírios são para o poeta/ um presente maravilhoso”. E lembrando Vinícius o autor arranca lágrimas do leitor: “quando você morreu/ tive que morrer também/ p’ra vida seguir adiante”... E como isso é real. E para o poeta “as horas não descansam/ o silêncio não dorme”. E heresiando, o poeta se propõe a “tirar Deus lá de cima/ e acordá-lo do seu sono eterno”. Seu poema hagiografia III é tão belo que merece ser citado por completo: “rainha Aparecida/ que emergiu negra/ das águas do rio:/ coroada, liberta/ e imponente// és a única Senhora/ do meu culto”. E no canto final, lembrei-me do Evangelista Amado, João, e de Olinto (menino mineiro que viveu quase nove décadas): “pelo século dos séculos/ a palavra/ alimentará/ o homem// o resto,/ como diz o Eclesiastes:/ será silêncio”.

   Seguindo, fui aos “Salmos para orquestrar silêncios”. Que beleza: “VENI CREATOR SPIRITUS”. Me senti rezando, num alpendre, pois, “o mundo/ acaba/ e nem sempre/ recomeça”; “arrumo gavetas/ incendeio velhas cartas/ escrevo poemas que você não vai ler”. E “meus versos/ sem rima/ - com cervejas -/ desmetrificados”. O leitor sabe que os textos aspeados são de Bruno Paulino e citando-o, mais uma vez: “que descaradamente/ roubei pra te dizer/ o que não sei dizer”. E a aldeia do Poeta cintila e tudo é Quixeramobim: “na estrada: paisagem, pedra/ cemitério, silêncio e soluço”. E num “bilhete”: “rezei para nossa senhora dos poetas/ pedindo que ela me inspirasse”.

   Indo por onde deveria ter começado, cheguei ao “Ofertório de Pássaros”, cheio do “vírus da poesia”. “Madrugada/ o vento sopra lá fora...// ... sozinho em casa/ ouço passos contidos/ e recebo sem medo/ a visita dos meus sonhos mortos”. E “um homem sem tempo/ num tempo sem pássaros/ caminha sozinho”... “entre a boca da noite e a madrugada/ a rua silencia, faz frio, e canta o salmo do homem só”. E rezando à Mãe de Deus: “Mãe Maria/ mãe do céu dos passarinhos/ mãe do crucificado/ fortaleça minha fé/ interceda por mim/ perdoa os meus pecados”. E muitos pássaros são ofertados e o autor viu “o beato iluminado tombar/ e os anjos o carregaram para o céu”.

   Uma trilogia. Excelente leitura.
   Amém!

(*) José Luís Lira é advogado e professor do curso de Direito da Universidade Vale do Acaraú–UVA, de Sobral (CE). Doutor em Direito e Mestre em Direito Constitucional pela Universidade Nacional de Lomas de Zamora (Argentina) e Pós-Doutor em Direito pela Universidade de Messina (Itália). É Jornalista profissional. Historiador e memorialista com 26 livros publicados. Pertence a diversas entidades científicas e culturais brasileiras.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.