13 setembro 2021

O poder da palavra escrita - Por: Emerson Monteiro


Os temas dos livros falam disso, dessa capacidade que a palavra tem de levar adiante valores e influenciar gerações. Quais fermentos de épocas as mais distantes, causam revolução, modificam comportamentos e refazem a história dos povos. Avançam pelos costumes e transformam o modo de ver das civilizações. Desde sempre, os textos impressos marcam definitivamente o pensamento dos seres humanos. Tipos móveis no Oriente e a tipografia de Gutenberg, no Ocidente, sustentaram a transmissão do conhecimento, constituindo a base dos avanços desses tempos atuais.

Nisso, os livros chegam às consciências, constroem impérios e definem o jeito de viver das multidões, o que exige senso crítico de quem lê. Ainda que produzidos em série, as obras literárias ficam restritas a pequenos bolsões de leitores fieis. Dos alfabetizados, pequena quantidade alimenta a vocação pelas páginas, gastando o que aprendem tão só no uso da sobrevivência, nas leituras especializadas.

Contudo, há gama infinita de alternativas, desde estilos a gêneros, dos contos e crônicas, aos romances, ensaios, dissertações aprofundadas de assuntos, filosofias, religiões, manuais técnicos, todos ao sabor das necessidades e dos tempos. Por vezes, criam modas e dominam grandes públicos. Editoras mil produzem belas obras e bibliotecas as acumulam em gama de incontáveis autores.

Daí, as influências restam ao gosto de todo leitor. Qual dizem, o papel aguenta tudo. Isto sujeita, no entanto, a resultados nalgumas horas adversos, porquanto a dualidade dessas influências permite inocular vírus letais naqueles que leem. No que seja deste chão, corre o risco das distorções. A arte literária, ao seu tempo, não poderia deixar de sofrer tal contingência. Os livros transportam, pois, os efeitos de seus criadores, isto indiscriminadamente.

Esse poder inolvidável da palavra escrita requer, portanto, zelo de quem a utiliza, seja na emissão quanto na percepção. Os frutos deste plantio significam resultados espirituais nos aficionados das letras e podem iluminar as mentes e transformar quem melhor delas usufrua, nessa conquista de tantas realizações maravilhosas.

Madre Feitosa - Por: Emerson Monteiro


Neste dia (13 de setembro) vemos registradas atitudes de reconhecimento à Carmelita Feitosa, Madre Feitosa, pelos seus cem anos de nascimento, anjo de bondade, em ocasião propícia a que patenteemos nossa gratidão face aos tantos seres humanos que usufruíram e usufruem da oportunidade do crescimento por meio do carinho da uma inteira vocação à formação da juventude, matéria prima da realização dos ideais da Verdade, da Justiça e da Paz.

São raras essas pessoas, contudo elas existem. Realizam trabalhos de bondade e amor e deixam marcas profundas nas pessoas e nos lugares onde vivem. Demonstram a grandeza dos espíritos evoluídos durante suas existências e aprimoram a consciência de quantos puderam delas se aproximar e testemunhar da pureza das almas que possuem, nos momentos em que desfrutam dessa ágape, confirmando o poder dos assuntos espirituais. Têm brilho próprio, refletem dimensões superiores da realeza divina ainda aqui neste chão. Prudentes, coerentes, justos, exercitam a força viva do Bem nas obras que idealizam e promovem. Deixam traços da mais infinita sabedoria que contém os santos, razão principal de estarmos na condição humana, o caminho indelével da transformação dos seres perecíveis em puros espíritos, neste laboratório de salvação, o que, um dia, faremos nesta caminha da luz à busca de nossa essência, onde traçamos nossos destinos. Estrelas que iluminam o trilho de muitos através da educação, da cultura, do exercício profícuo das profissões, das religiões, das missões de liderar os demais seres humanos, sempre estarão junto dos grupos sociais, demonstração cabal do sentido maior que viemos cumprir, e que nunca estaremos sozinhos diante do Eterno.   

Assim, querida amiga e orientadora, rendo-me às graças benfazejas desta comunidade caririense em lhe querer retribuir, no mínimo possível, as virtudes que dedicou a todos que desfrutaram e desfrutam da grandeza de sua alma, chama votiva do amor de nosso Pai e Senhor da Existência.

Meu abraço e minha admiração, venho agora, manifestar, hoje e sempre, em nome da minha geração agraciada por sua rara presença de Amor e Trabalho.