31 agosto 2021

A História não se repete - Por: Emerson Monteiro


Esses caçadores de ilusão que o somos vivem disso, de imaginar perenidade no tempo que passa e alimentar a fantasia de que tudo será qual ontem foi. Isso, no entanto, os deuses da história nem de longe querem sustentar, sob pena de quebrar o senso da espontaneidade que de longe a tudo devora todo instante. Enquanto o presente significa rio entre dois fogos, o passado e o futuro, a história, por sua vez, representa o espelho no qual a humanidade reflete a imagem dos séculos, muitos deles até perdidos na imensidão do abismo das inexistências.

A velocidade com que a vida disfarça o tempo em movimento, tal vela acesa que alumia e nunca retornará, marcam as criaturas a angústia do inevitável das abstrações que o vento arrasta pelos céus. A isto negam razão de ser e mergulham nas trevas do que teria sido. Fogem de si quais vítimas da própria incoerência. E resistem ao desespero formando trincheiras imaginárias, desenhando visões do paraíso nos prazeres e objetos, escondendo da alma um desejo constante de humana salvação.

...

Durante o itinerário dessa busca, estabelecem os padrões, as religiões, as ciências. Nisso, a razão cria na velocidade das horas. Sustentam os haveres das alucinações. Sabem que seriam eles os autores das revelações, todavia. Cavam o solo da solidão onde imperam. Estabelecem as lutas da sobrevivência até sem nelas acreditar, bandos alucinados de zumbis nas noites escuras.

...

Lá um dia, então, deparam com o princípio da Consciência maior e refazem o percurso donde vieram. Abrem os braços aos segredos da promissão que carregaram consigo durante infinitos, e adormecem no alvorecer da iluminação de Si mesmos. Bem isto o repicar da História mãe, nos carinhos das maravilhas em que vivemos o despertar da Eternidade.