31 julho 2021

Cinema de Janela - Por: Emerson Monteiro


Quando criança, um dos divertimentos que adotava, nas tardes do sítio onde vivi até os quatro anos, era permanecer num dos cômodos da casa a observar, no escuro, as sombras invertidas das pessoas e dos bichos, que transitava lá fora, a se projetarem na parede defronte a uma das janelas. Nessa brincadeira me demorava boas horas, admirando o movimento da luz e suas imagens inversas que causavam espécie na minha imaginação, a criar histórias mágicas daquelas figuras animadas.

Depois de muito tempo, soube que o cinema se faz dentro da mesma concepção ótica. Através do espaço exíguo da fresta das janelas se dava a recriação do mundo lá de fora, em processo físico da inversão, qual na objetiva das câmaras. A decomposição das imagens e o sistema de elaboração dos fotogramas estabelecem o discurso do filme.

Desse modo, avalio os textos que enfeixei no corpo deste livro. Desde a posição pessoal do indivíduo, abri meus olhos a testemunhar as coisas que vão aqui em forma de prosa. Histórias que ouvi dos meus avós, li nos livros, ouvi e ouço de meus pais, irmãos, amigos, conhecidos; lendas populares, fábulas, contos da tradição oral; ocorrências presenciadas nas ruas, nos sonhos; e tantas avaliações decodificativas da imensa realidade que me cerca a todo instante.

Qual janela aberta ao mundo daí de fora, me ponho neste cômodo que sou eu a contemplar o movimento da luz dos acontecimentos a se projetar nas paredes de mim mesmo; e transformo em palavras, frases, idéias, contextos, blocos de significados contínuos, na intenção de estabelecer relações inteligíveis com o mundo, na mágica do conhecimento humano.

Pois somos testemunhas privilegiadas do Universo. Muitos contam logo a experiência; outros a guardam para contar noutras ocasiões mais indicadas. Uns escrevem; outros desenham, pintam, fotografam, filmam, cantam, bordam, colam; passeiam, compram, vendem, guardam, esquecem, conversam, arquitetam, esculturam, reproduzem; vivem...

A vida, enfim, encarta essas experiências de ler na luz da existência as figuras que se projetam cá dentro da gente. Através da infinita comunicação buscamos transmiti-las aos outros seres, no objetivo de somar e dividir a um só tempo, oportunidade ímpar de conhecer, se conhecer, interpretar e comungar da essência de viver com intensidade que o mundo oferece a cada dia.

Eis o motivo denominar CINEMA DE JANELA a mais este livro que ora deposito em suas mãos, naquilo que consegui reunir de resgate dos meus dias já passados e das melhores imagens que deles retive na consciência.

Juntos, vivamos a experiência rica de existir.