17 maio 2021

Aos cair das folhas - Por: Emerson Monteiro


Quando nas estações vem o outono, pessoas também resolvem regressar ao mundo invisível e deixam saudade naqueles que aqui permanecem no ritmo sucessivo das trocas de guarda. Nisto, o mundo gira numa celeridade estonteante, por vezes no entanto monótona aos que desejam encontrar os que amam e agora vivem longe. As sensações deste chão a sumir dos pés, que tomam de chofre as mentes, parecem revirar as folhas e fazem morrer e nascer novas ilusões.

Quase que nem adianta buscar motivos de conhecer os segredos deste adeus das pessoas, porquanto elas revivem no mundo da lua suas criações individuais, desafiam a lei da gravidade e superam quaisquer justificativas que fossem, no tocante de continuar seus afazeres impacientes, porque a vida sempre segue e mantém seus continuares. Correm atrás de si próprias, nos caminhos imaginários das vidas, atores pois dos dramas da humana criação. Porém carecem, isto sim, de mil razões de sentir felicidade, e padecem da síndrome do dia seguinte, diferentes que sejam, ainda que todos assim acreditem de antemão que há uma imortalidade ali logo afora.

Viver, por isto, pelos fascículos das semanas, permanece ao dispor de todos nós, livres que fôssemos e não devêssemos responder face tudo que fizermos do direito de fazer. Migalhas do Infinito, jogamos as fichas do destino ao sabor das compreensões, enquanto padecemos do desejo do prazer, máquinas que trituram os instantes e descascam realidades. Nisto, seremos meras histórias de romances que se desfazem às nossas mãos numa velocidade estúpida.

E os outonos chegam e vão, trazendo distâncias àqueles que regressam no território do Infinito quando menos esperam, fascinados pelos fulgores exatos do tempo sem restrição. Senhor das individualidades, bem que reconhece aonde deixa os que leva consigo à presença constante da inexistência que eles terão de preencher na força das consciências, mais dia, menos dia. Nisso de que caem as folhas da estação que chegou inesperadamente, todavia tão consistente qual a ausência dos que desaparecem nos corredores sombrios da saudade.

(Ilustração: Saudade, de Almeida Junior).

Algumas notas do Instituto Cultural do Cariri - Por: Emerson Monteiro


Vimos seguindo de perto o Instituto Cultural do Cariri desde a década de 60, quando ainda era instalado na residência do Prof. Figueiredo Filho, à Rua Miguel Limaverde, em Crato, inícios de minha amizade com Tiago e Flamínio, seus netos. A sala da casa via-se preenchida de relíquias dos índios da Região, pedras raras, livros e outras relíquias, numa biblioteca especializada nos assuntos do Cariri e quadros e peças de valor inestimável, pertencentes ao ICC, isso bem nos seus primórdios.

Depois, ao regressar da Bahia, década de 70, passei a desfrutar das benesses do Instituto isto já na Praça Três de Maio, na gestão do Dr. Raimundo Borges à frente da Diretoria, de quem foi secretário, e onde permaneceria até ser transferido para duas salas no edifício defronte ao Colégio Pequeno Príncipe, sob a presidência de Olival Honor de Brito.

Vista a construção da sede própria, nas atuais instalações da Praça Filemon Teles, graças à doação de um terreno pelo prefeito Ariovaldo Carvalho e verbas do Governo do Estado, na gestão do governador Lúcio Alcântara, mediante os esforços administrativos do então Presidente Manoel Patrício de Aquino passamos a dispor de uma localização definitiva em edifício de esmerada construção.

Na gestão seguinte, tendo à frente o presidente Huberto Tavares de Oliveira, mereceríamos a regularização oficial da nova sede, através do prefeito Ronaldo Gomes de Matos, o qual custeou as despesas cartorárias a fim de termos a posse efetiva do belo edifício sede.

Na próxima presidência, sob minha responsabilidade, fizemos a segunda reforma dos Estatutos Sociais da instituição, os quais ora permanecem vigorando, visando a atualização das normas e ampliação do número de secções e cadeiras, face à demanda dos tempos, que assim o exigiam. Depois, passados 14 anos sem circulação, cuidamos de reativar os lançamentos anuais da coleção da revista Itaytera, órgão editorial da entidade, que perfaz agora 49 edições, e que permanece em franca circulação, passados que foram, até aqui, quase 70  anos desde a fundação do sodalício, em 1953.

Na gestão seguinte, do presidente Heitor Feitosa Macedo, a Itaytera seria digitalizada e disponibilizada na Rede Mundial de Computadores para todo o mundo, outro marco valioso e exponencial de nossa história.

São, pois, alguns registros a propósito da história da casa máter da cultura caririense, detentora dos melhores adjetivos na preservação das tradições históricas, antropologia, literatura, etnografia regionais.