11 maio 2021

As palavras - Por: Emerson Monteiro


Elas têm vida própria. Diante deste silêncio que trazem as horas noturnas, quando o vento sacode as árvores e os animais acham lugar nas sombras, ainda assim elas mexem por dentro de tudo isto, as palavras, filamentos sublimes de eternidades. Elas que querem por que querem vir à tona. Mais que ninguém, sabem o que dizer daquilo que carregam nas entrelinhas das ausências, e trabalham os sentimentos das pessoas que dormem, querendo, dalgum jeito, reviver memórias acontecidas, sacudir conceitos e modificar o instinto das almas penadas que vagam pelos desertos das visagens. Quais movimento das marés, insistem acordar as criaturas e lembrar-lhes do mistério que transportam  vidas afora, instrumentos insatisfeitos de esperança e fé, nem sempre alimentados pelos humanos nessas horas mortas. E nisto querem fazer valer o peso dos instantes que passam velozes; dormem, contudo, face a face com o ritmo de um tempo largado lá fora.

Palavras, motivos soltos nos sons do silêncio. Depois que a pressa recolhe suas asas, os significados, no entanto, permanecem grudados às colinas do pensamento dessas criaturas que fazem de conta que adormeceram. Daí, vêm os sonhos na forma dos roteiros e argumentos, e aceleram o senso de saber mais dos sentimentos escondidos. Tantas histórias que buscam acordar na gente o tal poder de criação, porém se esquecem de revelar o sentido logo que despertam ao nada desses dias que viram farelo em nossas mãos desajeitadas.

No entanto elas ali permanecem indefinidas pelas esquinas do firmamento, animais vadios, indomáveis, plantas vivas. Transitam impacientes de achar nalgum dia, quando menos presos estivermos aos hábitos, de nos encontrar de verdade. Bichos afoitos e selvagens, nos tomarão apegos ao nada, e farão de tudo quanto somos só instrumentos da velocidade do ser que foge de si, atirando-nos ao clarão das madrugadas, transformando de pedras em poeira e, nesse momento sagrado, havemos de amar e dominar o destino de tudo.

                                                                                                      

Os Segredos de Fátima – por Dom Fernando Arêas Rifan (*)

 

    No dia 13 de maio, celebramos o 104o aniversário da primeira de uma série de aparições de Nossa Senhora a três simples crianças, pastores de ovelhas, em Fátima, pequena cidade de Portugal, de onde a devoção se espalhou e chegou ao Brasil. São sempre atuais e dignas de recordação as suas palavras e seu ensinamento. 

     O segredo da importância e da difusão de sua mensagem está exatamente na sua abrangência de praticamente todos os problemas da atualidade. Aquelas três simples crianças foram os portadores do “recado” da Mãe de Deus para o Papa, governantes, cristãos e não cristãos do mundo inteiro.

     Aos pastorinhos, em Fátima, Nossa Senhora revelou três segredos, mais tarde divulgados. O primeiro segredo diz respeito a cada um de nós, individualmente, e é sobre a nossa salvação eterna. Foi a visão do inferno, que assustou saudavelmente as crianças: “Vistes o inferno para onde vão as almas dos pobres pecadores...”. E recomendou-lhes a oração e o sacrifício pelos que estão longe de Deus: “muitas almas se perdem porque ninguém oferece sacrifícios por elas”. “Não ofendam mais a Deus, Nosso Senhor, que já está muito ofendido”.

     O segundo segredo diz respeito ao mundo, à sociedade em geral: a difusão do comunismo: “A Rússia espalhará os seus erros pelo mundo”. A Rússia tinha acabado de adotar o comunismo, aplicação prática da doutrina marxista, ateia e materialista.  Nossa Senhora nos alerta contra esse perigo, o esquecimento dos bens espirituais e eternos, erro que, conforme sua predição, vai cada vez mais se espalhando na sociedade moderna, vivendo os homens como se Deus não existisse: o ateísmo prático, o secularismo.  Se o comunismo, como sistema econômico, fracassou, suas ideias continuam vivas e penetrando na sociedade atual. Aliás, os outros sistemas econômicos, se também adotam o materialismo e colocam o lucro acima da moral e da pessoa humana, adotam os erros do comunismo e acabam se encontrando na exclusão de Deus. Sobre isso, no discurso inaugural do CELAM, em 13 de maio de 2007, em Aparecida, o Papa Bento XVI alertou: “Aqui está precisamente o grande erro das tendências dominantes do último século... Quem exclui Deus de seu horizonte, falsifica o conceito da realidade e só pode terminar em caminhos equivocados e com receitas destrutivas”. Fátima é, sobretudo, a lembrança de Deus e das coisas sobrenaturais aos homens de hoje.

      O terceiro segredo diz respeito à Igreja: a visão de um homem de branco, na praça de São Pedro, andando sobre os cadáveres de bispos e padres, sendo depois abatido, simbolizando a perseguição à Igreja, a cristofobia (ou cristianofobia), a decadência religiosa, a perda da fé, a perda da influência do cristianismo na civilização atual. 

    Enfim, Fátima é a recapitulação e a recordação do Evangelho para os tempos modernos. O Rosário, tão recomendado por Nossa Senhora, é a “Bíblia dos pobres” (São João XXIII). Assim, sua mensagem é sempre atual. É a mãe que vem lembrar aos filhos o caminho do Céu.

(*) Dom Fernando Arêas Rifan, Bispo da Administração Apostólica Pessoal   São João Maria   Vianney.