08 novembro 2021

Sem comemoração: Brasil lembrará -- próxima segunda-feira -- os 132 anos do golpe de 15 de novembro 1889

Monarquia, uma forma de governo moderna e eficiente
Armando Lopes Rafael (*)


   O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), medido em todas as nações da terra e divulgado anualmente pela Organização das Nações Unidas (ONU), revela o desenvolvimento social dos países do mundo. Três componentes pesam no cálculo do IDH: renda, educação e saúde. Ou seja, quanto mais relevantes forem esses três aspectos na vida de uma nação, melhor será o IDH dela.
     A propósito, o diretor da Consultoria Meta e Comunicação, Nilson Mello, em artigo publicado – sob o título “Monarquias, PIB e desenvolvimento”   – escreveu:

“Não custa lembrar que nada menos do que oito dos 12 países com melhor posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Nações Unidas são monarquias: Noruega (1ª); Austrália (2ª); Nova Zelândia (3ª); Listenstaine ou Liechtenstein (6º); Holanda (7ª); Canadá (8ª); Suécia (9ª); e Japão (11ª). Todos países com alto grau de desenvolvimento.” (...) “Um detalhe importante é que esses oito países listados entre os 12 de melhor desempenho no IDH da ONU não são as nações mais ricas do mundo em termos de Produto Interno Bruto-PIB (conjunto de riquezas produzidas em determinado período por um país), mas, ainda assim, conseguiram promover altos índices de desenvolvimento e bem-estar social (para suas populações)”. (...)
 “Num exercício de elucubração - sem bases científicas - podemos considerar que um aspecto em comum entre essas oito nações – além, é claro, de serem monarquias constitucionais – está o fato de seus sistemas jurídicos garantirem ampla liberdade individual, valorizando a autodeterminação, e ambiente propício ao empreendedorismo.” (...)

      A análise acima vem provar o título deste artigo: “A Monarquia é uma forma de governo moderna e eficiente”.  Nem sempre um grande PIB atesta que uma nação oferece boas condições de vida a sua população. A China, para citar um único exemplo, tem um PIB de quase 15 trilhões de dólares – mais precisamente: US$ 14,723 trilhões – mas aparece em 85ª colocação na relação do IDH Fica abaixo do Brasil.

     Em 2018, o Brasil era a oitava maior economia do mundo. Tinha um PIB de US$ 7,0 trilhões de dólares. Mas ocupava uma posição medíocre (84º lugar) na relação do IDH. Aliás, o Brasil, neste índice, ficava atrás das várias nações latino-americanas, possuidoras de um PIB bem inferior ao nosso.

Como foi o Brasil Império


   Durante muito tempo, a historiografia oficial brasileira escondeu o fato de que, nos reinados dos imperadores Dom Pedro I e Dom Pedro II, nossa pátria passou por um grande surto de progresso. Após a segunda metade do século XIX, O Governo Imperial Brasileiro fez grandes investimentos na construção de estradas e melhoria dos nossos portos, favorecendo o escoamento dos produtos agrícolas e comerciais, melhorando a comunicação entre as províncias (hoje chamadas de Estados).  Diga-se, de passagem, que nossa economia era extremamente diversificada.

      Tivemos, sob a forma de governo monárquica, uma inflação média anual de apenas 1,58%.  O Brasil, nos tempos imperiais, era considerado um país do “Primeiro Mundo”, ao lado da Alemanha, Estados Unidos e Inglaterra. Naqueles 67 anos (1822–1889), nosso país teve iniciativas de vanguarda no desenvolvimento científico e tecnológico, notadamente na construção de quilômetros de ferrovias e no pioneirismo do uso do telefone.

    Sob a monarquia, o Brasil possuía a segunda Marinha de Guerra do mundo. No período monárquico, o nosso Parlamento era comparado com o da Inglaterra. E a diplomacia brasileira era uma das mais importantes do mundo de então. Diversas vezes, o Imperador Dom Pedro II foi chamado para ser o árbitro de questões envolvendo a Itália, França e Alemanha. A autoridade moral do monarca brasileiro era comparada à do Papa.

   O atual Chefe da Casa Imperial Brasileira, Príncipe Dom Luiz de Orleans de Bragança, em 1989 (no centenário da introdução da República), sintetizou o que foi o grandioso Império do Brasil. Escreveu ele, naquela ocasião: “Cem anos já se passaram, e os contrastes entre o Brasil atual e o Brasil Império só têm crescido. No tempo do Império, havia estabilidade política, administrativa e econômica; havia honestidade e seriedade em todos os órgãos da administração pública e em todas as camadas da população; havia credibilidade do País no exterior; havia dignidade, havia segurança, havia fartura, havia harmonia” ...

     Bem diferente dos atuais tempos republicanos....
   
(*) Armando Lopes Rafael é historiador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.