18 outubro 2021

O desafio das palavras


Há que se ter o que contar diante das vidas que escorrem no tabuleiro dessas longas jornadas. Tantas as ocasiões e histórias a dizer, enquanto o silêncio descreve o seu caminho dentro das pessoas, que o território fica estreito a permitir vasões imensas de narrativas, durante todo tempo. E dizer histórias felizes, ainda que, no intervalo do princípio ao fim, haja situações por vezes dolorosas, desencontradas. No mínimo que possuam um final feliz, a permitir esperança ao coração das criaturas envolvidas. Nesse nada disso de só querer narrar momentos tristes que marcam profundamente o coração e largam motivos de revolta ou desespero é preciso trabalhar o sentido a que descobrir reais alternativas de tocar adiante o barco neste mar de sargaços e dúvidas dos horizontes do Chão. Urgente isto de ressignificar as nuances e desvendar o mistério das condições, formas de construir a firmeza e criar marra perante as fases da existência. Ninguém nasce feito, todavia faz a si no choque das gerações, nos embates das ondas, nos transes e formas de aprimorar o crescimento inevitável que a dor e o amor oferecem todo momento.

Na elaboração das almas, pois, no auge dessa epopeia que atravessamos de usufruir das possibilidades que a Natureza oferece de achar o caminho da evolução através de nossos mesmos passos. Dado que o acaso não existe, que não existe a coincidência, somos instrumentos do destino que usinamos das nossas próprias mãos. Esse ofício de buscar a perfeição mora nas pessoas. Assim, quais artífices da sorte à nossa disposição, temos, por fina força, de vencer os desafios de tudo quanto seja minerar a exatidão matemática dos nossos acordes, aperfeiçoar o pouco e transformar em muito, até desvendar o objetivo de tudo isto. Portanto, a seara é o mundo, a semente somos nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.