21 outubro 2021

Lá de onde chegam as recordações - Por: Emerson Monteiro


Certa feita, li algo a respeito de serem captados sinais de televisão emitidos alguns anos antes, cinco a sete anos, que, aos pedaços, foram sintonizados em um receptor na costa do Pacífico, na América do Sul. Algo assim fantasioso, de que seguiriam vagando no éter, donde permanecessem circulando quem sabe até quando?... Mas que foram vistos e documentados.

Sinto isso meio parecido ao andar pela cidade onde vivi largo tempo nesta vida, ao me deparar com reedições sucessivas de cenas doutras oportunidades antigas, lembranças persistentes que parecem ficar grudadas nas paredes, ruas e praças, a falar daquelas horas por mim vivenciadas nas décadas anteriores. São sensações, memórias, ocasiões, que, por vezes, insistem sobreviver, guardando situações, pessoas, momentos...

Quais viessem de fora, dalgum outro semblante invisível, no entanto de novo nascem daqui de dentro dagente. Quase seriam mais fortes no sentimento e no pensamento do que ao tempo em que existiram na realidade. Nisso vêm acrescidas de emoções, saudades, tais fragmentos soltos de pessoas que nelas viveram. Um espetáculo intenso de fortes ondas desse mar perdido na distância dos dias, que voltam e tocam nossos pés, uma reedição das horas mortas que não aceitariam desaparecem de tudo.

Mesmo que saibamos sumir nos escombros do passado, entretanto gritam forte pelas cavernas do ser e querem, a fina força, dominar, tais fantasmas criados de nós, fortes fiapos da alma que vamos largando, momento a momento, do que a gente foi, pensou, falou, sentiu, fez, e que seguem nossos passos, espécies de filamentos eternos de nossa consciência que não aceitam nos abandonar jamais.

Bem desse jeito, ao caminhar pelas calçadas, pelos lugares onde encenamos a nossa história, ladeados por tantos e tantos protagonistas, na cidade em que habitamos e mourejamos, há muito que distinguir dessa longa caminhada rumo aos segredos de que somos guardiões da própria jornada.

Quantas eternidades existem, pois, no seio da única Eternidade, e que delas significamos testemunhas privilegiadas dos sonhos e senhores das nossas perenes recordações?!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.