10 julho 2021

Vagas lembranças - Por: Emerson Monteiro


Escrever, mais do que antes, é o gesto de confessar a vida. Nalgumas horas, se quer fugir de si mesmo, no entanto a escrita quase que determina atitudes de retorno às páginas, e dizer, dizer, até acalmar os ânimos lá de dentro, fervilhando de sonhos. Fazer, montar, contar, impor a condição de existir ao que as palavras querem gravar ao sair feitas lágrimas, gestos, suspiros, vômitos, raspas largadas ao monturo dos dias, quais diários infindos e intermitentes. Pensar, e dizer, ou dizer sem pensar. Juntar restos de lembranças e formar esse caudal de passados a nos cair às mãos de modo incisivo, fortuito, contrição de achar alguém que seja que leia, ou não, de um dia parar aqui e comungar com o autor as suas impropriedades de violar o silêncio de que se fizera inconfidente no ato de escrever. Às vezes, ao ouvir alguma música, nos intervalos de pensamentos, nas bordas dos sentimentos, vêm saudades, as revivescências bem distantes daquilo que desapareceu nas décadas. Lembro horas de Salvador, de Brejo Santo, de Crato, das viagens, vertentes escondidas nas fímbrias da alma que chegam e sufocam o presente numa compulsão de doce amargo. Vejo ocasiões específicas de instantes lavrados no inconsciente desses tempos antigos, talvez até de outra pessoa que não seja eu. Contam das oportunidades e das experiências presas junto às paredes de nós mesmos, a escorrer tais histórias vivas que jamais irão desaparecer depois que ocorreram. Nisso, viram palavras, frases e textos, na função de quem escreve, nesse ato insano dos perdidos nas noites do firmamento azulado. Vultos de visagens que percorrem ruas desertas, e vamos solitários nas sombras do coração, a tanger com força as lembranças metálicas, compulsivas. Nem mais sei confessar senão outro falando de si ou que ouça dessas almas penadas de infinitos remotos que persistem vivos nos refolhos das criaturas viventes. Assim, descem as ruas que vão levar no mar das existências, ou das inexistências. Mergulham fundo nos mistérios da ausência e dormem ao definitivo das escritas, que seguem soltas no eterno e nas crenças do abismo e na solidão.

(Ilustração: O pagamento de títulos, de Brueguel o Jovem). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.