15 maio 2021

Até encontrar a Paz - Por: Emerson Monteiro


As tantas vivências deste mundo, nas noites mais escuras, nos sóis que se sucedem, eis os quantos degraus ainda a subir na busca da sonhada Paz. Viver, repetir o mesmo gesto dos dias, construir os sonhos no modo de manter o gosto de continuar, essa a longa caminhada no sentido maior de resolver todos os dramas, de deixar fluir a força que mora em nós. Que mais querer se não isto, de achar o pouso das jornadas, nem sempre vitoriosas, porém único caminho aos passos de todos. Ter o prazer de saber que andamos nos lugares onde descobriremos meios de tranquilizar a consciência e aproveitar as oportunidades do melhor jeito, concretizando intenções sinceras, de realizar o suficiente, e, lá um dia, desfrutar a paz dos justos, e revelar o equilíbrio e a satisfação.

Nisso que se destinam as chances de estar aqui, de plantar a semente da Verdade no coração deste lugar. Ser, sempre, instrumento da virtude; nada tão significativo a fim de existir durante todo tempo. O campo em que isto acontece está naquilo que ora somos. Quais artífices dessa imensa perfeição, trabalhamos sem cessar no objetivo de resolver a equação das horas e desenvolver os instrumentos de humanidade vivos na nossa essência. Sobreviver ao vazio dos objetos e concretizar o novo que trazemos na nossa alma. Todos os caminhos levam a isto, porquanto assim fomos destinados. O que nos reserva o tempo em forma de poder chegar ao momento de germinação.

Os desafios, as contradições, os instintos e desejos, tudo tende a encontrar a Paz e compreender por que viemos, que transportamos nesse valor maior de superar as limitações da matéria e desvendar os mistérios do Espírito, motivo de vir onde estamos agora.

(Ilustração: Vincent van Gogh pintando girassóis, de Paul Gauguin).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.