21 junho 2019

Encontro com Santo Antônio -- por José Luís Lira (*)



Corria o ano de 1232. Naquele penúltimo dia de maio, 30, o Papa Gregório IX que pouco mais de 4 anos antes canonizara São Francisco, canonizava Santo Antonio, a quem São Francisco chamava de seu “Bispo”. A investigação para a canonização durou menos de um ano. O Santo Antonio, nascido em Lisboa, Portugal, e falecido em Padova, Itália, era aclamado santo em vida, pelos inúmeros milagres obtidos pelos povos a partir de sua pregação e de seu testemunho de vida.

   Santo Antonio retornara à Casa do Pai no dia 13 de junho de 1231. A partir daí o santo passou a ser celebrado nesta data. É um dos santos mais populares do catolicismo, mesmo passados quase 800 anos. E é desta época, sem fotografias, do século XIII, que, em pleno século XXI, vem-me uma imagem. Não temos uma máquina do tempo que nos leve de volta ao passado ou nos transporte ao futuro, mas, a ciência dá sua contribuição.

    No início de maio de 2014, estive em Padova. Eu realizava estudos de pós-doutorado na Universidade de Messina, fundada pelo Papa Paulo III, por meio de bula de 16 de novembro de 1548. Num dia de folga, tomei um trem e fui a Padova. Antes, enviei um fax à Cúria Geral dos Frades Conventuais, reiterando o pedido de uma relíquia do Santo Antonio, cujo original havia enviado ainda do Brasil e não obtivera resposta. Chegando lá, fui primeiro à Basílica e experimentei a emoção de ver as relíquias do Santo. Sua língua incorrupta, os fragmentos do hábito franciscano com o qual fora sepultado e passar em seu túmulo.

    Depois, percorri a parte que é permitida visitação do Sacro Convento. Fui, então, à Cúria Geral. Lá chegando, fui gentilmente recebido pelo Superior Geral que já reservara a relíquia. Fiquei muito emocionado. Era uma fria manhã. Conversamos um pouco e indaguei-lhe onde comprar uma imagem do Santo para levar ao Brasil. Ele deu-me uma imagem de uns 30cm de presente e recomendou que aguardasse, pois, era do seu conhecimento de que estavam fazendo estudos sobre a fisionomia de Santo Antonio a partir de seu crânio.

    Em junho de 2014, de retorno ao Brasil. Vi uma matéria no Fantástico, da Rede Globo de Televisão, sobre o assunto. Fiquei imensamente maravilhado com a reconstrução facial que fora feita pelo brasileiro Cícero Moraes. Para mim, a ciência aproximando o passado do presente. O santo tinha um rosto diferente. Fiquei interessado em obter uma peça da reconstrução. Encontrei Cícero numa rede social e fizemos amizade. Em novembro de 2014, recebi a imagem impressa em 3D. Pensei então: faria um busto, mandaria pintar. O que fazer? Ano seguinte, por meio de um amigo que já está no céu, Samyr Figueiredo, encontrei o artista Fabrício Costa. Ele se propôs a fazer algo, desde que eu lhe desse tempo e permissão para trabalhar. No dia de Santo Antonio último ele me disse que estava concluindo o trabalho e nesta semana, enviou-me as fotos.

    No dia de Corpus Christi, fui à sua casa, em Fortaleza. Vi a imagem e vi um busto fiel de Santo Antonio na sua tradicional imagem com o Menino Jesus. A peça, deste modo, é única no mundo. Compartilhei a alegria com o amigo-irmão Cícero Moraes, com amigos, com meus pais. Papai sentenciou: a imagem ficará aqui em casa.

     Para mim, foi um encontro com Santo Antonio!

 (*) José Luís Lira é advogado e professor do curso de Direito da Universidade Vale do Acaraú–UVA, de Sobral (CE). Doutor em Direito e Mestre em Direito Constitucional pela Universidade Nacional de Lomas de Zamora (Argentina) e Pós-Doutor em Direito pela Universidade de Messina (Itália). É Jornalista profissional. Historiador e memorialista com mais de vinte livros publicados. Pertence a diversas entidades científicas e culturais brasileiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.