21 junho 2018

Carta a Jesus -- por Dom Fernando Arêas Rifan (*)

                                                                                                                                                                 
       
Nos tempos atuais, onde impera a intolerância, o espírito de crítica, a ausência de respeito e caridade, aliados à falta de fé, podemos usar um pouco a imaginação para refletir.

            CARTA A JESUS DE NAZARÉ
Jerusalém, ano 30. “Quem lhe escreve é um discípulo e ouvinte assíduo seu, para reclamar de algumas coisas, com as quais não concordo, e não só eu, como vários dos meus amigos, seus discípulos”.
            “Como é que o Sr., sendo o Filho de Deus, onisciente e onipotente, pôde convocar tais pessoas para serem seus Apóstolos, fundamentos da sua Igreja!? Como é que Sr. escolhe esse tal de Simão, homem ignorante, fogoso, inconstante, inconfiável, e ainda lhe faz ser o fundamento da sua Igreja, entregando-lhe as suas chaves?! Como é que o Sr. escolhe Tiago e João, dois gananciosos, ambiciosos dos primeiros lugares e temperamentais, por isso mesmo apelidados de ‘filhos do trovão’, além do fato de João ser imaturo?! E como é que o Sr. convida um tal de Tomé, um questionador, que tem tendência a discutir ordens, disposto a ausências injustificadas, para segui-lo e ser seu Apóstolo da Fé? E Simão, o zelote, ligado a ambientes radicais e extremistas?! E Natanael, um desbocado e desrespeitoso?! E Levi, um financista?!”

            “Pior! Como o Sr. escolhe um tal de Judas Iscariotes, que todos sabemos ser amante do dinheiro, ladrão e, ainda por cima, lhe confia a tesouraria dos Apóstolos [Jo 12, 6], podendo assim desviar o nosso dízimo e ofertas para finalidades escusas?! Estou mesmo fazendo uma campanha entre meus amigos para não mais colaborarmos com a bolsa dos Apóstolos!”

            “Como é que, sabendo de tudo isso, como eles são, o Sr. ainda diz a eles: ‘Quem vos ouve a mim ouve, quem vos despreza a mim despreza’?! Nós amamos e ouvimos o Sr., mas a esses!? Como ouvi-los?! Como não os desprezar? Eles não nos representam!”

             “E tem mais. Como é que o Sr. se mistura com os pecadores e até toma refeição com eles, comprometendo assim sua reputação e a nossa, seus discípulos? “Por que o Sr. permite tantos pecadores em nosso meio? Já imaginamos como será a sua Igreja no futuro!”
            “Francamente!!! Sentimos o nosso dever de resistir a essa iniquidade! Non possumus!”

            RESPOSTA DE JESUS

“Os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, e vossos caminhos não são os meus!” (Is 55, 8). “Os sãos não precisam de médico, mas os enfermos; eu não vim chamar os justos, mas os pecadores” (Mc 2, 17). “Com o mesmo julgamento com que julgardes os outros sereis julgados; e a mesma medida que usardes para os outros servirá para vós. Por que observas o cisco no olho do teu irmão e não reparas na trave que está no tem próprio olho? (Mt 7, 2-4). “Ai de vós,... hipócritas,,... filtrais o mosquito, mas engolis o camelo” (Mt 23, 23). “Os publicanos e as prostitutas vos precederão no Reino de Deus” (Mt 21, 31). “Deixai crescer o joio e o trigo até à colheita” (Mt 13, 30). “O Reino dos Céus (a minha Igreja) é semelhante a uma rede lançada ao mar e que pegou peixes de todo tipo... No fim do mundo, os anjos virão para separar os maus dos justos” (Mt 13, 47-50).

(*) Dom Fernando Arêas Rifan, Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.