19 março 2018

Choque de realidade - Por: Emerson Monteiro

Nós humanos gastamos vidas e vidas fingindo concretude nas produções que juntamos no decorrer dos tempos, nas gerações. Um tal de acumular bens, fortunas, qual dizem, montar as heranças, e nisso perder o bem mais precioso, o gosto de viver a vida em sua essência. Escorrem pelas pontas dos dedos as alimárias dos dias, metais derretidos, suculentos predicados de conquistas vãs e, lá certo dia, contudo, a onça caetana chega de olhos reluzentes e zap! engole num átimo os valores, apegos e maravilhas dos mortais atoleimados. Nós, eles mesmos.

Todavia há que ser assim, porquanto as determinações do impossível facilitam desse modo que assim seja. Restaria tão só aceitar os lenitivos e padecer as sortes várias que percorrem o calendário livre. Vigia, no entanto. Lembrai as parábolas e os místicos. Jesus a narrar o destino do agricultor que obtivera larga safra e tratava de construir novos silos para neles guardar os víveres consignados. Depois do tanto de trabalho, sentaria na varada do sítio a comentar consigo da virtude que agora dispunha a lhe oferecer tranquilidade nos dias de escassez que viessem.

E dos bastidores o Senhor comenta: − Triste alma, nem sabe que nesta noite virão cessar os seus dias.

...

Quanta insegurança vaga pelo seio das lutas humanas... Quanto alvoroço na busca desesperadas de migalhas largadas logo após. E a raça que somos de enxergar pouco nos mistérios tenebrosos o Infinito. Catadores de ilusão, eis o que seríamos em termos de lenitivo. Pescadores de talvez, de quimeras e afetos imediatos, nadamos nas águas profundas aonde sumiremos feitos heróis de fantasia. Criamos justificativas de persistir nos sonhos que, despertos, alimentamos de ocupação dos instantes quais inconscientes do que nos esperam os termos do  desconhecido imediato.

Igualmente contamos as histórias dos guerreiros que galgaram sucesso e viveram em paz diante dos valores eternos. Nada está perdido quando os propósitos revelarem em nós a perfeição de quanto existe durante as leis da Natureza.

(Ilustração: Leonardo da Vinci).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.