31 outubro 2014

O elefante no escuro - Por: Emerson Monteiro

Na Índia, uma parábola fala da experiência de quantos se propõem a conhecer a verdade. Trata-se de história divulgada no Ocidente pelos autores de livros populares sobre o modo de transmitir ensinos superiores. Esta prática exige um tanto de habilidade, porquanto cada um vive suas próprias ocasiões de aprender. Quando muito, adquirem versões subjetivas, convicções pessoais que tiram do grande todo, detalhes mínimos do que os sábios ensinam a seus discípulos.

Conta dita história que certa feita um rei apreciador das coisas do espírito reuniu três cegos e os solicitou que abordassem um elefante e, em seguida, explicassem do que se tratava.

Um por um, os cegos se achegaram do animal e tocaram seu corpo em distantes regiões.

Depois, trazidos ao soberano, descreveram o que haviam conhecido através do sentido do tato, esforço este acompanhado de perto por outros súditos ali presentes.

O primeiro dos cegos descreveu que sentira pelas mãos ser enorme dotado de imensas orelhas, semelhante a tipo que poderia se deslocava no ar graças aqueles possantes instrumentos de locomoção.

Já o segundo cego, por sua vez, justificou que apalpara bicho de barriga avantajada, o que, devido ao peso do que acumulava, lhe impedia o deslocamento. Daí necessitar possuir patas comparáveis a troncos de árvores frondosas, com as quais permanecia preso ao solo, a se mover com dificuldade e risco para a segurança dos que viviam a sua volta.

Por fim, o terceiro cego considerou haver conhecido espécie rara capaz de reter o ar sugando-o através de orifícios situados na extremidade da tromba poderosa. Qual enguia gigante, o pavoroso monstro vivia de tudo examinar com o tal dispositivo, causando horror aos que encontrasse no caminho.

Como visto, o monarca ouviu nada além de ponderações de ordem singular. Porquanto, devido à limitação de suas vivências, os cegos apenas puderam abordar o objeto que apalparam sob os limites do que possuíam em suas noções anteriores.

O julgamento da cultura humana ocorre nas mesmas e restritas limitações pessoais. Ninguém que se preze negará esta sentença, fruto do estado precário em que ainda nos achamos. São avaliações significativas, destacando a importância de ser humilde no que tange a pontos de vista. Isto significa dizer, também, que a soma dos valores coletivos somados ampliam as chances de todos nós juntos um belo dia conhecer a Verdade absoluta na sua plenitude, por meio da fraternidade e união das individualidades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.