02 julho 2014

As três candidaturas do antigo bloco hegemônico da política cearense - Por: Luiz Cláudio Ferreira Barbosa




As três principais candidaturas para governador do Estado do Ceará poderiam ser classificadas como três polos distintos: situação, oposição e terceira via. Eu analiso de maneira diferente, pois são apenas três sub-conjuntos do antigo conjunto do condomínio político-administrativo do governador Cid Gomes (2007 – 2014).

No último pleito eleitoral estadual de 2010, os três principais concorrentes a vaga de governador fizeram parte do mesmo palanque. O deputado estadual Camilo Santana (PT) foi eleito na mesma chapa proporcional que elegeu a deputada Eliane Novais (PSB), como também, ambos pediram votos, para o candidato ao senado Eunício Oliveira (PMDB), que era companheiro de chapa majoritária do governador Cid Gomes (PROS) na sua reeleição à frente do executivo cearense.

O atual governador Cid Gomes (PROS), não manteve a coesão do seu condomínio político-administrativo para a sua própria sucessão estadual. Cid Gomes compreendeu que não manteria os seus antigos aliados no mesmo palanque, por isso as rupturas já esperadas nos últimos meses. A primeira ruptura com o seu antigo partido, com isso a ida da deputada estadual pessebista Eliane Novais, para a oposição ao seu futuro palanque, no final do segundo semestre de 2013. A segunda ruptura se deu quando não aceitou a pressão do seu mais antigo aliado político-eleitoral, o senador peemedebista Eunício Oliveira (PMDB), como o seu candidato natural, na sucessão estadual do Ceará, com isso o PMDB, foi para oposição no primeiro semestre de 2014.

O deputado estadual petista Camilo Santana representa em tese o candidato do governador Cid Gomes (PROS), como o seu herdeiro político – administrativo, com a manutenção da maioria dos partidos da base aliada do Governo estadual, na sua coligação, para o pleito eleitoral de 2014. O senador Eunício Oliveira (PMDB) recebeu o apoio de uma frente partidária de oposição (PSDB – PR – DEM – PPS e outros) para a sua candidatura ao Governo do Estado do Ceará, que não tinha uma candidatura natural e nem competitiva, por isso da adesão, a essa candidatura dissidente. A deputada estadual Eliane Novais (PSB) será candidata à sucessão estadual, para construir um palanque local, para o presidenciável Eduardo Campos (PSB).

O senador Eunício Oliveira (PMDB) e os deputados estaduais Camilo Santana (PT) e Eliane Novais (PSB) são representantes do mesmo grupo hegemônico da política cearense dos últimos oito anos. A pulverização de postulantes ao Governo do Estado do Ceará é um fenômeno político novo, pois são todos oriundos de mesma matriz política – eleitoral, que se dividiu em três filiais distintas.

Por: Luiz Cláudio Ferreira Barbosa
Sociólogo e consultor político


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.