25 julho 2013

A corrupção que atinge o cotidiano - Por:Emerson Monteiro

Através de exemplos que vêm de cima da pirâmide, a corrupção parece querer dominar os costumes. Olhares em volta detectam inúmeros profissionais de enganar os irmãos, o que virou moda nos quadrantes cinzentos sociais. Aonde observar, ali crescem autores da crise moral que solapa resistência das gerações, trajados e falantes, senhores de vida e morte. Do pequenino ao maior, vírus nefasto da ausência de zelo com o bem público infesta partidos, instituições e os poderes da República, estados, municípios, câmaras municipais, tribunais, conselhos, fábricas, mercados, ruas, praças, becos, favelas, subúrbios, num tsunami de proporções apocalípticas, época das tecnologias de ponta que prevalecem a qualquer custo. Jamais, quais agora, autoridades seguem o código dos corruptos, no entanto andam soltos com direitos nunca vistos, a ponto de circular nos voos domésticos e internacionais posando de vestais, mandando e desmandando tudo quanto é lado.

Havia profecias que davam conta do risco disso um dia constranger o mundo, porém ninguém avaliaria chegasse a essas proporções que invadem nações inteiras, sem limites e escrúpulos. O homem lobo do homem exercita instintos e as garras da ferocidade nos esquemas e fraudes de perversões incalculáveis, além da pura violência, porquanto adotam meios desvanecedores e torpes. Gangues avançam descontroladas ao erário das coletividades, simulam correção e vendem imagem de puros às multidões, instrumentos democráticos no serviço dos piores, marca do tempo da enganação desenfreada.

Por mais diga palavras que definam o quadro de miséria ocasionada pelos invasores da alma popular, restam perdidas no fundo das gavetas da burocracia as faces escuras, longe de tocarem o coração de quem possa reverter o quadro endêmico da dor dos pesadelos.

Corruptos afirmam de boca cheia que eles existem de comum acordo com seus adorados corruptores, os mesmos negociadores de votos, aliciadores que aproveitam dos postos de comando a preço de banana, nos turnos eleitorais de triste memória. Poucos, raros, formadores de opinião, talvez disponham da força de modificar o painel do desencanto, tarefa hercúlea, entretanto. Às vezes, merece avaliar que a humanidade cava deste modo e maneira precipícios que neles cairá, segundo as previsões dos videntes nas várias civilizações. Disso, então, passada a procela, nascerá o período sadio na história que constituirá, só então, a honestidade no melhor dos mundos.


Ainda que constem hipóteses dignas de prova no imaginário popular, onda de limpeza moral da raça em vias de contaminação generalizada pede esperança monumental aos valores eternos da bondade. Justiça soberana alimentará a seu jeito preservação da boa vontade no caminho infinito dos séculos em fim, amém.        

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.