28 março 2013

Terapia genética cura leucemia em apenas oito dias



Davidaponte
David Aponte
Um estudo inovador dá esperanças a pessoas que não já têm nenhuma: dentro de apenas oito dias após iniciar uma nova terapia genética, a leucemia “incurável” de David Aponte havia desaparecido.
O mesmo aconteceu com quatro outros pacientes no prazo de oito semanas, embora mais tarde um tenha morrido de um coágulo de sangue não relacionado com o tratamento, e outro depois de recaídas.
O trio que foi curado, entretanto, havia sido previamente diagnosticado com recaídas geralmente fatais de leucemia linfoblástica aguda. Agora, os pacientes se encontram em remissão da doença já faz entre 5 meses e 2 anos.
Michel Sadelain do Centro Memorial de Câncer Sloan-Kettering, em Nova York (EUA), coautor do estudo, diz que um segundo teste clínico com 50 pacientes está sendo preparado. Além disso, a equipe vai tentar usar a técnica para tratar outros tipos de câncer.
Como funciona
A chave para o novo tratamento é a identificação de uma única molécula de superfície de células cancerosas para, em seguida, usar engenharia genética a fim de manipular células do sistema imunológico de um paciente para atacá-la.
Por exemplo, em leucemia linfoblástica aguda, células imunes chamadas células B se tornam malignas. Os pesquisadores conseguiram identificar e alvejar uma molécula de superfície conhecida como CD19, que está presente apenas em células B.
Eles extraíram outras células do sistema imunológico dos pacientes chamadas células T, que por sua vez foram tratadas com um vírus inofensivo, que instalou um novo gene que as redirecionou para atacar todas as células portadoras de CD19.
Quando as células T modificadas foram injetadas nos doentes, elas rapidamente mataram todas as células B, cancerosas ou não. “Em todos os cinco pacientes, os tumores ficaram indetectáveis após o tratamento”, conta Sadelain.
Segundo os cientistas, o corpo do doente deve repor o sistema imunológico com células T e células B saudáveis após um par de meses. No entanto, os pacientes do estudo receberam medula doada para garantir que pudessem regenerar um sistema imunológico saudável.
Tratamento promissor
O tratamento não é o primeiro a modificar células T para atacar um tipo de leucemia. No ano passado, uma empresa internacional chamada Adaptimmune usou a abordagem para tratar 13 pessoas com mieloma múltiplo, e conseguiu deixar 10 em remissão.
Também, no Hospital Infantil da Filadélfia (EUA), pacientes como a pequena Emma Whitehead, diagnosticada com leucemia linfoblástica aguda, entraram em remissão de cânceres aparentemente incuráveis após uma terapia experimental que envolveu a remoção de milhões de células T do paciente e sua modificação genética a fim de que matassem as células cancerosas.
“Embora seja cedo para dizer, a abordagem de modificação de células T para atacar o câncer está cada vez mais ganhando espaço ao lado de tratamentos mais tradicionais”, explica Paul Moss, do Cancer Research (Reino Unido).[NewScientist]
hypescience

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.