17 janeiro 2013

O chapeado indócil - Por: Emerson Monteiro


Em Crato, naquele tempo, os ônibus do Expresso de Luxo, que faziam a linha para Fortaleza, saíam da esquina da Rua Nélson Alencar ao lado da Praça do Cristo Rei, espécie de rodoviária improvisada no centro da cidade, também conhecida por Esquina de Chagas Bezerra.

As malas dos passageiros chegavam trazidas no ombro e na cabeça pelos chapeados, tipos humanos forçudos, peões que também carregavam e descarregavam as bagagens do trem e os vagões da estrada de ferro. Braços musculosos, pescoços atarracados de tanto peso, cachaceiros de marca maior, esses profissionais se organizavam numa espécie de sindicato, para receber assistência coletiva e uma chapa de bronze polido com um número gravado, que fixavam bem na frente de chapéu de maça acolchoado, ficando mais conhecidos por esse número do que pelo próprio nome.

Deles todos o mais famoso deles seria Noventa, figura folclórica pelo jeito ligeiro de andar, falar e contar suas histórias de prenhes de humor fino e malicioso.

Bom, dizíamos, em Crato, naquele tempo, os ônibus do Expresso de Luxo, que faziam a linha para Fortaleza e saíam da esquina da Rua Nélson Alencar ao lado da Praça Francisco Sá, a da Estação Ferroviária... Época quando vieram a Crato Irmã Maria Alice e outras freiras do Silêncio, assim denominadas pela ausência de hábito ostensivo, característica dessa ordem da qual participa minha Tia Vanice.

Vieram em visita de poucos dias, conheceram Crato, Juazeiro de Norte e lugares típicos da Região, e nessa noite retornavam para Fortaleza, daí seguindo a Recife, casa de onde provinham e residiam.

O chapeado que transportava a bagagem da freira e das suas acompanhantes, a seu turno, não parecia viver noite das mais felizes quando chegou superlotado de malas e sacos, despejando-os sobre a passarela de embarque. Exasperado, resmungão, grosseiro, ele falava alto, chamava nome feio, respondia ríspido aos que lhe falavam, esbravejava com tudo e todos, bruto de causar espanto, coiceando até o vento.

Apreensiva, Vanice, uma das anfitriãs, meio sem jeito, observou instante em que a Madre aproximou-se do chapeado agressivo, chamando-o fora do movimento e dizendo-lhe baixinho algumas palavras próximas aos ouvidos. Depois daquilo, a calma dominou o recinto aonde circulava boa quantidade de gente, passageiros e familiares, na hora da despedida. O homem terminou de cumprir sua função, recebeu o pagamento, e viajaram em paz.

Porém Tia Vanice guardou o gesto que modificou o astral do chapeado. Lembrou ainda por longo tempo da cena, força persuasiva da religiosa e sua atitude tranquilizadora.

Passados cinco anos, ou mais um pouco, achava-se em Salvador, durante bela festa de homenagem à Irmã Maria Alice, que inteirava meio século de serviços prestados, conquista marcante em prol da educação, da solidariedade... Ótima ocasião de recordar o poder de convencimento da feira na estação de passageiros de Crato... Indagação que alimentara tanto tempo.

Sem contar conversar, na primeira chance, chamou de lado a homenageada e perguntou-lhe o transmitira de conselho ao chapeado, o que causara efeito mágico de mudar o seu humor, arrefecer-lhe os impulsos, pondo-o de volta à passividade.

Sem maiores esforços, a freira lembrou com detalhes o episódio, inclusive o que dissera:

- Não falei coisa muito especial. O que fiz foi só mostrar a ele que sua braguilha estava desabotoada. Daí, ele se afastou um pouco, recompôs o traje e continuou a trabalhar como se nada houvesse acontecido. Apenas isso.

Por: Emerson Monteiro
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.