07 novembro 2012

Ação no Crato combate a violência contra a mulher


O Cariri apresenta altos indicadores de violência doméstica, em que a mulher é ainda o principal alvo

Crato. A partir do próximo dia 10 até o mês de dezembro, o Conselho da Mulher Cratense irá iniciar uma série de atividades em prol do combate à violência contra a mulher na região do Cariri. No período, haverá desde palestras sobre o direito à vida e implementação da Lei Maria da Penha, a concentrações e passeatas pelas ruas da cidade, debates de casos ocorridos e esclarecimentos da atuação dos órgãos de defesa da mulher. Em alguns Municípios, como Juazeiro e Barbalha, as agressões aumentaram. Por isso, o Conselho pretende ampliar a mobilização da sociedade FOTO: YACANÃ NEPOMUCENA A expectativa é que a ação envolva a sociedade na causa e cobre do Estado a efetivação das políticas públicas de enfrentamento a este tipo de agressão.

Apenas este ano, em todo o Cariri, 17 mulheres foram assassinadas. Três destes crimes ocorreram no Crato, entretanto, nenhuma delas residia na cidade. Os dados são do Conselho da Mulher Cratense, que aponta o município de Juazeiro do Norte como sendo o mais violento. A contagem já supera os índices de 2011, quando foram registrados oito homicídios.

Nos últimos dez anos, quando aconteceu uma série de assassinatos de mulheres nas cidades de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha, os órgãos de defesa da mulher, em parceria com a justiça, deram início a uma ampla campanha para prevenir a violência e tentar identificar e punir os agressores. Dos sete casos do massacre, até agora, quatro ainda não foram à julgamento. A particularidade do que acontece no Cariri já é motivo de estudos por parte de alunos de escolas do Ensino Médio em Fortaleza. Para começar cedo a formar uma consciência sobre a violência doméstica, em que a mulher ainda é o principal alvo, alunos do 1º ano do Colégio Ari de Sá (3 tarde), na Capital, vêm se mobilizando para apresentar luzes novas sobre o tema. A estudante Raquel Copriano Melo diz que, tendo como base o site Miséria, descobriu-se que o assassinato de mulheres este ano cresceu em Juazeiro do Norte 33% em relação ao ano passado e situação pior acontece em Barbalha onde, a menos de dois meses para terminar 2012, já houve um aumento de 50% em termos de homicídios. Os estudantes pretendem não apenas revelar o que ainda é uma mancha grave da sociedade cearense, mas levar o espírito do respeito e da pacificação humana para além dos muros da escola.

Desde 2002, 218 mulheres morreram vítimas da violência. Alguns crimes tiveram requintes de crueldade. Os índices são alarmantes. De acordo com as pesquisas da Secretaria Especial de Políticas Para as Mulheres, nacionalmente, a região lidera as estatísticas, ficando atrás apenas das cidades do Rio de Janeiro e Recife, respectivamente. O órgão indica que no País, a cada 15 segundos, uma mulher é espancada por um homem. Geralmente os agressores são os namorados, maridos, parceiros ou ex-amores. Para tentar minimizar os aspectos desta triste realidade, no âmbito regional, as instituições tentam vencer as barreiras provocadas pela falta de infraestrutura unindo forças por meio de parcerias.

Acolhimento

As ações de acolhimento, encaminhamento e acompanhamento das vítimas são feitas com os apoios do Coletivo Regional de Mulheres Trabalhadoras Rurais da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estados do Ceará (Fetraece), Casa Lilás, Defensoria Pública, Delegacias da Mulher, Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e Conselhos da Mulher, que promovem o ativismo em favor da causa.

Maria da Penha

No Cariri, o desconhecimento da Lei número 11.340/06, mais conhecida como Maria da Penha, que criou mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra as mulheres, ainda é um dos empecilhos para a transformação do atual cenário. Segundo uma das fundadoras do Conselho da Mulher Cratense, Francisca Alves da Silva, muito ainda pode ser feito para reprimir os agressores. Para ela, a capacidade operacional da Lei não está sendo utilizada plenamente. "Elas só procuram defesa quando já não suportam mais conviver com os agressores. É preciso que busquem ajuda logo nos primeiros indícios da violência. Geralmente, as mulheres são muito magoadas, principalmente por dentro", revela.

No Crato, este ano, foi realizado um julgamento de crime contra à mulher, que resultou em 15 anos de reclusão para o acusado. Porém, o réu já havia cumprido um terço da pena e saiu em liberdade. Outros dois estão marcados, um deverá acontecer hoje, às 8 horas, no Fórum Desembargador Hermes Parahyba, e o seguinte no dia 17 de dezembro, no mesmo local.

Condenação

A expectativa dos órgãos de defesa da mulher é que os culpados sejam condenados e paguem pelos seus atos. Apesar dos altos índices da violência de gênero, a região do Cariri é carente de mecanismos de combate a estas práticas. Não há uma Casa Abrigo, que possa dar suporte as que abandonam seus lares, investimentos em acolhimento das mulheres que sofrem agressões, funcionamento 24 horas das Delegacias da Mulher em Juazeiro do Norte e Crato e nem um Centro de Referência Regional da Mulher. Sem esses dispositivos, muitas vítimas temem denunciar e, ainda, registrar queixas dos seus agressores. Contra o gênero, os tipos mais comuns são as agressões física, sexual, patrimonial, além da psicológica. Quebrar o silêncio e procurar auxílio ainda é a melhor saída apontada pelas entidades de proteção à mulher, aconselham que elas devem ter coragem. Para as que desejam denunciar as ofensas ou qualquer tipo de dano, o Conselho da Mulher dispõe de um Disque Denúncia de Violência Contra a Mulher. O número pode ser acionado durante as 24 horas do dia.

Casos

17 mulheres foram vítimas de violência no Cariri, em 2012. Três destes crimes ocorreram no Crato, entretanto, nenhuma delas residia na cidade

Mais informações:

Conselho da Mulher Cratense
Endereço: Rua José Carvalho,153 Centro- Crato
Região do Cariri
Telefone: (88) 8813.5021

YACANÃ NEPOPUCENA
Repórter do Jornal Diário do Nordeste



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.