12 janeiro 2012

Apresentando o livro de Cláudia Pierre -- por Armando Lopes Rafael


(Excertos do texto da apresentação do livro “Culpa, Cura e Relacionamento”, de Cláudia Pierre, feita por Armando Lopes Rafael, em solenidade ocorrida no Encosta Hotel da Serra, na noite do último dia 8)

Semanas atrás, fui surpreendido com a publicação do primeiro livro de Cláudia Pierre (foto ao lado), epigrafado de Culpa, Cura e Relacionamento. É este livro que tenho a honra de apresentar nesta noite.
Ao lê-lo, vi que tinha razão o jornalista alemão Peter Seewald quando escreveu no seu livro “Como voltei para Deus”:

“Nas décadas passadas antigas virtudes sofreram uma rápida desvalorização. A globalização nivelou pela mesma medida culturas inteira. Fomo-nos afastando continuamente dos antigos padrões básicos de valores, instituições e modos de relacionamento. O mundo secular, no entanto, não pode sobreviver sem tradições, regras, ritos, espiritualidade. E até pessoas afastadas da Igreja já consideram bárbara uma sociedade inteiramente descristianizada. O debate ético está (pois) em andamento...”.

Agradável a leitura do livro Culpa, Cura e Relacionamento – que veio alimentar esse debate ético, em andamento, dentro do amplo tema da espiritualidade. É comum a pergunta: O que é espiritualidade?

A partir da leitura deste livro de Cláudia Pierre poderíamos tentar defini-la, de forma sintética, como tudo o que tem por objetivo as coisas do espírito – elevação, transcendência, sublimidade – ou qualidade do que é espiritual. Espiritualidade é, ainda, o conjunto de princípios que orientam a vida moral e religiosa de uma pessoa.

Este livro de Cláudia Pierre é, pois, um contributo à busca do caminho espiritual, ou seja, quando nos dispomos a nos reconectar com a Luz do Criador, tendo como meta o equilíbrio de nossa vida, apesar das nossas limitações humanas. Nessa busca as pessoas não são rotuladas; Não somos cristãos, budistas ou judeus; Nem masculino ou feminino. Essa busca tem como finalidade nos ajudar a ser cada vez mais livre da matéria e senhores dos nossos instintos.

Ao concluir a leitura do livro de Cláudia, fiquei sabedor de que a espiritualidade possui a sua ética – no reconhecimento da culpa, na busca da cura, no melhoramento do relacionamento com os nossos semelhantes.
Assim, podemos resumir a ética como sendo a confiança, respeito, unicidade, integridade. Estas seriam as palavras-chave, os eixos centrais de alguns caminhos da ética e da espiritualidade. Práticas constantes do bem.

Como a autora bem exemplificou numa citação:

“No mundo material, quando damos algo, tornamo-nos mais pobres, ficamos desprovidos desse algo que demos. A partilha de objetos materiais é uma subtração. A partilha no mundo das ideias é uma soma, melhor, é uma multiplicação. Quanto mais damos, mais temos, pois o que damos não perdemos, mas permanece conosco e continua de um modo reforçado”.

Neste conceito emitido pela autora, compreende-se o significado da espiritualidade. Ele é amplo. Não se restringe apenas aos conceitos religiosos. Espraia-se nas ciências. Repercute em outras dimensões humanas e nas da Natureza.

O livro de Cláudia Pierre – modesto como a autora – mas profundo de conteúdo permite-nos detectar a importância da espiritualidade como uma das fontes de inspiração do novo; da busca do sentido da vida e da forma de administrar o nosso relacionamento com o semelhante.

Gostaria de finalizar minhas palavras, citando um pensamento do Dalai-Lama que bem poderia ter sido escrito por Cláudia Pierre:

“A essência de toda vida espiritual é a emoção que existe dentro de você, é a sua atitude para com os outros. Se a sua motivação é pura e sincera, todo o resto vem por si. Você pode desenvolver essa atitude correta para com seus semelhantes baseando-se na bondade, no amor, no respeito, sobretudo na clara percepção da singularidade de cada ser humano”.
(Texto e postagem de Armando Lopes Rafael)

2 comentários:

  1. Grande Armando. Antes de tudo parabéns pela postagem. Há nesses tempos esquizofrênicos uma necessidade urgente de refazer conexões metafísicas e a elaboração mais acuidada do que seja a ideia de Deus, não só como fé mas também como conceito. Infelizmente a "educação" que temos hoje nas próprias escolas católicas nos distanciam cada vez mais de tais parâmetros. Sobre isto gostaria de lhe recomendar que dê uma olhada com urgência sobre a obra do Mário Ferreira dos Santos. Os livros são maravilhosos, verdadeiro tesouro renegado. Muitos deles, cerca de 47, eu baixei pelo site www.4shared.com. É fundamental conhecer as obras "Sobre Deus", "Origem dos grandes erros filosóficos" e "A Invasão Vertical dos Bárbaros". Caso tenha algum interesse posso te repassar todos eles por um DVD que tenho aqui e te entrego em mãos assim que desejar.

    ResponderExcluir
  2. Caro Sávio:

    Obrigado.
    Tenho interesse no DVD.
    Depois entro em contato com o amigo.

    Armando

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.