09 dezembro 2011

O patrono da Praça Siqueira Campos -- por Armando Lopes Rafael


Busto de Siqueira Campos que existia na praça com seu nome, no centro de Crato - Foto de Dihelson Mendonça


Quem foi Manoel de Siqueira Campos, que dá nome a uma praça no centro de Crato? Do livro Roteiro Biográfico das Ruas de Crato, escrito pelo jornalista J. Lindemberg de Aquino, retiramos as informações abaixo:
Manoel de Siqueira Campos nasceu na então vila, hoje cidade de Porteiras, Estado do Ceará, em 18 de maio de 1874 e faleceu – vitimado de paratifo – em Recife, a 30 de julho de 1928. Sua família se deslocou para Pernambuco quando Manoel Siqueira Campos era ainda menino.

As suas atividades comerciais foram iniciadas e se desenvolveram na localidade pernambucana de Triunfo. Ali instalou estabelecimento comercial completo. Radicado em Triunfo, graças ao seu espírito de liderança e capacidade de luta, aliado a incomum senso de iniciativa, procurou modernizar os métodos de comércio, financiando e estimulando os agricultores daquela zona, a exemplo do que faz hoje os bancos oficiais. Como o faria depois em Crato, trazendo para esta última cidade os primeiros veículos motorizados, desconhecidos das populações de então.

Vindo para o Cariri, exerceu suas atividades comerciais em Crato, Juazeiro, Missão Velha e Barbalha.

Siqueira Campos era extremamente sensível à dor humana e usava uma maneira simples e decidida de ajudar aos que sofriam. Em Crato, durante a seca de 1915 – quando a fome destroçava vidas e bens – improvisou Siqueira Campos serviços de interesse público, como calçamento de ruas e praças, distribuindo o que existia em seus armazéns de gêneros e cereais com aquela gente, batida pela fome vinda dos sítios próximos e até do sertão.

Foi um dos homens mais progressistas que viveram em Crato, ao longo de toda a história desta cidade. Aqui instalou a nossa primeira fábrica de bebidas, na Rua da Vala, hoje denominada Tristão Gonçalves. Em 1919 trouxe o primeiro automóvel para Crato. Adquirido em Recife, esse veículo teve uma chegada apoteótica à Cidade de Frei Carlos. No dia seguinte, Siqueira Campos teve outro pioneirismo: inaugurou – com seu carro – a estrada Crato-Lameiro.

Em reconhecimento a tudo que fez por Crato, o governo municipal deu seu nome a praça mais central da cidade. Anos atrás foi ali instalado um busto de bronze de Siqueira Campos. Busto, aliás, que na atual reforma daquele logradouro foi inexplicavelmente retirado.

Entretanto, pessoas influentes na cidade estão a exigir que esse busto seja reinstalado em qualquer ponto da cidade. Quem sabe no calçadão que fica em frente à Praça Siqueira Campos. Ou até mesmo em frente à igreja de São José Operário, no bairro Lameiro, já que Manoel Siqueira Campos também foi um benfeitor daquela localidade?

3 comentários:

  1. E bota falta de educação nisso. E educação não se aprende só na escola. Ela é resultado da formação humana que começa em casa, na rua, na observação dos bons costumes e na imitação de práticas politica e socialmente corretas. Quando um alguém, seja pai, professor, religioso, gestor público etc não prima pela conduta exigida pelos padrões culturais de uma sociedade, ele está sendo agente da deseducação.
    A educação política, ou seja, o cuidar da pólis como coisa de todos, é uma tarefa que exige muito mais do que ser um "administrador de prefeitura".

    ResponderExcluir
  2. Armando,
    E o carro trazido por Siqueira Campos subiu o Lameiro levando autoridades locais, amigos do dono. Fez barulho, poeira e serviu de medo e mangofa junto ao povoréu, que não o chamava de carro mas de "semovente", isto é, aquele que se move pelo chão..

    ResponderExcluir
  3. Zé Nilton:

    Seus dois comentários ficam fazendo parte integrante:

    a - da Coluna desta semana;
    b - do artigo sobre Manoel Siqueira Campos.

    Obrigado.

    Armando

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.