03 agosto 2011

Vinte e dois anos de saudade do Velho Lua! - Por Ana Paula Monteiro


Há precisamente vinte e dois anos partia para outra esfera Luiz Gonzaga do Nascimento, o Rei do Baião. Nordestino nascido em Exu, Pernambuco, ele como nenhum outro difundiu a cultura do nordeste para todo o país. Com grandes parceiros, tais como Humberto Teixeira, Zé Dantas, Patativa do Assaré, Fagner e tantos outros, cantou o sertão com suas belezas e espinhos. Asa Branca, o hino do sertanejo, A Triste Partida realidade vivida por tantos que rumaram em busca de melhores condições de vida deixando o seu torão natal, Lá no Meu Pé de Serra, autobiografia do Rei do Baião, Cratinho de Açúcar, homenagem feita à cidade de Crato, lugar visitado inúmeras vezes por seu Luiz, principalmente nas segundas-feiras (dia da feira do Crato), onde no Restaurante Guanabara almoçava proseando com o nosso querido boêmio, seu Nenen, dono do referido estabelecimento.

Bem, faltaria espaço para falarmos desse monstro da nossa música. Homem simples do sertão que sem sobra de dúvidas, amava tanto sua terra que com as suas canções levou aos quatro cantos do Brasil as diversidades de um povo desprovido de bens materiais, porém, rico culturalmente. Um povo que como disse Euclides da Cunha, antes de tudo é um forte. E, que apesar das atrocidades oriundas das secas e das más administrações é hospitaleiro, contente e amante do bom forró! Forró autentico e originado por Luiz Gonzaga, aquele que mais exaltou e cantou o sertão usando a música. Além, de ter divulgado o baião, o forró, o xaxado, etc nos presenteou com vários nomes renomados da música como: Dominguinhos, Waldones, Fagner, Oswaldinho, Elba Ramalho, entre tantos outros.

Portanto, fica aqui nossa saudade do Rei do Baião! Vale uma reflexão, sobretudo, para nós nordestinos que na contemporaneidade presenciamos o auge do chamado forró eletrônico, diria forró de pouca ou nenhuma qualidade. Certamente seu Luiz lá no céu deve muitas vezes ficar triste com essa “nova roupagem” que deram ao forró, essa descaracterização. Cabe a nós mudarmos essa vergonhosa realidade mostrando o trabalho de décadas do Pernambucano do século XX, Luiz Gonzaga do Nascimento, o Rei do Baião.

Ana Paula Monteiro Martins
Historiadora - Pesquisadora dos Coronéis na Primeira República Nos municípios de Crato e Juazeiro do Norte

2 comentários:

  1. Luiz Gonzaga, inesquecível. Qualquer pessoa ao escutar "Asa branca" na voz dele ou de outro artista se lembra na hora desse grande gênio da música brasileira.
    ótimo artigo, ótima lembrança!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Quero parabenizar a Ana Paula Monteiro pelo excelente artigo, e fazer-lhe um convite para que sempre fique enviando esses artigos para publicação no Blog do Crato.

    Muita gente pode ser comentarista, mas poucos tem a verve para ser um escritor.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça
    Administrador do Blog do Crato.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.