09 maio 2011

COLUNA ARMANDO RAFAEL - As Notícias do Cariri


http://1.bp.blogspot.com/-aXzlHqZP9IU/TcMBNM47QCI/AAAAAAAAXBk/5vlavL1z9jg/s1600/Coluna%2BArmando%2BRafael.gif


Mudaram os tempos
O aniversário, na última 2ª feira, dos 65 anos de criação da Floresta Nacional do Araripe passou em branco. Em 02 de maio de 1946, o Governo Federal criou – através do Decreto 9.226 – a primeira floresta nacional preservada no Brasil, com uma área total de 39.262,326 hectares (foto acima). Bons tempos aqueles! Os políticos tinham credibilidade. O Governo Federal investia em Crato, cidade que tinha prestígio e era conhecida por suas iniciativas pioneiras. Já hoje, juntam todas as lideranças do pujante Crajubar e não conseguem, sequer, a ampliação da pequena estação de passageiros do seu aeroporto regional...


Bye-bye, “componente político”
Daqui a dois meses e meio, Juazeiro do Norte estará comemorando o Centenário de sua emancipação política. Que acontecerá – como previmos – sem inauguração de qualquer obra pública de vulto. Certamente no próximo 22 de julho estarão presentes em Juazeiro todos os políticos situacionistas ali votados. Será interessante acompanhar, naquela ocasião, as declarações de quem prometeu mundos e fundos (leia-se: vultosas verbas) para as construções que seriam inauguradas durante as festas do Centenário. Deu no que deu...


Caiu a ficha
O prefeito de Juazeiro do Norte, Manoel Santana, firmou contrato de parceria com duas empresas privadas daquela cidade – Via Bach e Tecnolity – para construção de dois portais (dos quatro planejados) para serem localizados nas entradas/saídas da Terra do Padre Cícero. Dois anos atrás, Santana confiou ao deputado José Nobre Guimarães (PT) a obtenção dos recursos necessários para edificação desses portais. Tudo ficou na promessa. Desiludido, o prefeito juazeirense garantiu recursos – junto à iniciativa privada – para dois portais. E esta semana já manteve contato com o Atacadão Carrefour e Lojas Americanas visando a construção dos outros dois. Graças à iniciativa privada, esses portais poderão estar concluídos ainda este ano. E ainda tem quem acredite no tal do “componente político”...

Dois pesos, duas medidas
O governo de Moçambique – país africano de língua portuguesa – anunciou que o BNDES (leia-se: governo brasileiro) acaba de liberar 80 milhões de dólares para a empreiteira Odebrecht construir o Aeroporto Internacional de Maputo, na capital daquela nação. Enquanto isso, pelas bandas de cá, o governo federal assiste insensível ao sucateamento dos grandes aeroportos brasileiros e faz ouvidos moucos à luta do vice-prefeito de Juazeiro do Norte, Roberto Celestino, que está perdendo os últimos fios de cabelos, na busca por melhoramentos para o Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes.

Esqueçam o que eu disse
Durante a campanha para a última eleição presidencial a então candidata do PT, Dilma Rousseff, passou a maior parte do tempo criticando a política (bem sucedida) de privatizações do governo Fernando Henrique Cardoso. Os petistas diziam que as privatizações era uma forma de os neoliberais "vender" o Brasil. Lembram-se? Mas como o mundo dá muitas voltas, a agora presidente Dilma anunciou, dias atrás, que alguns aeroportos brasileiros serão privatizados para funcionarem a contento na próxima Copa Mundial de Futebol.

Luz no fim do túnel?
Já diziam nossos avós: Nada como um dia atrás do outro. Uma parte dos “cumpanhêros começa, enfim, a se render à realidade de que as privatizações são uma boa alternativa para as coisas funcionarem bem no Brasil. O anúncio da presidente Dilma abre assim provável perspectiva para o Aeroporto Orlando Bezerra de Menezes (foto à direita). Os caririenses já não acreditam mais nos anúncios do governo federal, quanto à ampliação da estação de passageiros daquele terminal aeroviário. Quem sabe, se a Infraero decidisse privatizá-lo, surgiriam empresas interessadas na exploração do aeroporto da Região Metropolitana do Cariri? Com regras claras e um rígido controle pela agência reguladora, nosso aeroporto poderia receber os melhoramentos há anos prometidos, e nunca concretizados...


Curtas
1 – Enquanto isso, a Infraero indeferiu os pedidos de duas empresas aéreas que desejavam incluir Juazeiro do Norte no seu roteiro de voos: TAM e Trip. Tal decisão já era esperada, pois não existem condições de aumento nos voos no Aeroporto Regional do Cariri. Falta estrutura para tanto.

2 – Quem passa pela Avenida Ailton Gomes, localizada no Pirajá, em Juazeiro do Norte, vê três construções que vão abrigar futuras agências bancárias naquele bairro: Banco do Brasil, Caixa Econômica e Bradesco.

3 – Daqui a 19 dias será realizada a consulta para a escolha do novo reitor da Universidade Regional do Cariri. Votarão professores, funcionários e alunos. A sociedade caririense só espera que o escolhido tenha a capacidade de colocar um ponto final nas brigas & futricas paroquianas que ocorrem, na Urca, nos últimos anos.

4 – A diocese de Crato conta atualmente com 96 padres diocesanos. Neste número não estão incluídos os padres pertencentes às instituições religiosas (franciscanos, salesianos, etc.).

5 – O Hospital Regional do Cariri ainda nem começou a funcionar, mas já se anunciou o fechamento do Hospital Santo Inácio de Juazeiro do Norte. Torçamos para que esse fechamento não seja o início de outros, num efeito cascata...

3 comentários:

  1. Um bairro do Juazeiro contará com a quase totalidade dos bancos existentes no Crato..Acorda, Crato.

    ResponderExcluir
  2. O Crato vai acordar, no dia em que aprender a VOTAR CORRETAMENTE. Tudo isto que está acontecendo, de evasão de empresas, de órgãos, é porue o povo do Crato só vota em gente que não presta. Veja por exemplo, Crato deu 10.000 votos a Ciro Gomes que não fez P. Nenhuma pela cidade. E vários outros políticos também.

    Crato sempre entrando pelo cano! Porque o povo é idiota demais. Vai tomar na cara até aprender!

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  3. Floresta Nacional do Araripe - a imagem é linda e não há dúvidas de que a floresta está cumprindo sua função ecológica. Aproveito o ensejo e sugiro aos prefeitos de cada município brasileiro para que cada um crie uma estação ecológica, se possível na montante do curso d'água que forma o manancial. Alguém diria: minha cidade não tem curso d'água. Sem problemas forme a floresta que possivelmente surgirão nascente. No Brasil seriam 5.564 estações ecológicas. Em tempo: esqueçam essa ideia de novo código florestal e invistam na preservação da vida, nossa e daqueles que não conseguem se fazer ouvir.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.