08 março 2011

Rick Estrin: blues, diversão, showtime - Por Dalwton Moura

Estrin fechou uma noite de shows memoráveis no Festival Jazz & Blues
Um espetáculo, em todas as dimensões da palavra, ao som do velho e bom blues. O gaitista, cantor e compositor californiano Rick Estrin mostrou por que segue como um dos nomes mais aclamados pelos blueseiros, desde que recebeu as bênçãos de ninguém menos que Muddy Waters, na Chicago dos anos 70. Em plena forma aos 61 anos, Estrin fechou uma noite de shows memoráveis no Festival Jazz & Blues, apresetando-se após o pianista carioca Claudio Duelsberg. E levando a plateia a aplaudir de pé, em vários momentos, um show que, pela música em si, já seria impressionante. Mas que, bem à americana, cuida de agregar vários outros elementos, no melhor conceito de “showtime”.

Do figurino à malemolência do gaitista no palco, da sonoridade encorpada da banda com acento próprio à disposição constante de brincar e interagir com o público, Rick e companhia ganharam a plateia desde cedo. São inúmeros os momentos em que o músico incorpora o personagem, entre caras, bocas e, mesmo com um português restrito ao “obrigado”, pedidos para o público vibrar junto.

Nem precisava. Lotada, a Cidade Jazz e Blues aplaudiu de pé a performance de Estrin e companhia, elegendo, além do gaitista, o guitarrista Chris “Kid” Andersen, norueguês radicado nos Estados Unidos, como o grande destaque da noite. Grandalhão, desajeitado, Andresen roubou a cena tanto pela inventividade e pela energia de seus solos, quanto pelo carisma, reconhecido pelo público. Foram muitos os duos de frases e caretas com Estrin, além de uma brincadeira com o baixista Lorenzo Farrel, em uma troca de instrumentos improvisada.

Dançando no palco desde o início do show, com “Wrap it up”,Rick e os Nightcats simplesmente arrebataram nos solos em “You´re gonna lie” – com direito a aplausos de pé para o batera J. Hansen, usando luzes nas baquetas para mostrar a velocidade das marcações e do improviso, em cadência acelerada. Foi o auge da apresentação que, visitando várias vertentes do blues, passou pelo slow com espaço para a gaita brilhar e voltou ao clima dançante com “My next ex-wife”, sempre com Estrin “duelando” com Andersen. Que torna a incendiar ao comandar os vocais e a guitarra em “Taco Cobbler” – um show à parte.

De volta ao palco, Estrin ainda tem tempo de mandar “You can´t come back”, fechando um show pra entrar na lista dos mais marcantes da história do festival. E como a plateia exigiu bis, o gaitista voltou para uma performance solo, fechando a noite de blues, energia e diversão.

Dalwton Moura é jornalista e crítico musical


Fotos de chico Gadelha
Publicado no Jornal O Povo Online
Postado por Beto Fernandes

Um comentário:

  1. Tive o prazer de participar desta noite em Guaramiranga no Festival de Jazz & Blues. Foram shows inesquecíveis. O Rick Estrin além de um excelente músico é uma figuraça! Parabéns aos organizadores do Festival!

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.