23 março 2011

CRATENSES, VAMOS À LUTA - Por: Pedro Esmeraldo


NE
- Compartilhamos do posicionamento do Pedrinho Esmeraldo quanto à demora na aplicação da verba de 4 milhões de reais, já liberada pelo governo federal, e eu ainda crescentaria: conseguida a duras penas pelo Prefeito Samuel Araripe em Brasília, e que está simplesmente "mofando" nos cofres do Banco do Brasil, retido pelo Governo do Estado, que está atrasando não somente esse, mas inúmeros projetos para o Crato, como se a subjugar e colocar o Crato de Joelhos perante o Governo do Estado.

Estávamos isolados em nosso gabinete e começamos matutar sobre os problemas aflitivos do Crato. Ultimamente, por capricho do destino permanecemos amargurados por causa das propostas desarticuladas, pois de vez em quando pretendem esvaziar a nossa cidade do Crato. Será que vamos acomodar-nos a essa situação conflitante, às vezes povoada pela massa governamental, visto que notamos que esse pessoal, pertencente ao poder executivo do Estado, que tem o comportamento incompatível, visa somente prejudicar a cidade do Crato? Ou então, pensamos à toa, dizendo que tudo isto não possa ter divisão de um caso que os comparsas (inimigos) pretendem fazer tirar do Crato, com o aval do chefe do poder executivo? Pois bem, assim pensamos nós, pois temos em nossa mente, visto que esse digno pessoal vive alcovitado com o pessoal inimigo do Crato e vem sorrateiramente retirar daqui o seu patrimônio que foi adquirido ao longo dos anos, sem prejudicar nenhum município vizinho.

É isso mesmo, meus amigos, todos lutam, gritam, mas o que é do prestígio para reclamar? Por que os cratenses não se unem e vêm protestar em massa contra essas injustiças que há agora? Por que os cratenses se acomodam e se conformam e ainda, não reagem com as forças e movimentos continuados a fim de impedir através do direito de cidadania e, por isso, podemos afirmar e partir para a luta com o desejo de conseguirmos o nosso objetivo que é a reaquisição dos nossos bens patrimoniais, visto que os astutos da mão ligeira nos levaram?

Todo esse movimento hostil é motivado pela falta de consideração de algumas autoridades do Estado e que tem o interesse exclusivo beneficiar o município vizinho e o Crato que caia na bancarrota. Por certo o seu maior desejo é arruinar o nosso município que desde há muito anda discriminado. Em que lugar se encontra a imprensa, o Lyons, Rotary, Diretores Lojistas, Sindicatos dos Trabalhadores, a diretoria da AFAC e finalmente toda a população cratense e os amigos e simpatizantes do Crato, solicitando que reajam diante desta situação enegrecida do Crato? Por que motivo os deputados paraquedistas que vieram açambarcar os votos dos cratenses, sumiram e não compareceram aqui a fim de comungar com o povo no dia de seu pesadelo no decorrer da tromba d’água que desabou em Crato no dia 28.01.2011? Por que senhores deputados, só lembram do Crato quando se aproximam as eleições, isto é, Crato só é lembrado quando os senhores precisam de votos?

Por que senhores, bloquearam a pequena parcela proveniente do Governo Federal destinada para amenizar o sofrimento do povo? Ah senhores, chefes poderosos do Ceará, se os senhores querem bem ao Crato como dizem, entreguem todos os nossos bens e fiquem sabendo que o Crato também faz parte do Brasil, pois pagamos impostos, talvez mais que outro município,e é menos contemplado.Levamos ao seu conhecimento que também lutamos pelo direito de soberania, desejando enfrentar os desafios que aparecem de vez em quando.

Agora lançaremos uma pergunta: que mal o Crato lhe fez a não ser sufragar seu nome por mais de uma vez para o comando administrativo do Estado? E agora querem levar a desforra distribuindo chicotadas nos lombos de seus habitantes, tirando tudo daqui e nada fazem? Que tristeza meu Deus. Obs.: Dedico esta crônica ao amigo Zé Nilton, como chamado para lutarmos juntos a favor do Crato.

Crato-CE, 21 de março de 2011

Por: Pedro Esmeraldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.