04 janeiro 2011

O dom das palavras - Dedicado a Claude Bloc



Nota: A palavra e seus significados; A palavra move o mundo. Pela palavra, Jesus criou uma estrutura que já perdura por 2000 anos. Pela palavra, Adolph Hitler conduziu a humanidade a uma guerra que matou 11 milhões de pessoas. Palavras tem o poder de transformar, seduzir, criar, destruir, conceber, abençoar... Um poder que vai além do seu próprio significado. São abençoadas todas as pessoas que sabem combiná-las a fim de expressar idéias, imagens, sons sem que se precise vê-las ou ouvi-los. Quem tem o dom da palavra, tem a comunicação. E quem domina a comunicação, tem o poder nas mãos. ( Dihelson Mendonça ).

Língua
Caetano Veloso

Gosto de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar a criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior?
E deixe os Portugais morrerem à míngua
“Minha pátria é minha língua”
Fala Mangueira! Fala!

Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó
O que quer
O que pode esta língua?

Vamos atentar para a sintaxe dos paulistas
E o falso inglês relax dos surfistas
Sejamos imperialistas! Cadê? Sejamos imperialistas!
Vamos na velô da dicção choo-choo de Carmem Miranda
E que o Chico Buarque de Holanda nos resgate
E – xeque-mate – explique-nos Luanda
Ouçamos com atenção os deles e os delas da TV Globo
Sejamos o lobo do lobo do homem
Lobo do lobo do lobo do homem
Adoro nomes
Nomes em ã
De coisas como rã e ímã
Ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã ímã
Nomes de nomes
Como Scarlet Moon de Chevalier, Glauco Mattoso e Arrigo Barnabé
e Maria da Fé

Flor do Lácio Sambódromo Lusamérica latim em pó
O que quer
O que pode esta língua?

Se você tem uma idéia incrível é melhor fazer uma canção
Está provado que só é possível filosofar em alemão
Blitz quer dizer corisco
Hollywood quer dizer Azevedo
E o Recôncavo, e o Recôncavo, e o Recôncavo meu medo
A língua é minha pátria
E eu não tenho pátria, tenho mátria
E quero frátria
Poesia concreta, prosa caótica
Ótica futura
Samba-rap, chic-left com banana
(– Será que ele está no Pão de Açúcar?
– Tá craude brô
– Você e tu
– Lhe amo
– Qué queu te faço, nego?
– Bote ligeiro!
– Ma’de brinquinho, Ricardo!? Teu tio vai ficar desesperado!
– Ó Tavinho, põe camisola pra dentro, assim mais pareces um espantalho!
– I like to spend some time in Mozambique
– Arigatô, arigatô!)
Nós canto-falamos como quem inveja negros
Que sofrem horrores no Gueto do Harlem
Livros, discos, vídeos à mancheia
E deixa que digam, que pensem, que falem.

3 comentários:

  1. Dihelson,

    Obrigada pela dedicatória.
    Você tocou em outra coisa quer adoro: a linguística ou tudo o que tem relação com ela. As variedades linguísticas e seu mundo de saberes populares... E essa loucura que é dominar uma língua e interpretar seus códigos.

    A letra da música de Caetano bem diz tudo isso com sábia beleza.

    Obrigada, amigo.

    Claude

    ResponderExcluir
  2. Um abração, Claude! you are the one!

    DM

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.