20 dezembro 2010

PÃO VELHO - Por Edilma Rocha

Ao mudar para um bairro novo em Fortaleza me deparei com novas visitantes a minha porta todas as manhãs nas segundas, quartas e sextas-feiras. Estava empolgada com a casa nova construída a partir de um desenho próprio, motivo de orgulho.
- Senhora me dê um pão velho ?
Se fez ouvir  por uma vozinha infantil na espera de uma resposta. Fui até o portão  e me deparei com a imagem real desta linda criança que ilustra esta portagem.
- Pão velho não serve mais !
- Serve !
Quando não tem partes verdes minha mãe esquenta e comemos com café !
Fui até ela e vi que estava sozinha mas lá longe numa carroça puxada por um burro se encontravam duas outras meninas a esperar...Suas irmãs mais velhas.
- Você não estuda?
- Estou com a escola em greve e não temos comida em casa. Somos catadoras de lixo.
Aquilo me doeu como um golpe no peito. Vi através do rosto daquela criança toda a falta de sorte e infortúnio. Cabelos lourinhos mal cuidados, franzina, pés descalços, olhos pequenos e o rosto vermelho e bronzeado pelo sol da região da Praia do Futuro. Vivia a mendigar pelas  portas das casas na esperança de que alguém lhes desse um pão velho para comer. Vi também nos seus olhos a falta de oportunidades nas coisas mais simples. Uma roupa limpa, um par de chinelos, uma casa decente, um lar de verdade. Nascida em uma outra família seria com certeza uma princesinha num belo vestido novo, sapatinhos e cabelos bem tratados.
- Onde está o seu pai ?
- Não sei. Foi embora... só tenho a minha mãe que fica em casa cuidando do meu irmãozinho novo enquanto catamos lixo para vender.
Como seria o seu Natal ? E a sua vida no cotidiano ? Saber que aquelas crianças viviam as custas das sobras de comida da minha casa e do meu lixo, enquanto eu tinha o luxo e a fartura, elas não tinham nem o necessário para viver com dignidade. A injustiça social choca muito principalmente numa cidade como Fortaleza. Uma metrópole turística e bela por seus prédios elegantes e por outro lado, rodeada por favelas por todos os lados.
Daquele dia em diante passei a ter novas companheiras que tocam a campainha com fequencia e eu sempre guardo um pouco de comida para elas. Criei uma amizade com as meninas da carroça que passaram a levar as podas do jardim e as sobras de alimento ainda saudáveis. Sei que muitos acham que me exponho neste mundo perigoso, mas de vez em quando elas arrancam uns matinhos no jardim em troca de algumas moedas ou até um mergulho na piscina e um lanche decente. Um dia me pediram para eu deixar que vissem sala da casa e não me neguei a isso. As vejo crescerem e uma está ficando uma linda mocinha vulnerável a abusos por andar pelas ruas. Já estão na escola com a ajuda da bolsa do governo, mas se acostumaram com a reciclagem do lixo que vendem próximo dali.
Hoje, fazem parte da minha lista de presentes de Natal. Me acostumei com Clarice, Juliana e Fernanda.

Edilma Rocha

5 comentários:

  1. Edilma, muito tocante essa historia que acaba se transformando numa história natalina. Tudo que você escreve me remete ao mundo do cinema. Seu pensamento é cinematográfico para mim. Fico aqui a imaginar cada cena.

    AMIGA, Um FELIZ NATAL para você, para sua mãe, para seu irmão, e para estas 3 criaturinhas que agora vivem à porta da sua casa:

    Clarice, Juliana e Fernanda.

    É tempo de renovar!
    Bjus!

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. Dihelson,

    Sempre atencioso e elegente.
    Obrigada pelas suas considerações.O pensamento cinematográfico é fruto da sua inteligencia, maestro.

    Também lhe desejo junto a sua mãezinha e Ninha um FELIZ NATAL !

    Vamos renovar a cada dia!

    Abraço !

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, minha querida Edilma. Minha mãe e a Ninha agradecem. Eu quero ter o prazer de ler ainda um livro TODO SEU. De Histórias e Estórias.

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  4. Viu só, Edilma? Aqui a coisa frutifica...

    Eu gostei e gosto do seu hjeito de transformar a vida em história.

    Abraço natalino,

    Claude

    ResponderExcluir
  5. ( Em se tratando de supostos amigos ), tem gente que não comenta nossos escritos porque tem INVEJA mesmo. Poucos, por falta de tempo. Mas quando você vê sistematicamente que um conjunto de textos muito bons, elogiados em vários outros espaços, que nós, conscientemente sabemos o valor que possuímos, e eles não são comentados por toda uma turma, amiga pode crer que é INVEJA MESMO ! Perseguição.

    Porque Nada justifica a desatenção para com alguém que escreve de próprio punho, e principalmente se o artigo for bom. É inadmissível. Eu louvo muito a turma do Sanharol ( e do Blog do Crato também ), porque são pessoas que finalmente EU escolhi porque são pessoas boas. Morais atraiu os melhores para lá. E hoje em dia, sinceramente, eu quero é distância de gente que não gosta de mim, porque a quantidade de gente interessante é tão grande, tantos papos interessantes, que essas pelancas invejosas devem mesmo é ficar longe, sabe Edilma ?

    A gente tem que se dar valor, minha amiga! Saber nosso valor real e não ficar tendo que depender de elogios de gente falsa que temos certeza que vive de aparências, ostentando uma falsa alegria na nossa frente, e falando mal pelas costas, só Deus sabe o que dizem.

    Essas pessoas não merecem qualquer consideração. Outro dia eu postei uma frase aqui que agora é meu guia:

    "Nunca perca tempo com quem não gosta de você"

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.