11 novembro 2010

Prof. Titus Riedl no 2º Fórum Latino-americano de fotografia de São Paulo‏


A cidade de Crato, no interior do interior do Ceará sediou, há três anos, um encontro que rompeu as fronteiras da chapada Araripe e ganhou o mundo. Nesta época, o fotógrafo inglês Martin Parr veio ao Brasil para participar de um Fórum de fotografia e conheceu o sociólogo alemão Titus Riedl, que vive há 15 na região do Cariri e possui uma vasta coleção de fotografias pintadas reunidas para uma tese de mestrado defendida há 12 anos.

Parr, mais que depressa, reconheceu a grandiosidade daquele arquivo e decidiu levar mundo afora a importância de recuperar a ameaçada arte dos chamados “bonequeiros” do Nordeste brasileiro. Deste feliz encontro nasceu uma exposição em cartaz (até 18 de setembro) na Yossi Milo Gallery de Nova York e o livro Retratos Pintados (Nazraeli Press, capa dura, 68 páginas e 61 fotos), lançado simultaneamente à mostra, que expõem 150 retratos originais.

Os bonequeiros são incansáveis representantes de um ofício em extinção e atuam, se me permitem a comparação grosseira, como o nosso “fazedor de milagres contemporâneo”, o Photoshop. Além de recuperar memórias perdidas e fotografias mal tratadas pelo tempo, estes artistas recriam o improvável dentro de uma mesma imagem. Se o cliente quer uma foto ao lado de “padinho Cícero”, o cliente tem! Se fizermos uma análise mais profunda do trabalho destes fotorretratistas, é possível os reconhecer como agentes do sonho brasileiro. Eles concretizam em imagens o deslumbre da ascensão social nordestina por meio de ternos, roupas caras e joias que os retratados talvez nunca tivessem acesso.

Segundo Riedl, estes artistas seguem as orientações dos clientes que querem ser algo diferente do que são, tornando plausível a possibilidade se reinventar por meio da fotopintura, ou trazer de volta a memória de entes queridos. “Na zona rural, as imagens fotográficas ainda são escassas e, como último recurso para manter viva a lembrança do morto, os familiares recorrem às vezes a um retrato apagado ou desgastado do falecido, que tem de ser concluído pelo bonequeiro”, conta.

Ainda de acordo com o sociólogo, existem certas “regras” estéticas comuns na realização da fotopintura, principalmente quando se trata de um cliente idoso: tirar todas as rugas do rosto; nunca pintar de branco os cabelos; evitar sombras, “ajeitar” roupas que pareçam exageradamente sensuais. As crianças devem se parecer com o Menino Jesus dos folhetos distribuídos nas missas; mulheres devem usar blusas monocromáticas ou estampas de flores e homens devem aparecer de terno e gravata.

O ofício dos bonequeiros e dos fotógrafos populares do Brasil ganhou versão em película feita pelas mãos do diretor de cinema Joe Pimentel, em 2007. Com co-direção de Tiago Santana e pesquisa do próprio Titus Riedl, “Câmera Viajante” retrata o universo e o ofício destes profissionais que atuam nas festas, feiras e romarias do interior nordestino. O documentário é simples, divertido e com declarações de amor à fotografia que há tempos não via igual!

Pois bem, quem está em Nova York vai poder ver de perto o incrível trabalho destes bonequeiros e, quem está longe, fica torcendo para que a exposição e o livro da dupla Parr e Titus venham logo para o Brasil!

Foto: Fotopintura de Martin Parr no livro

Foto: Arquivo Titus Riedl

Martin Parr

O fotógrafo inglês é “um cronista de nosso tempo”, afirma o curador alemão Thomas Weski. Para ele, as imagens de Parr oferecem a oportunidade de ver o mundo sob uma perspectiva única no turbilhão de registros divulgados pela mídia. Temas como consumo, prazer e comunicação são elementos básicos de sua imagética, por meio da qual ele se posiciona inclusive politicamente. Nascido em Epsom, pequena cidade do condado de Surrey, aprendeu a fotografar na infância, com seu avô. Estudou fotografia na Manchester Polytechnic, hoje parte da Manchester Metropolitan University, uma das quatro maiores universidades da Inglaterra. É um colecionador compulsivo de livros de fotografia, os quais busca pelo mundo inteiro, e autor de importantes livros, como Bored Couples (1993) e Think of England (2000), ambos uma crítica contundente ao way of life.

tags: Câmera Viajante, Cariri, Ceará, Crato, fotografia, fotopintura, Joe Pimentel, Martin Parr, Retratos Pintados, Tiago Santana, Titus Riedl, Yossi Milo Gallery


FONTE: Publicado originalmente em http://www.forumfoto.org.br/pt/tag/titus-riedl

Texto enviado por Tânia Peixoto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.