18 outubro 2010

O Sítio Fundão - Por Hildeberto AQUINO

Competente e oportuno trabalho do Pachelly ao registrar esse triste episódio.

Curiosamente, de ontem para hoje, sonhei com o Fundão sem ainda estar ciente do lamentável acontecimento, o que ocorreu somente hoje ao abrir o Blog do Crato. Havia tomado banho no rio Jaguaribe e talvez o subconsciente tenha me transportado e me presenteado com essa feliz recordação. O lugar, como ainda em minha memória, continuava paradisíaco, misterioso e enquanto descíamos em boias naquele canal do riacho Batateiras, gritávamos com medo de submergir naquele poção misterioso cujo fundo não me lembro de ter alcançado. Dizíamos “Tirar areia”, uma “impunhação”! Poucos ousavam, eu não! Sentíamos um frio na barriga só em pensar, embora saltássemos (de “ponta” ou em “mortais”) para dentro do mesmo do alto das lajes e dos galhos de árvores que o cobriam. Salvo engano uma ingazeira cujos frutos adocicados protegidos em vagens saboreávamos. Era uma turma boa e alegre, como sempre foi a turma do Parque. Fazíamos a festa quando em contato com a natureza tão bem e sabiamente explorada por nós. Raros os que tiveram ou terão esse privilégio! Do sonho lembro-me até quando descíamos caminhando em direção ao riacho, naquele caminho de roça, de uma pessoa só (carro não chegava), cercado de mata nativa, capins e fruteiras (antigamente).

Cá pra nós, quando eu jogava na Mega prometia a mim mesmo que se sorteado ainda compraria e tornaria uma reserva intocável todo aquele tesouro, para mim um dos maiores patrimônios histórico do Crato, juntamente com a Nascente e a nossa Serra. Um sonho pueril talvez, mas de “Garoto do Parque” que sempre fui e que acreditava torna-lo possível. Quem sabe um dia... O intuito era de preservá-lo eternamente abrindo-o ao público, mas somente àqueles que conscientes da sua importância pudessem usufruir e revitalizá-lo com zelo e alegria a cada visita. Ainda guardo com carinho fotos da nossa turma na casa do memorável “Seu Jeferson”. Uma aventura inesquecível a cada visita!

Lamento e não perdoo o descuro público para com o Fundão e a própria história do Crato. Se intencional o incêndio, denota o quanto o ser humano decaiu, perdeu os seus valores. Que agora, se não tardio, despertem e salvem o Fundão para mim que ainda voltarei a visita-lo, para os meus amigos de época e para as futuras gerações. A natureza é pródiga e haverá de restaurá-lo, com certeza! Estou triste, tentaram destruir parte da minha, da nossa infância!

Hildeberto AQUINO
Corretor e Articulista
Russas (CE)

2 comentários:

  1. O que aconteceu com esse lugar?
    O lugar que eu cheguei a chamar de meu também. O que me deixa mais triste é que distante não posso fazer nada, e, assim, me solidarizo com o Aquino e faço minhas suas palavras.Elevo os olhos para os céus do lugar no qual me encontro e peço aos Deuses que cuidem do que sobrou.

    ResponderExcluir
  2. Respondi teu email e não tinha visto que este belo depoimento estava aqui, publicadinho da Silva!

    Quem viveu jamais esquece os tempos das águas da vida do Fundão!

    Abração

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.