15 fevereiro 2010

Conheça "Seu Lunga" - Reportagem de Antonio Vicelmo

ANEDOTÁRIO DO CARIRI

Clique para Ampliar

Joaquim Rodrigues dos Santos, conhecido como seu Lunga, em sua sucata na Rua Santa Luzia, em Juazeiro do Norte (Foto: Antônio Vicelmo)

A maneira rude de ser de seu Lunga já ficou conhecida em todo o País, tanto que existem piadas sobre ele

Crato. Aos 80 anos, o comerciante Joaquim Rodrigues dos Santos, mais conhecido como “seu Lunga”, não consegue apagar a imagem de “ homem rude, grosseiro, ignorante” criada pelo imaginário popular e alimentada pela literatura de cordel. As piadas sobre suas respostas engraçadas e intempestivas estão nas mesas dos bares, na conversa entre amigos e programas de humor.

O único que não ri deste arsenal de anedotas é o próprio Lunga que atribui “estas mentiras” à gente que não tem o que fazer. “Só acontece isso, porque no Brasil não tem justiça”, afirma. A maior injustiça, segundo afirma, é o grande número de deputados, “são mais de 500 vivendo às custas do povo. Este Renan Calheiros já ganhou dinheiro que gente besta não conta. Mesmo assim, quer iludir o povo”, diz Lunga, demonstrando a sua indignação com a política.

Ele reclama do erro que o cartório cometeu ao registrar o seu nome. Diz que, na verdade, seu nome verdadeiro é Joaquim Rodrigues Tenório. “Meu avô era um homem valente do Estado de Alagoas, parente, portanto, de Natalício Tenório Cavalcanti de Albuquerque, de Palmeira dos Índios”.

Tenório foi um político brasileiro com base eleitoral no Rio de Janeiro, que possuía um estilo político agressivo, muitas vezes violento. Isto rendeu-lhe uma aura de mito. Foi eleito deputado estadual e deputado federal do Rio de Janeiro, tendo quase vencido também para governador do Estado. Sua vida inspirou o filme “O Homem da Capa Preta”, filmado em 1986 por Sérgio Rezende e estreado por José Wilker no papel de Tenório Cavalcanti.

Ao mesmo tempo em que critica os divulgadores de seu comportamento inusitado, seu Lunga admite que pergunta besta merece uma resposta à altura. Ele cita como exemplo, o cliente que entra na loja e pergunta. “Este ventilador está funcionando?”. Indignado seu Lunga devolve: “Como é que ele pode estar funcionando se não está ligado?”.

Este tipo de resposta fez de Lunga um personagem folclórico. Já não cabe mais em si, ele já não é mais o resultado das suas peculiaridades, mas a soma das elaborações dos outros. Daí se pode dizer que há modalidades de seu Lunga. Ele é símbolo do sertanejo sincero, que não leva desaforo pra casa.

Mesmo cercado por um grupo de jornalistas, que o entrevistavam, Lunga não tira o olho da porta de sua sucata. Quando percebe que é um freguês, deixa os repórteres de lado e vai atendê-lo com a maior delicadeza. Retoma a entrevista e observa que o produtor do programa de televisão falava no ouvido da repórter, orientando as perguntas. seu Lunga reage dizendo: “Fale alto, aqui não tem segredo não”.

Reclama do assédio da imprensa, justificando que não há motivo para dar entrevista. Afinal, diz, “eu sou um homem normal, não sou cientista, nem sábio”, diz ele.

É este jeito de ser de Lunga que o faz uma pessoa diferente. Afinal, ele nasceu nas brenhas, entre Caririaçu e Assaré, onde passou a infância com os pais e mais sete irmãos. O apelido lhe acompanha desde esta época, quando uma vizinha de sua família, que ele só identifica como “preta velha”, começou a lhe chamar de Calunga, que virou Lunga e pegou. Não se recorda de nenhuma brincadeira de criança. Foi criado na roça, ajudando o pai, de quem é grande admirador.

Mudança para Juazeiro

Foi assim até os 16 anos, quando se mudou para Juazeiro do Norte. A mudança para este município se deu depois que Lunga caiu em uma cacimba e adoeceu, impedindo-o de trabalhar na roça com o pai. Lá ele aprendeu a arte de ourives, e viveu disso por dois anos. Foi neste período que aprendeu a negociar no Mercado Público da cidade, passando depois a trabalhar no comércio com sua loja de sucata na Rua Santa Luzia, Centro da cidade.

Além do comércio, Lunga é dono de um sítio onde cria gado e planta frutas que leva à loja para vender.

Antônio Vicelmo
Repórter

VIDA

80 anos é a idade do comerciante Joaquim Rodrigues dos Santos, mais conhecido como seu Lunga. Ele mora, atualmente, em Juazeiro

SAIBA MAIS

Piadas atribuídas a Lunga

Seu Lunga estava em casa com sede e manda o sobrinho trazer leite. Daí o garoto pergunta: - No copo seu Lunga? Ele responde: - Não. Bota no chão vem empurrando com o rodo.

Seu Lunga no elevador. Alguém pergunta: - Sobe? Ele: - Não, esse elevador anda de lado.

Seu Lunga fumando cigarro. A pergunta: - Ora, ora! Mas você fuma? - Não, é que eu gosto de bronzear os pulmões...

Seu Lunga, quando jovem, se apresentou à Marinha para a entrevista: - Você sabe nadar? Pergunta o oficial. - Sei não senhor. - Mas se não sabe nadar, como é que quer servir à Marinha? - Quer dizer que se eu fosse pra Aeronáutica, tinha que saber voar!!

Seu Lunga vai saindo da farmácia, quando alguém pergunta: - Tá doente, seu Lunga? - Quer dizer que se eu fosse saindo do cemitério eu tava morto!!!

O funcionário do banco veio avisar: - Seu Lunga, a promissória venceu. - Meu filho, pra mim podia ter perdido ou empatado. Não torço por nenhuma promissória.

O filho do seu Lunga jogava futebol em um clube local, e um dia Lunga foi assistir a um jogo do filho no estádio. O sujeito sentado ao lado pergunta: - Seu Lunga, qual dos jogadores é o seu filho? Seu Lunga aponta e diz: - É aquele ali. - Aquele qual? - Aquele ali! - Não tô vendo. Então seu Lunga ´P´ da vida pega uma pedra, joga em cima de seu filho e diz: - É aquele que começou a chorar!!!

Antonio Vicelmo
Repórter do Jornal Diário do Nordeste
Colaborador do Blog do Crato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.