10 outubro 2009

Terra sem lei - Terra da anarquia e da desordem.


O MST só deixou a Fazenda após a justiça expedir mandato de integração de posse.

Aproximadamente trinta tratores foram destruidos e danificados.

Sete mil pés de laranja foram arrancados durante a ocupação do MST.

O Governo liberou este ano 115 milhoes de reais para ONCs ligadas ao MST ou seja para serem repassados ao movimento. O governo financia a anarquia e a desordem, embora quando é chamado a opinar se acovarde e diga que é contra.

Instalações, computadores, escritorios foram tudo destruidos. O governo financia as vontades e os desejos para ganhar a simpatia. Se o governo fosse serio e cadastrasse essa gente chegaria a conclusão que essa gente não tem nada a ver com o campo. O sertanejo, o camponez tem boa indole, respeita as leias e não tem a maldade em suas mentes.

Por: A. Morais - Blog do Sanharol

28 comentários:

  1. Certas palavras mostram bem de que lado estão:
    "essa gente", "anarquia".
    Nenhuma palavra contra o trabalho escravo, silêncio absoluto contra o latifúndio.

    ResponderExcluir
  2. Prof. Darlan. V.Sa. acha que o resultado destas "invasões"traz algum contributo à questão do campo, no Brasil? Este é roteiro mais adequado ao enfrentamento dos graves problemas existentes? Destruir laboratorios, centro de pesquisa genética, como já se fez e agora plantações e equipamentos se justifica?

    ResponderExcluir
  3. Uma área de produção de alimentos, no caso, um laranjal, como o que foi destruído, não se enquadra, na definição de latifundio. E muito mais quando esta área é uma concessão para utilização no que está prescrito.

    ResponderExcluir
  4. Não. Não acho.
    Como também não acho correta a idéia da "boa índole" de alguns e a "má índole" de outros.
    A "boa índole" é qual?

    Mas também não acho certo o desrespeito à legislação ambiental, ao desmatamento para a criação de gado. O senhor acha certo?

    Não acho certo uma empresa grande instalar-se em terras griladas. O senhor acha?

    ResponderExcluir
  5. Não acho muitas coisas certas, mas nem por isto vou sair invadindo e quebrando tudo que considero errado na frente, como se isto justificasse minha indignação. As próprias atitudes "neo destrutivas" que por vezes tem sido realizadas pelos integrantes do MST, queimam mais o filme das próprias organizações do que resolvem qualquer coisa, em qualquer ambito.

    ResponderExcluir
  6. É um contrasenso e uma atitude totalmente equivocada. O sujeito luta por terras, luta por assistencia rural, luta por acesso à tecnologia, luta por uma vida digna, mas só no discurso. Laboratórios de pesquisa, equipamentos, instalações são destruídos unicamente porque? Para provar que o esquerdismo é uma doença infantil do Comunismo, como diz a citação clássica?

    ResponderExcluir
  7. E quem é aqui que se colocando ao lado da infração à Legislação Ambiental vigente às necessárias restrições que ela coloca? Quem é que está se colocando a favor dos crimes ambientais? Quem está se colocando a favor do desmatamento e da criação extensiva da gado? A discussão absolutamente não é esta e o deprimente "espetáculo" nota zero, veiculado "on live", propiciado pelos integrantes do MST.

    ResponderExcluir
  8. Destruir trator, quebrar computadores, rasgar livros? Que é que é isto, uma "guerra santa"? Uma cruzada de um concepção de mundo contra o mundo real?

    ResponderExcluir
  9. Destruir trator, quebrar computadores, rasgar livros? Que é que é isto, uma "guerra santa"? Uma cruzada de um concepção de mundo contra o mundo real?

    ResponderExcluir
  10. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou nesta sexta-feira de "vandalismo" a ação de integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) na fazenda Santo Henrique, em São Paulo, que resultou na destruição de parte do laranjal e de equipamentos e produtos da propriedade.
    "Todo mundo sabe que eu sou defensor das lutas sociais e de que o povo se manifeste. Agora, entre uma manifestação para reivindicar alguma coisa e aquela cena de vandalismo feita na televisão... Obviamente que não posso concordar com aquilo porque não tem explicação para a sociedade você derrubar tantos pés de laranja apenas para mostrar que você está reivindicando. Você poderia demonstrar sem precisar fazendo essa destruição em massa em pés de laranja", disse.

    O presidente disse que a lei existe para punir este tipo de ação. "De qualquer forma, todo mundo já aprendeu no Brasil que esse país tem lei, que tem Constituição. Quem estiver dentro da lei pode fazer qualquer coisa, agora, quem não tiver pagará o preço por fazer", afirmou.

    Bonito né: Fomenta e financia o vandalismo depois fala em constituição e lei. Na verdade o que falta é exatamente o respeito e a aplicação da lei.

    ResponderExcluir
  11. Na verdade este ato de vandalismo foi apenas mais um ato de vandalismo dos “fora da lei” que compõe o MST.
    O objetivo desse movimento é "socializar" os meios de produção no campo, com a finalidade de o Brasil repetir o fracasso do socialismo real ou da miséria que assola dos campos em Cuba nos dias de hoje.

    O MST não é um movimento sério. Não possui sequer existência oficial, com o intuito de evitar que seus baderneiros sejam penalizados dentro da lei.
    O MST só sabe promover a desordem, invadir propriedades e prédios públicos, seqüestrar, manter cárcere privado, destruir, incitar à desobediência civil, desacatar autoridades, cometer toda uma série de irregularidades ao arrepio da lei. É um movimento político, que declaradamente promove a luta de classes para a conquista do poder.

    ResponderExcluir
  12. O MST quer destruir a única coisa que vem funcionando com pujança no Brasil: o agronegócio, responsável pelo superávit da balança comercial.
    Isso é ruim para eles que querem nivelar nossa população com a miséria reinante em Cuba e outros países que ainda rezam pela cartilha socialista. O MST conta a omissão e conivência do atual governo federal que o trata como parceiro, que o recebe com honras em Brasília, que o sustenta com milhões em verbas públicas, além de doar cestas básicas para seus assentamentos e acampamentos..
    Esta a realidade dos fatos....

    ResponderExcluir
  13. Reprizando outro comentário que fiz!
    Prezado Darlan,
    Dois aspectos precisam ser considerados. Primeiro não se deve confundir movimentos sociais que tem uma causa justa com movimento de baderneiros que praticam a desobediência civil. O segundo ponto, a questão da produção de alimentos tem sido confusa no atual governo. Por um lado tem o agronegócio que quando tudo “vai bem” traduzido em safras recordes e recordes de exportação o mérito é do governo e quando há problemas a culpa é dos produtores. Por outro lado, órgãos governamentais têm feito estudos mostrando o impacto da mudança climática na produção agrícola de forma alarmante. Para se ter idéia as projeções mostram que em menos de 10 anos continuando como estão os impactos do aquecimento global, o Rio Grande do Sul será uma área apta ao plantio da cana, por exemplo, hoje é inapta. Com tudo isto acontecendo o governo sugere o aumento dos índices de produtividade que vai ao contrário destas previsões, ou seja, a coisa se agravando para os produtores e o governo exigindo maior produtividade sob a ameaça de confiscar as terras para reforma agrária. Ainda tem outro problema que a mídia não tem explorado, o IBAMA tem exigido o cumprimento da legislação ambiental, baseado no código florestal da década de 60 que era um avanço na época, mas que precisa ser revista à luz da nova realidade brasileira. Para se ter idéia cerca de 80% da produção de café no Brasil deixaria de existir se for para cumprir a legislação e os produtores serão considerados “CRIMINOSOS” perante a lei. Vale lembrar que a grande maioria é de pequenos produtores. O estado de Santa Catarina, por exemplo, mudou a legislação estadual porque lá, praticamente toda a produção agrícola seria impossibilitada.

    ResponderExcluir
  14. Muito bem colocado, Armando Rafael. Por outro lado, queria lembrar aos debatedores que a conversa do Presidente Lula tem dupla mão. Na midia há um condenação ao vandalismo. Mas no gabinete há uma liberação anual de mais de 100 milhões de reais para ações do MST em todo o Brasil.

    ResponderExcluir
  15. De todo o exposto acima, cadê o DARLAN, grande defensor do MST ? Será que ele é favor desse vandalismo aí a fim de criar a balela da "ditadura do proletariado" ( dá arrepios ), e cadê o Zé Nilton Mariano, grande parceiro do Darlan pra fazer coro e defender o "camarada"? rs rs

    Agora, é preciso fazer logo essa CPI do MST. Isso sim. O PT quando era oposição estava aí no meio dessa galera de baderneiros, quebrava tudo, segurando bandeiras vermelhas. Agora, o PT é poder. E agora, como é que fica venbdo os antigos companheiros do outro lado da vidraça do Palácio da Alvorada ? ahahahahahahahahahahahahahahahah


    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  16. Defendo o MST sim. Dihelson, não precisa vir com os clichês.
    Nosso povo foi sempre massacrado.

    Em Palmares, em Canudos, no Caldeirão...
    Escravizaram, ofereceram terras no sistema de sesmarias, mataram os indígenas. Essa é a "boa índole"?

    Ofereceram ao povo a "paz dos cemitérios", a paz do Duque de Caxias, o massacre dos trabalhadores.

    "Sem terra" sempre existiram, mas o que nossa elitezinha não aceita é o MST, um movimento de trablhadores, organizados.

    Realmente deve ser de "arrepiar" as elites, essa bandeira vermelha, na mão de trabalhadores rurais. Pena que alguns proletários também se "arrepiem".

    Agora, não defendi a destruição das laranjas. Inclusive o MST disse que aquilo foi um ato de alguns trabalhadores desesperados.

    Mas o que está em discussão aqui não é isso. O Dr. José Sales lamenta que a grande empresa tenha tido prejuízo mas não lamenta que a mesma ocupe terras griladas e do governo federal.

    Quando o agronegócio faz grilagem aí é normal, quando os sem terra fazem ocupações, aí é "invasão da propriedade".


    Segundo o jornal "O Estado de São Paulo" (para usar a mídia que muitos aqui gostam):

    "O Censo Agropecuário 2006, divulgado nesta quarta-feira, 30, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a concentração de terras persiste no País. A concentração e a desigualdade regional é comprovada pelo Índice de Gini da estrutura agrária do País. Quanto mais perto esse índice está de 1, maior a concentração. Os dados mostram um agravamento da concentração de terras nos últimos 10 anos. O Censo do IBGE mostrou um Gini de 0,872 para a estrutura agrária brasileira, superior aos índices apurados nos anos de 1985 (0,857) e 1995 (0,856)."
    O link é http://www.estadao.com.br/noticias/economia,concentracao-de-terras-aumenta-no-brasil-aponta-ibge,443398,0.htm

    Para finalizar, nobre Dihelson, quem o tempo todo tenta ideologizar o debate aqui não sou eu. Vide um outro tópico em que você chama a oposição ao prefeito do Crato, de "burra". Eis o termo que você usa.
    A sensibilidade é de pluma a qualquer crítica e é de chumbo aos ataques à esquerda.

    Um abraço a todos.

    ResponderExcluir
  17. O MST mostra a sua face real – por José Roberto Guzzo

    Não adianta a esquerda querer camuflar e tentar mostrar alguma seriedade no MST. Ninguém engole mais essa balela.
    Desde 2006, quando o MST invadiu a empresa Aracruz demonstrou com este fato que Stedile e sua turma abriram mão da reforma agrária e optaram pela delinqüência organizada.
    A vantagem disso tudo é que vai se tornando cada vez mais difícil manter de pé a fantasia segundo a qual o MST é um grupo de gente idealista que luta pela justiça no campo, e cada vez mais fácil comprovar o que o MST não é.
    Não é, positivamente, um movimento em prol da reforma agrária.

    Nunca foi, mesmo porque reforma agrária, entendida como distribuição de terras improdutivas, é uma idéia morta diante das realidades da agricultura moderna -- serve apenas para distribuir mais miséria na zona rural e ajudar os governos a fingir que estão fazendo alguma coisa.

    Nunca foi, também, porque as ações concretas do MST pouco têm a ver com a idéia de transformar agricultores sem terra em proprietários dedicados à produção. Na prática, em que a destruição de mudas e sementes, o bloqueio de pedágios ou a invasão de agências do Banco do Brasil ajudam a "reforma agrária"? Mas agora é o próprio MST quem diz, em público, que não está interessado no assunto.

    O líder Stedile, logo depois do ataque à Aracruz, disse que a reforma agrária "clássica" não é mais possível hoje em dia e que nenhum modelo de acesso à terra tem condições de funcionar numa economia "neoliberal". Revelou também que o inimigo verdadeiro do MST não é mais o latifúndio, e sim o agronegócio.

    ResponderExcluir
  18. Não temos dúvida, meu querido Darlan, que a reforma agrária é uma pauta que precisa ser realizada. Aliás, UMA DAS BANDEIRAS pela qual o Lula se elegeu. Falava muito em Reforma Agrária.

    Só que parece que é da natureza humana que em toda greve, em todo movimento sindical, em toda manifestação, existem os baderneiros, os "companheiros exaltados", aqueles que partem para o quebra-quebra!

    Isso precisa sempre ser condenado!
    O Lula não pode e não deve apoiar esse tipo de coisa. Hoje ele é vidraça, é complicado olhar pela janela do Palácio da alvorada os mesmos companheiros que com ele jogavam pedras nas vidraças e quebravam pés de laranja.

    Falando nisso, pobres pés de laranja! A natureza sempre sofre pela ação da Estupidez Humana!

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  19. Caros colegas e amigos de um templo desgastado de impurezas de CONSUMO, não precisamos irmos muito longe,a tempos nossa CHAPADA está entregue a uma elite grilheira e coperativada na distribuição da água e nos Florais ,e nada fazemos,o vandalismo do MST só vem descarecterizar uma luta ZAPATIANA E NOS levando oa nobbre conceito dos senhores ZÉ paradão do Rocinha ,dona marta e tantyas outras favela e urbanizações perifericas do crato e cariri,são ingenuos e amadores o lideres campesinos quando promovem a baderna e a destruição ,o conceito de Martir tem as~feições urbanizadas no consumo exacerbado e no chamado conceito CAPITALISMO MAXISTA,a propia China está no seu utimo dilema,entre a carne de BAICON E PÃO DE HAMBURGUE,a velha tradição de se comer gravetos e moscas envelhecidas de traças eé uma mera ideologia desfaçada na busca do consumo NEO ocidental...Milhares de pessoa nesse exato momento nas periferias passasm fome,e a luta deveria ser focada nesse esntido...a fome de uns é a nossa imensa fome de nos calarmos e teorizarmoos no que é certo ou não...REFLEXÃOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO LIBERDADE E PÃO.

    ResponderExcluir
  20. Caro Darlan. Vamos colocar os dados reais no debate. O incra alega que as terras são publicas porque foram compradas em 1909.(Matéria de jornal). Isto só pode ser um piada de mau gosto.

    ResponderExcluir
  21. Em nenhum ponto de minha escrita fiz "lamentações pró empresa"e sim comentei o vandalismo dos "neo camponeses"(Esta é uma outra questão em deate há uns 60/70 anos).
    Po outro lado, comentei e repito a dubiedade e a irresponsabilidade de posições do Governo Federal, onde o Presidente dá declarações em um sentido e o status governamental "forra as bases" com mais de 100 milhões de reais.

    E que isto não é um fato isolado e sim a norma. Em outra invasão, se destruiu um laboratório de pesquisa genética. Para mim isto é conhecimento, ciencia, educação. Nesta agora se destruiram tratores, computadores, equipamentos.

    ResponderExcluir
  22. O Jose Sales está coberto de razão quanto ao comportamento do presidente Lula. Pela manha no palanque na cidade de Caruaru o culpado de tudo é a elite que domina o país ha 500. A noite se reune com o Antonio Ermirio de Morais e entrega 5 bilhoes de reais por 49% do Banco Votorantin. Ou seja o Banco continua pertencendo a elite dominante.

    Quando falei em boa indole, respeitei o verdadeiro ruralista, sertanejo sofrido que nasceu e viveu no campo. Aquele que tem vocação para trabalhar a terra e dela tirar seu sustento. E Não estes que vivem perambolando como manobra de um lado para outro e que nunca plantaram um pé de nada. Não sabem diferenciar um pé de maxixi de um pé de melancia. O Fato é que a Reforma Agraria não é levado a serio. Eu esperava que num governo do Lula a coisa fosse tratado com objetividade, mas continua pior. Conversda fiada, balela, enganação.

    ResponderExcluir
  23. prof darlan, muito bem elaborado esse seu artigo, nao vou polemizar , a turma da direitona(arena,udn,dem e agora o psdb),quer eh volta do descalabro, corrupçao, quebradeira do brasil(tres vezes,lenbra?)entrega do pais ao capital estrageiro etc.so lembrando, que a cutrale se apoderou de terras publicas, mas isso pode ne? isso nao eh grilagem.

    ResponderExcluir
  24. Para mim, Caio Prado Jr tem razão quando escreve sobre o problema do agronegócio. E olha que ele escreveu isso há quarenta anos, mais ou menos!

    ResponderExcluir
  25. Amigos.

    Em 1960, o presidente João Goulart passava por Minas Gerais e viu um casal debaixo de uma ponte. Parou o carro e entrevistou o casal. Como alegaram que viviam naquela situação porque lhes faltava um taco de terra para trabalhar o presidente autorizou a doação. Um ano depois, de passagem pela localodade, o presidente visitou a familia e constatou as mesmas dificuldades. Desra feita alegaram que não tinham incentivos nem os implementos agricolas necessarios para tocar a lavoura. Foram adquiridos e entregues Trator, colheitadeira etc. Depois o presidente fez questão de visita-los. Novamente e os encontrou na mesmo situação e perguntou: O que falta agora? o moço respondeu: falta um casal de Japoneses. Esse pessoal não é ligado ao campo, não tem habilidades com a agricultura, são sempre os mesmos, a fazer desordem amparados com a brandura das leis e a conivencia de politicos.

    ResponderExcluir
  26. Olha, geralmente eu não entro discussão "política",principalmente em blog..heheh. Mas pra quem não sabe a área da fazenda Capim faz parte do chamado Núcleo Monções, um complexo de 30 mil hectares divididos em várias fazendas e de posse legal da União. É nessa região que está localizada a fazenda da Cutrale, e
    onde estão localizadas cerca de 10 mil hectares de terras públicas reconhecidas oficialmente como devolutas, além de 15 mil hectares de terras improdutivas.
    A ocupação tem como objetivo denunciar que a empresa está sediada em terras do governo federal, ou seja, são terras da União utilizadas de forma irregular pela produtora de sucos. Além disso, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) já teria se manifestado em relação ao conhecimento de que as terras são realmente da União, de acordo com representantes dos Sem Terra em Iaras.
    Para quem não entendeu, as terras que o MST invadiu é fruto de grilagem.
    Ou seja, rico invadir terra do povo pode, o inverso é crime.

    ResponderExcluir
  27. Porque não se faz Reforma Agrária nas terras do Filho do Lula ? Não é lá, Segundo Morais, No PARÁ que tem fazendas para 300.000 Bois ?

    DM

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.