28 setembro 2009

Quais os ídolos que queremos? por Alessandra Bandeira

Passado o seminário Cariri Cangaço, que como historiadora não senti a menor vontade de ir, me veio a reflexão.Todo dia acordo e penso : Qual o mundo que quero para meus filhos ?Ligo a televisão, acesso a internet e só vejo corrupção, maldade, atrocidades, crimes contra seres humanos, contra a natureza e a cultura das pessoas em valorizar o que é ruim.O valor que se da para o forró eletrônico e a bandidagem é indiscutivelmente lamentável.Oras conheço várias pessoas que foram vítimas de violência e nem por isso elas reproduzem o que viveram,mas o Lampião não, esse é o herói, é o cara!Que cara ?? Que herói?Qual foi o benéficio que esse bandido fez?O que ele fez para mudar o mundo?Vejo pessoas se reclamarem da corrupção, falar que politícos são bandidos, e vem o contrasenso de fazer uma homenagem , de idolatrar um bandido.Não é contraditório?Como queremos ser moralistas e defensores da honestidade quando idolatramos o que é errado?Por que não fazer seminários por aqueles que lutaram pela liberdade?Por que os exemplos bons são suprimidos?Realmente ,um bandido que vou ensinar meus filhos a ver como herói?Sei que nesse momento virão os defensores de Lampião indignados com o que estou dizendo, mas antes responda à simples pergunta : Qual foi o grande benéficio que este senhor fez ao Brasil, além de levar tumulto , caos e medo, qual a relevante mudança que ele fez para o mundo ?
Quem devo mostrar como herói Mahatma Ghandi ou Lampião? Dona Bárbara ou Maria Bonita?
Banditismo por pura maldade ou banditismo por uma questão de classe?
Por Alessandra Bandeira

15 comentários:

  1. Acompanhei o I Seminário Cariri Cangaço, um grande evento que superou minhas expectativas, o que devo falar sobre o Texto acima por Alessandra Bandeira?
    - Primeiramente alessandra o Nome deste evento já vai calar a sua opinião.
    I Seminário Cariri Cangaço - Verdades e Mentiras
    Este evento não foi para mostrar para as pessoas que Lãmpião não foi nenhum herói não, mais sim em resgatar histórias passadas, fatos que acontecerão as verdades e mentiras. E Lampião e Maria Bonita sim faz parte da nossa história.
    E você como historiadora, não se deve submeter a pesquisa só sobre Barbara de alencar procure sair para outros lugares.

    ResponderExcluir
  2. Não vejo tb Alessandra que tipo de "Legado" é esse que as pessoas tanto admiram. Um fato histórico n quer dizer que é um importante fato histórico! A sociedade precisa de exemplos de amor, de paz, de exaltar homens que fizeram o bem para as próximas gerações!

    ResponderExcluir
  3. e a igreja catolica(leia-se diocese de crato), que sempre ignorou o padre cicero, ou cicero,agora corre contra o tempo, atraves de d. panico, para sua reabilitação. milagre da beata,pura farsa, e cicero, pessoa muito inteligente, principalmente para aquela epoca, mas veja seus amigos, floro bartolomeu, lampiao,etc, etc.eh muita grana em jogo minha cara.de santo nada. porque nao irma dulce la da bahia

    ResponderExcluir
  4. Pelo que entendi sobre o evento,não é um culto a lampião, é um estudo sobre o que foi o cangaço,suas causas e consequências, não se pode negar a influência do cangaço na veia do nordestino, a questão de "olho por olho,dente por dente", os coronéis que ainda "reinam" na política, esse estudo permite não só a movimentação turística na região,como o resgate do patrimônio histórico, como o caldeirão e visitação a pontos religiosos do Cariri, a história por mais dolorosa que seja tem que ser estudada, se estudássemos apenas os "Dalai e as madres Terezas" permitiríamos ainda hoje a instalação de uma nova ditadura aqui no Brasil, quem sabe agora pela questão da floresta? Então porque omitir, desvalorizar uma passagem importante da história, o nordeste é oprimido ainda, sofre ainda com a seca,a miséria, a má distribuição de renda, o poderio dos coronéis, o jagunço, o vaqueiro, as novenas, os penitentes e suas romarias, Padre Cícero e a esquecida Beata Maria de Araújo, massacrada pela igreja católica, pelo que se vê o cangaço ainda existe, como julgar o estudo do mesmo como menos importante?negar o seu estudo alegando que a figura de Lampião pode não ser boa influência, é negar o estudo do nazismo, facismo, ditadura, inquisição, e a discussão:será que se Maria Bonita tivesse a condição de Bárbara ela não seria uma heroína bem mais audaciosa? ou vice-versa? Será que em outra condição Lampião hoje não seria um Sarney? Acho maravilhosa essa iniciativa do evento do cangaço,pior do que negar a história é tentar mascará-la!

    ResponderExcluir
  5. ah,como historiadora você devia ter ido,até pra poder criticar, porque julgar sem conhecer é preconceito, acompanho sempre suas postagens,te acho uma mulher inteligente,concordo com muita coisa do seu ponto de vista,espero conhecê-la pessoalmente um dia!

    ResponderExcluir
  6. Janinha

    Pode até ter sido bom nesse aspecto, mas pense bem já não esta na hora d eprocurar fazer outros tipos de turismos?
    Porque sempre se discute Lampião , Padre Cicero e Caldeirão?
    Acredito que está mais do que na hora de ver e parender que o Cariri tem exeplos bons e que estão esquecidos

    ResponderExcluir
  7. Realmente veronica nossa como vc me calou, nossa veronica como sou limitada! nossa vc mudou minha vida!
    a partir de hj vou sair mesmo e pesquisar sobre a pansexualidadade da formiguinha!

    por que realmente fica dificil falar com quem não entende!!!!!

    infelizmente vc não entendeu que o menosprezo que se tem com fatos mais relevantes e triste , mas dinheiro e dinheiro ne´?

    Lampião rende dinheiro a Globo sabe disso!

    Senso comum é triste!

    Adoraria ve-la falar sobre Dona Bárbara, não a ótica nem a rua mas sobre a mulher Barbara.
    Teria tu os mesmos argumentos que tem para defender o cangaço?

    ResponderExcluir
  8. Na verdade, o Cariri Cangaço não foi um evento para IDOLATRAR lampião não!

    Foi um evento em que se discutiu o cangaço sob os diferentes aspectos: Histórico, Sociológico, Psicológio, Cultural, Religioso, etc...

    Havia inúmeros debatedores que sustentaram ferrenhas bandeiras, por exemplo, de que Lampião não passava de um bandido comum, e trouxe inúmeros argumentos. O evento foi gigantesco e discutiu não só Lampião, mas muitos outros cangaceiros, e isso faz parte da história do nordeste assim como o Padre Cícero. Centenas de livros pró e contra Lampião, e outras abordagens já foram escritos, o que prova a importância em se compreender o que foi o cangaço realmente.

    Não podemos diante do que foi ali apresentado por pesquisadores, reduzir a coisa a um simples: "lampião foi um bandido comum", e fechar a porta.

    Eu lamento por quem não viu o evento na íntegra, que mostrou o choque de idéias, e todos esses aspectos foram discutidos. A platéia para a defesa e ataque estava lá para reforçar, mas os debatedores trouxeram inúmeros argumentos, provas e documentos para corroborar qualquer afirmação.

    Na verdade, o Cariri Cangaço foi um evento que reuniu os maiores pesquisadores existentes, e foi fundo nisso. Acredito que desse encontro, novas perspectivas irão surgir, a fim de se compreender o contexto histórico e a importância e impacto que isso teve na vida do nordeste.

    Agora, por outro lado, Alessandra citou coisas importantes, mesmo sem ter ido ao evento, ela fala de uma maneira geral, e esse é o ponto positivo que eu vejo em seu desabafo, que é preciso voltar os olhos para outros assuntos igualmente importantes também, que dizem respeito ao nordeste. Nisso ela tem razão mesmo. No nordeste, existe muito mais do que Cangaço, Padre Cícero e Caldeirão. Correto.

    Mas lembremos que a iniciativa louvável, o grande mérito da REALIZAÇÃO do evento do cangaço, não partiu de uma prefeitura, não partiu do governo do Estado, partiu do cidadão MANOEL SEVERO, e não tiro seus méritos, pelo contrário, eu o louvo, porque sei dos bastidores, acompanhei há meses a preparação, e as dificuldades que ele enfrentou em conseguir apoio das autoridades.

    Tenho em vídeo, uma entrevista de 1 hora que não foi ao ar, aonde Severo nos fala sobre as dificuldades da realização.

    E por ter conseguido fazer um evento dessa magnitude numa região que não apoia quase nenhum projeto cultural, ele já pode ser considerado um verdadeiro HERÓI. Talvez herói mais do que o Lampião, que na verdade, pode ter sido um reles bandido, como sustentaram diversos pesquisadores no evento.

    Abraços a todos,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  9. Na verdade, o Cariri Cangaço não foi um evento para IDOLATRAR lampião não!

    Foi um evento em que se discutiu o cangaço sob os diferentes aspectos: Histórico, Sociológico, Psicológio, Cultural, Religioso, etc...

    Havia inúmeros debatedores que sustentaram ferrenhas bandeiras, por exemplo, de que Lampião não passava de um bandido comum, e trouxe inúmeros argumentos. O evento foi gigantesco e discutiu não só Lampião, mas muitos outros cangaceiros, e isso faz parte da história do nordeste assim como o Padre Cícero. Centenas de livros pró e contra Lampião, e outras abordagens já foram escritos, o que prova a importância em se compreender o que foi o cangaço realmente.

    Não podemos diante do que foi ali apresentado por pesquisadores, reduzir a coisa a um simples: "lampião foi um bandido comum", e fechar a porta.

    Eu lamento por quem não viu o evento na íntegra, que mostrou o choque de idéias, e todos esses aspectos foram discutidos. A platéia para a defesa e ataque estava lá para reforçar, mas os debatedores trouxeram inúmeros argumentos, provas e documentos para corroborar qualquer afirmação.

    Na verdade, o Cariri Cangaço foi um evento que reuniu os maiores pesquisadores existentes, e foi fundo nisso. Acredito que desse encontro, novas perspectivas irão surgir, a fim de se compreender o contexto histórico e a importância e impacto que isso teve na vida do nordeste.

    Agora, por outro lado, Alessandra citou coisas importantes, mesmo sem ter ido ao evento, ela fala de uma maneira geral, e esse é o ponto positivo que eu vejo em seu desabafo, que é preciso voltar os olhos para outros assuntos igualmente importantes também, que dizem respeito ao nordeste. Nisso ela tem razão mesmo. No nordeste, existe muito mais do que Cangaço, Padre Cícero e Caldeirão. Correto.

    Mas lembremos que a iniciativa louvável, o grande mérito da REALIZAÇÃO do evento do cangaço, não partiu de uma prefeitura, não partiu do governo do Estado, partiu do cidadão MANOEL SEVERO, e não tiro seus méritos, pelo contrário, eu o louvo, porque sei dos bastidores, acompanhei há meses a preparação, e as dificuldades que ele enfrentou em conseguir apoio das autoridades.

    Tenho em vídeo, uma entrevista de 1 hora que não foi ao ar, aonde Severo nos fala sobre as dificuldades da realização.

    E por ter conseguido fazer um evento dessa magnitude numa região que não apoia quase nenhum projeto cultural, ele já pode ser considerado um verdadeiro HERÓI. Talvez herói mais do que o Lampião, que na verdade, pode ter sido um reles bandido, como sustentaram diversos pesquisadores no evento.

    Abraços a todos,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  10. sabe há muito tempo desde que cursei a faculdade em 99 que so vejo a importancia dada a esses tres eventos, e o que me entristece e que a limitação de se pensar em algo que não seja essas tres coisas e grande.

    o crato foi palco de algo maravilhos, tiradentes foi enforcado por lutar pela liberdade e nem consegui chegar proximo disso, mas o crato sim, recife sim

    porque e tão dificl entedner que com tantas mentes brilhantes saindo da urca não se pode divulgar a historia real?

    sempre isso , sempre esse discuros esse tripe?

    limitar o cariri a cangaço, padre cicero e lampião e realmente querer atrair turismo?

    ResponderExcluir
  11. Caríssima Alessandra:

    História é história, ninguém pode mudar o passado, só estudar.

    Lampião Padre Cícero e Caldeirão são temas, ainda nossos contemporâneos são daqui, estão entranhados em nossa cultura seja pela leitura ou por ouvi dizer. Continuarão sendo assunto palpitante ainda por muuuito tempo.

    Eles mudaram o modo de ser do nordestino. Deram novos rumos a nossa história.

    O Manoel Severo, idealizador do evento “Cariri Cangaço”, realmente não o fez para elogiar ou endeusar Lampião ou Pe. Cícero. Ele o fez e com muito sacrifício, diga-se de passagem, para discutir o tema sobre todos os parâmetros Prós e contras, analisar fatos históricos, sociológicos, culturais Psicológicos e religiosos resultantes das atividades dos personagens em questão. (bem o disse Dihelson).

    Bárbara de Alencar foi uma guerreira, uma heroína, assim também Pinto Madeira, Tiradentes, Mahatma Gandhi e tantos outros que denominaram logradouros públicos por esse Brasil afora, quem os nega? Todos reconhecemos seus valores.

    Mais chocante, é o tema II Guerra Mundial, e suas atrocidades se elevam aos milhões de assassinatos e experiências com seres humanos vivos. Entretanto, ninguém consegue deixar de comentar ou escreve sobre ela.

    Mesmo sendo uma guerra com violência sem limites, ela produziu bons frutos para a posteridade. A medicina avançou bastante, a tecnologia mudou o mundo e não falo só da tecnologia da informática.

    O bom senso nos diz que cada um está certo segundo seu ponto de vista, podendo ainda, dar a sua livre opinião, se possível escudado em fatos verdadeiros, incontestes.

    Não podemos tratar com menosprezo o trabalho de outros, antes devemos respeitar, e no mínimo pensar no sacrifício que tiveram para atingir seus objetivos.

    Quando começo a ler um livro e no princípio percebo que não vou gostar, mesmo assim continuo a leitura, pois é a única forma de questionar seu conteúdo.

    A sua recusa explícita em participar do Evento demonstra insegurança no seu trabalho. Um Historiador não perdia aquilo por nada.

    O espaço é insuficiente para uma melhor análise dos conceitos de bom ou mal, mas quero te dizer “Nada é mal de verdade” tudo que se realiza neste planeta tem uma finalidade PROGRESSO, embora às vezes venha por meios bastante desagradáveis.

    Vicente Almeida

    ResponderExcluir
  12. Almeidinha, meu caro amigo,

    Estamos gostando de ver nosso novo membro participando assim mais ativamente do Blog do Crato. Que bom para nós!

    Conhecendo a Alessandra e o Severo, posso assegurar a você daqui que com a mesma paixão que a Alessandra tem pelo tema Bárbara de Alencar, o Severo tem pelo tema Cangaço.

    Agora, o Severo não conseguiu isso sozinho. Como falei antes, ele é um batalhador durante anos, foi buscar apoio do governo do Estado, de outros órgãos. Eu acompanhei boa parte dos trabalhos. Severo esteve aqui em casa, me enviou inúmeros e-mails, correspondências, não foi fácil fazer aquilo não. Não foi fácil trazer toda essa gente que só conhecíamos de livros. Está de parabéns!

    O que posso notar, é que talvez a Alessandra se recusou em participar do evento, não por insegurança alguma, pois ela é uma grande historiadora, uma das maiores, mas por um posicionamento PESSOAL apenas, em achar que existem temas mais importantes sobre o nordeste a se considerar. Aí já é outro assunto diferente do abordado inicialmente no tópico.

    Dizer que o evento foi feito para idolatrar Lampião, não é verdade. Nós vimos lá.

    Agora, por outro lado, seria muito bom se aparecessem outras iniciativas de outras pessoas e pudessem também promover outros debates e conseguirem ser igualmente apoiados pelos governos e entidades aqui do estado.

    Sobre o Cariri Cangaço, creio que o momento após tão grande e importante evento, é de sentar-se e refletir sobre todas aquelas coisas tratadas. Os realizadores estão, ao fim de uma jornada extenuante, de parabéns. Não se pode nem deve tirar o mérito dessas pessoas. Tudo é difícil de se realizar, meus amigos, especialmente em se tratando de Ceará.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  13. Almeidinha ,

    Já pensou que não seja insegurança e sim cansaço?
    11 anos morando aqui e como academica ja saturei destes temas?

    Não há nada de novo?

    tudo sempre a mesma coisa?

    sim não nego a importancia , mas acho qeu existem fatos que deveriam merecer a mesma importancia se não chegara um dia que ate vc dira a mesma coisa somos so isso?

    ResponderExcluir
  14. Caríssima amiga Alessandra

    Que bom que temos o Blog do Crato para ir fundo e expressar nossos pensamentos.

    Eu te compreendo e não escrevi com amargura ou intenção de te desestimular ou magoar. Apenas e simplesmente manifestei meu pessoal ponto de vista.

    Há poucos dias, neste blog e no Blog do Sanharol, lancei uma postagem em forma de MANIFESTO tratando do tema ABORTO e descrevi a operacionalização desse tipo repulsivo de assassinato sem punição no país.
    Não tive adesão, mas não vou me calar e ainda vou colocar o texto na internet para todo o Brasil e enviar ao maior número de congressistas, se possível a todos antes da votação dessa matéria no Congresso.

    Sei que isso já foi debatido de mais, mas, poucos sabem como se processa o aborto. Vou te apresentar só um trecho daquela postagem:

    O ABORTO E O CONGRESSO NACIONAL
    .................................................................................... Queria que por instantes o ser humano dito inteligente, imaginasse se encontrar de repente atado a uma estaca e aos seus pés uma fogueira acesa prestes a alcançá-lo e destruí-lo e com o seu calor fazer as suas carne se decompor pela ação do fogo. Mesmo atado ele tentaria subir na estaca para manter a distancia do fogo. Dói não é? O que ele faria? Pediria socorro a plenos pulmões até ficar rouco, na tentativa de ser ouvido e socorrido por alguém!

    Pois bem; semelhante coisa acontece com o feto, quando o médico (esse ser nem pode ser chamado de médico, digamos: monstro) introduz na vagina da mulher, instrumentos macabros para destruí-lo no útero, e isto é feito retirando-o aos pedaços, esquartejando-o.
    Poucos sabem; Quando esse instrumento é introduzido, a criança em gestação percebe e sobe tentando se esconder da agressão, chegando a ficar no estômago da mãe e grita o seu mudo pedido de socorro desesperadamente. Só que ninguém o escuta.É o fim.............................................!

    Vejo pasmado as mulheres em várias partes do país, promovendo atos públicos pela legalização do aborto, ou seja; pedindo autorização para matar quem elas deviam amar.

    A insensibilidade está a ponto de dominar, mas isso não vai acontecer. Eu sei, mas é preciso trabalhar e dar tempo ao tempo para que as pessoas após grandes sofrimentos se conscientizem das verdades eternas. Até lá haverá choro e ranger de dentes.

    Estou fazendo o papel daquele beija flor, que carregava água no bico para apagar um incêndio enquanto os outros mangavam dele. Vou continuar lutando!

    É isso ai

    Vicente Almeida

    ResponderExcluir
  15. Vicente

    Como vc sou contra o aborto!
    Ninguém mais pode usar esse meio para justificar suas escolhas.
    Em alguns casos sim ate concordo que deva ser feito, mas todo mundo sabe que existe como prevenir uma gravidez.
    Agradeço mesmo vc!
    Acredito que vc entendeu a essência do que quis dizer , muito obrigado!
    não se sinta só estou com vc!

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.