23 junho 2009

ONDE ESTÃO NASCENDO OS CRATENSES?

O parto normalmente é um momento de alegria, de festa, de renovação
da vida. Os pais se redobram de cuidados para receber o fruto do amor
e da união que nutrem o casal. Durante nove meses planejam todos os
passos, tomam todos os cuidados, na busca de proteger o novo ser. E
sempre querem o melhor para a nova vida que chega. É isso que se
observa em todos os lugares do mundo. Não seria diferente aqui no
Crato.

Lamentável é que apenas os casais pertencentes às classes sociais
mais favorecidas, aqueles que possuem planos de saúde, estão podendo
oferecer estas garantias aos seus filhos e gestantes. Os casais mais
esclarecidos, muito freqüentemente, estão preferindo que seus partos
sejam realizados em outras cidades caririenses, principalmente nos
municípios de Barbalha e Juazeiro do Norte. O que justifica esta
preferência? Será que estamos perdendo até mesmo o orgulho de SER
CRATENSE?

Não. Isso a gente nunca vai perder. O que justifica esse “êxodo” é o
fato de não dispormos em nosso município, lamentavelmente, de uma
maternidade que ofereça total segurança para o binômio mãe-filho,
principalmente nos casos de gravidez de alto risco. Falta-nos uma UTI
Neonatal. Somos carentes de Neonatologistas. As parturientes do
Sistema único de Saúde (SUS) nunca são assistidas se quer por médicos
pediatras na sala de parto, como determina a lei. Em termos de
Maternidade, temos muito a melhorar.

Vivemos num mundo em que as riquezas são concentradas. Muito
dificilmente um filho de pobre galga o poder. O filho do médico
normalmente consegue seguir a carreira do pai enquanto o filho do
pedreiro torna-se pedreiro também. Mantendo-se essa regra perversa,
num futuro que não está muito longe, já não teremos mais cratenses
para assumir os postos de comando da nossa cidade. Todos seremos
barbalhenses ou juazeirenses, sem nenhum demérito aos filhos dessas
cidades. Precisamos barrar, urgentemente, esse processo. São esses
fatos que correm silentes, sem que ninguém perceba, que acabam
determinando o nosso fraco desempenho no que se refere ao
desenvolvimento. Isso pode nos custar muito caro num futuro próximo ao
mesmo tempo em que dissimula o nosso nato “orgulho de ser cratense”.

Temos uma grande oportunidade para exterminarmos este germe. A
Maternidade do Crato, do Hospital São Francisco de Assis, está em fase
de conclusão de uma ampla, necessária e merecida reforma das suas
estruturas físicas. Está nascendo uma Nova Maternidade do Crato, é
preciso que nos juntemos e cobremos das esferas de governos municipal,
estadual e federal, o mais urgentemente possível, a implantação de uma
UTI Neonatal nesta Maternidade, e também que nela seja colocado, à
disposição de todos, o mais moderno e necessário arsenal diagnóstico e
terapêutico. Só assim todos os CRATENSES voltarão a nascer aqui. E,
quem sabe, até mesmos os barbalhenses e juazeirenses. Só depende da
gente.

2 comentários:

  1. Por favor, Use título em Minúsculo, e texto justificado.

    Para fazer isso:

    Copie o seu texto no Bloco de Notas do Windows, e depois, do bloco de notas para a janela de postagem, assim ele ficará centralizado.

    Em seguida, use o botão de Justificar o texto, o que o deixará "quadrado".

    Obrigado,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. Valdetário,
    Até isso, ó cara ???
    Será que esse poço não tem fundo ???
    Onde vamos parar ???
    Será que só porque o ícone deles nasceu no Crato, agora teremos a inversabilidade ???
    Já pensou a pessoa ser natural do Crato, mas nascido em Juazeiro ???
    Será que a Expocrato em Juazeiro não seria apenas um balão de ensaio prá maquinações futuras ???
    São perguntas preocupantes, podes crer !!!

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.