01 junho 2009

Barbalha é o Foco - Fiéis carregam o ´pau da bandeira´ de mais de 23m

EM BARBALHA

Mais de 50 mil fiéis participaram do carregamento do pau da bandeira, abrindo, ontem, a Festa de Santo Antônio, padroeiro de Barbalha (Foto: Antônio Vicelmo). A árvore que serviu de mastro para erguer a bandeira do padroeiro é uma copaíba, conhecida também como Pau Dóia. Barbalha. Com o carregamento do pau da bandeira, acompanhado por mais de 50 mil pessoas, foi aberta, ontem, a Festa de Santo Antônio, padroeiro de Barbalha, que terá prosseguimento até o dia 13, quando o evento será encerrado com uma grande procissão com as imagens de todos os santos padroeiros da cidade e da zona rural, tendo à frente o andor do santo português. Este ano, a árvore que serviu de mastro para erguer a bandeira do padroeiro, em frente à Igreja Matriz, é uma copaíba, conhecida também como “Pau Dóia”, com 23 metros de comprimento, pesando mais de duas toneladas. O ritual de transporte do tronco começou, às 12 horas, no Sítio São Joaquim, a seis quilômetros da cidade, onde os carregadores, de mãos dadas, rezaram um Pai Nosso, em torno da árvore, num ritual marcado pela fé. Sob o comando do chamado “Capitão do Pau” que, este ano, mais uma vez, foi Rildo Teles , os devotos de Santo Antônio colocaram a copaíba nos ombros e iniciaram a caminhada em direção à Matriz.

Na medida em que o grupo de carregadores se aproxima da cidade, a multidão composta por fiéis aumenta. O cortejo é puxado por uma unidade de som volante que anima e orienta os carregadores. Uma carroça, com mais de 200 litros de aguardente, com o nome de “Cachaça de Seu Vigário”, distribui a bebida com os devotos ali presentes. Embriagados, os acompanhantes do cortejo se cobrem de areia vermelha e tomam banho nos barreiros ao lado do caminho. A “meladeira” sobra para quem está trabalhando (como, por exemplo, fazendo fotos), ou para quem tenta se aproximar do pau. “É a festa do povo, marcada por uma profunda religiosidade, uma tradição de mais de 100 anos”, diz o engenheiro Fernando Sampaio, destacando que a festa representa a auto-afirmação política, religiosa e social de Barbalha. Na entrada da cidade, o séqüito de devotos de Santo Antônio e curiosos aumenta. Os carregadores, a grande maioria pessoas simples dos bairros e trabalhadores do mercado de carne (marchantes), não cedem espaço para ninguém. Os fiéis enchem a ria do “Vidéu”, da Igreja do Rosário até a Matriz, onde o pau é fincado, sob os aplausos vibrantes da multidão.

Arraial

O clima em Barbalha é mesmo de festa. É a confraternização típica das cidades do Interior, com grupos folclóricos, quermesses, novenas e reencontros. É o momento de voltar à terra natal para rever a família, os amigos e sentir o cheiro da rapadura quente dos últimos engenhos que sobreviveram à crise da agroindústria canavieira. A cidade se transformou num verdadeiro arraial de São João. Foram montados quatro palcos para apresentações de bandas. O principal foi instalado no Parque da Cidade, outro no Marco Zero, mais um no Largo do Rosário e outro na Praça Engenheiro Dória. Os shows, em grande parte, serão gratuitos. Serão 28 apresentações, entre grupos folclóricos, bandas e artistas regionais. A grande maioria, artistas barbalhenses. Os grupos de folclóricos, que participaram do desfile de abertura da festa, na manhã de ontem, se espalham nas ruas coloridas de Barbalha.

Segurança

O Comandante do 2º Batalhão de Polícia Militar (BPM), coronel Erick Onofre, abriu a “Operação Santo Antônio”, na praça em frente à Prefeitura Municipal, com a apresentação do pelotão da Cavalaria da PM. O policiamento foi reforçado, com o envolvimento do Corpo de Bombeiros e Guarda Municipal, para garantir a segurança e a tranqüilidade nos 13 dias de festa. Todas as secretarias municipais estão envolvidas no evento. A Secretaria de Saúde do montou um esquema com ambulâncias e profissionais da saúde, para atender qualquer emergência ou urgência que porventura venha a ocorrer entre os presentes. Por sua vez, o Juizado da Infância e da Juventude de Barbalha e o Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente também foram mobilizados pelos organizadores dos festejos. O objetivo é, antes de mais nada, garantir a integridade física e a segurança de crianças e adolescentes durante este período de festejos ao padroeiro da cidade, Santo Antônio.

OPINIÕES

É a auto-afirmação social, política e religiosa da cidade. A maior manifestação de religiosidade do povo´

Fernando Sampaio
Engenheiro


O carregamento do pau da bandeira é um sentimento sagrado, uma aproximação do povo com o Divino´

Oswaldo Barroso
Escritor


É a mais expressiva manifestação do folclore regional. É uma pluralidade cultural de extrema riqueza´

Olga Paiva
Sup. do Iphan no Ceará

Antônio Vicelmo
Repórter

Mais informações:

Prefeitura Municipal de Barbalha
Rua Neroly Filgueiras Sampaio, 141 - Centro - Barbalha
(88) 3532.0090 - 3532.3022 - 3532.0187

Fonte: Jornal Diário do Nordeste

2 comentários:

  1. Infelizmente eu tenho que entrar aqui no blog para fazer umas "correções" nessa reportagem. Cheguei no local onde se encontrava o pau, sitio São Joaquim, proximo a um riacho, por volta das 8h30 da manha de domingo. Fiquei no aguardo ate a saida e fiz diversas fotos. Meu relogio é tão certo quanto o do Jornal Nacional da Rede Globo. O pau começou a sair as 10h33 e seguiu o trajeto a partir desse horario. Houve um unico incidente com um dos carregadores que escorregou na lama e cortou a cabeça ao bater no chão e foi logo atendido pela ambulância que ia na frente do carro de som. Isso aconteceu proximo a segunda cancela, por volta das 12h40. Outro incidente aconteceu ja no inicio da av. Jules Rimet, e o acidentado rejeitou o atendimento ambulatorial e lavou o corte com a agua que era distribuida gratuitamente pelo supermercado Opção. Se houve outros acontecimentos do genero nao é do meu conhecimento. O pau realmente era de 23 metros, porem, antes da saida do sitio São Joaquim, um homem em uma moto passou sobre a ponta e quebrou um pouco mais de 1 metro e 20 centimentros. Eu mesmo fiquei com esse pedaço da arvore ate o local que foi fincado o mastro. A carroça continha tambem uma belissima farofa oferecida junto com a cachaça e servida com a propria mão do carroceiro, e que mesmo assim, não deixou de ser muito gostosa. Comi muito dela. Quanto aos carregadores cobrirem de barro, isso acontece como brincadeira e muita simulação de brigas acontecem no longo percurso. Fui respeitado e outros colegas que faziam fotos tambem, pois os carregadores ate pousavam para todos nós. Não soube de nem um que se melou mais que os inevitaveis respingos dos que ja estao ensopados com a lama. Peço desculpa a quem doer essa minha "correção", mas como segui realmente desde o incio do cortejo, acho certo mostrar como foi realmente para que não haja equivocos de mais ninguem. No meu blog estarei colocando minha historia por todo o percurso e fotos, visitem "O LUMINAR" (http://oluminar.blogspot.com).

    ResponderExcluir
  2. boa reportagem venha mais para barbalha

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.