09 março 2009

"Notívagos" - (Re)Descobrindo a Madrugada - Por: José Nilton Mariano Saraiva

O dia tem quatro períodos de 6 horas. Das 6h às 12h, a cidade trabalha. Das 12h às 18h, faz compras, busca filhos na escola, corre para casa. Das 18h às 24h, freqüenta escolas, faculdades ou cursos livres, namora, diverte-se. Sem falar naqueles que, em casa, continuam trabalhando. Mas o que fazer da meia-noite em diante? Por que não dormir em horários alternativos, como já fazem trabalhadores noturnos de fábricas, postos de saúde? Criar vida coletiva "madrugadeira". Faculdade pela madrugada. Cinema na madrugada. Esporte de madrugada. Novos horários para serviços "madruguistas". Em locais que não perturbem o justo sono dos outros. Redistribuição espontânea/induzida dos turnos existenciais.
Acordarei às 23h. Tomarei meu café "madrugal". Irei trabalhar. Ou estudar. Ou pagarei as contas nos bancos (abertos). Cuidarei de assuntos burocráticos.
Às 6 da manhã, almoçarei. Ao meio-dia, fim do dia.
Em casa, jantar... Descanso, família, amigos. Às 16h, cama, longe do rush.
Muitos notívagos se sentem inúteis nas chamadas horas mortas. Salvam-nos a internet, a tela da TV, a leitura. Insones, passarão a movimentar a madrugada urbana cheia de vida.
Se metade da população tiver opções "madrugadeiras", todos respiraremos melhor. Madrugada, palavra proveniente do latim vulgar maturicare, madurar, amadurecer mais cedo, antecipar-se ao caos. Em plena madrugada, haverá mais luzes acesas, mais transporte coletivo, o metrô circulará 24 horas, restaurantes, lanchonetes e lojas em geral de portas abertas. Haverá clientes sempre, em toda parte.
"Deus ajuda a quem cedo madruga", profetizaram os antigos. Essa idéia mesmo, aliás, fiquei mentando (a mente trabalha depois da meia-noite) às 4 da matina. Que a energia acumulada e perdida na madrugada venha à tona nos escritórios, academias de ginástica, serviço público, consultórios médicos, lugares de diversão. Quantos já não fazem da madrugada espaço e tempo vitais? Mais do que rodízio de automóveis, rodízio de gente. Digamos que 50% da população passe a acordar às 23h, depois de uma boa tarde-noite de sono. A outra metade estará colocando o pijama e sonhará com os anjos, sem ter vivido o pesadelo das ruas apertadas, das filas enervantes, da correria que mata.

Autoria: Gabriel Perissé (doutor em educação pela USP e escritor). Postagem: José Nilton Mariano Saraiva
***************************************

3 comentários:

  1. Tem alguém, aqui no blog, que é adepto incondicional e fervoroso da madrugada, das noites insones.
    O que pensará ele a respeito ???

    ResponderExcluir
  2. José Nilton,

    Há muitas corujinhas notívagas por aí, é só observar...

    Abraço,

    Claude

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.