22 julho 2008

SUBSTITUIÇÃO NO STF


Degradação do Judiciário

DALMO DE ABREU DALLARI

Nenhum Estado moderno pode ser considerado democrático e civilizado se não tiver um Poder Judiciário independente e imparcial, que tome por parâmetro máximo a Constituição e que tenha condições efetivas para impedir arbitrariedades e corrupção, assegurando, desse modo, os direitos consagrados nos dispositivos constitucionais. Sem o respeito aos direitos e aos órgãos e instituiçõese ncarregados de protegê-los, o que resta é a lei do mais forte, do mais atrevido, do mais astucioso, do mais oportunista, do mais demagogo, do mais distanciado da ética. Essas considerações, que apenas reproduzem e sintetizam o que tem sido afirmado e reafirmado por todos os teóricos do Estado democrático de Direito, são necessárias e oportunas em face da notícia de que o presidente da República, com afoiteza e imprudência muito estranhas, encaminhou ao Senado uma indicação para membro do Supremo Tribunal Federal, que pode ser considerada verdadeira declaração de guerra do Poder Executivo federal ao Poder Judiciário, ao Ministério Público, à Ordem dos Advogados do Brasil e a toda a comunidade jurídica. Se essa indicação vier a ser aprovada pelo Senado, não há exagero em afirmar que estarão correndo sério risco a proteção dos direitos no Brasil, o combate à corrupção e a própria normalidade constitucional.

Por isso é necessário chamar a atenção para alguns fatos graves, a fim de que o povo e a imprensa fiquem vigilantes e exijam das autoridades o cumprimento rigoroso e honesto de suas atribuições constitucionais, com a firmeza e transparência indispensáveis num sistema democrático. Segundo vem sendo divulgado por vários órgãos da imprensa, estaria sendo montada uma grande operação para anular o Supremo Tribunal Federal, tornando-o completamente submisso ao atual chefe do Executivo, mesmo depois do término de seu mandato. Um sinal dessa investida seria a indicação, agora concretizada, do atual advogado-geral da União, Gilmar Mendes, alto funcionário subordinado ao presidente da República, para a próxima vaga na Suprema Corte. Além da estranha afoiteza do presidente pois a indicação foi noticiada antes que se formalizasse a abertura da vaga-, o nome indicado está longe de preencher os requisitos necessários para que alguém seja membro da mais alta corte do país. É oportuno lembrar que o STF dá a última palavra sobre a constitucionalidade das leis e dos atos das autoridades públicas e terá papel fundamental na promoção da responsabilidade do presidente da República pela prática de ilegalidades e corrupção. É importante assinalar que aquele alto funcionário do Executivo especializou-se em "inventar" soluções jurídicas no interesse do governo. Ele foi assessor muito próximo do ex-presidente Collor, que nunca se notabilizou pelo respeito ao direito. Já no governo Fernando Henrique, o mesmo dr. Gilmar Mendes, que pertence ao Ministério Público da União, aparece assessorando o ministro da Justiça Nelson Jobim, na tentativa de anular a demarcação de áreas indígenas. Alegando inconstitucionalidade, duas vezes negada pelo STF, "inventaram" uma tese jurídica, que serviu de base para um decreto do presidente Fernando Henrique revogando o decreto em que se baseavam as demarcações. Mais recentemente, o advogado-geral da União, derrotado no Judiciário em outro caso, recomendou aos órgãos da administração que não cumprissem decisões judiciais. Medidas desse tipo, propostas e adotadas por sugestão do advogado-geral da União, muitas vezes eram claramente inconstitucionais e deram fundamento para a concessão de liminares e decisões de juízes e tribunais, contra atosde autoridades federais. Indignado com essas derrotas judiciais, o dr. Gilmar Mendes fez inúmeros pronunciamentos pela imprensa, agredindo grosseiramente juízes e tribunais, o que culminou com sua afirmação textual de que o sistema judiciário brasileiro é um "manicômio judiciário". Obviamente isso ofendeu gravemente a todos os juízes brasileiros ciosos de sua dignidade, o que ficou claramente expresso em artigo publicado no "Informe", veículo de divulgação do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (edição 107, dezembro de 2001). Num texto sereno e objetivo, significativamente intitulado "Manicômio Judiciário" e assinado pelo presidente daquele tribunal, observa-se que "não são decisões injustas que causam a irritação, a iracúndia, a irritabilidade do advogado-geral da União, mas as decisões contrárias às medidas do Poder Executivo". E não faltaram injúrias aos advogados, pois, na opinião do dr. Gilmar Mendes, toda liminar concedida contra ato do governo federal é produto de conluio corrupto entre advogados e juízes, sócios na "indústria de liminares".A par desse desrespeito pelas instituições jurídicas, existe mais um problema ético. Revelou a revista "Época" (22/4/ 02, pág. 40) que a chefia da Advocacia Geral da União, isso é, o dr. Gilmar Mendes, pagou R$ 32.400 ao Instituto Brasiliense de Direito Público -do qual o mesmo dr. Gilmar Mendes é um dos proprietários- para que seus subordinados lá fizessem cursos. Isso é contrário à ética e à probidade administrativa, estando muito longe de se enquadrar na "reputação ilibada", exigida pelo artigo 101 da Constituição, para que alguém integre o Supremo.

A comunidade jurídica sabe quem é o indicado e não pode assistir calada e submissa à consumação dessa escolha notoriamente inadequada, contribuindo, com sua omissão, para que a arguição pública do candidato pelo Senado, prevista no artigo 52 da Constituição, seja apenas uma simulação ou "ação entre amigos". É assim que se degradam as instituições e se corrompem os fundamentos da ordem constitucional democrática.

_____
Dalmo de Abreu Dallari, 70, advogado, é professor da Faculdade de Direito da USP. Foi secretário de Negócios do município de São Paulo

Musica: Morena Samba - Dihelson Mendonça e Haroldo Ribeiro



Para quem não conhece meu trabalho "popular", e para afugentar o estereótipo de "pianista clássico" que alguns têm sobre mim, aqui está uma música minha, chamada "Morena Samba", em parceria com meu grande amigo Haroldo Ribeiro, e a letra de Sílvia Bezzato, belamente interpretada pela cantora paulistana Anna Canário no seu CD: Brasilização. Como músico popular, minhas influências são principalmente o Tom Jobim, o Edu Lobo, e a turma da corrente maior da Bossanova. Mesmo sendo músico do Cariri, meu trabalho é mais universalista, e a bem da verdade, embora valorize o trabalho dos que fazem, não sou muito afeito em nível puramente pessoal, a que o artista caririense tenha que se obrigar a fazer letras e música que falem em mangas e pequis para ser considerado artista caririense. Assim como o cantor João do Crato sempre se reclama de que também, devido a seu nome, as pessoas pensam que por se chamar João do crato, segundo ele próprio: "é esperado que eu suba no palco com um saco de pequi na cabeça e vestido de boiadeiro"... rs rs. Bem, voltando ao assunto, no álbum encontra-se outra música da minha autoria e do Haroldo, chamada "Seu Olhar". Recebi o link do vídeo recentemente da própria cantora Anna Canário, que foi gravado no Festival de Jazz & Blues de Guaramiranga, e repasso pra vocês.

OBS - creio que para assistir o vídeo seja necessário parar o player da rádio, logo acima, pra evitar ouvir 2 coisas ao mesmo tempo.

Abraços,

Dihelson Mendonça
.

As Origens de Juazeiro do Norte - Pelo Historiador Armando Lopes Rafael

Alguns autores insistem, erroneamente, em atribuir ao Padre Cícero Romão Batista a fundação de Juazeiro do Norte. Pelas informações abaixo concluímos que foi o Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro o fundador do núcleo primitivo, origem da atual cidade.
- o - o - o -

Podemos afirmar, com toda segurança, que a cidade de Juazeiro do Norte – hoje conhecida em todo o Brasil, graças à figura do Padre Cícero Romão Batista – teve seu início como fruto da devoção a Nossa Senhora das Dores. Pois, a exemplo da maioria das cidades brasileiras de antanho, Juazeiro do Norte também nasceu em torno de um templo católico. A escritora Amália Xavier de Oliveira, na “plaquete” Conheça o Cariri, assim descreveu os primórdios desta cidade:

“Os terrenos onde foi fundada a grande cidade que é hoje Juazeiro do Norte pertenciam a um cidadão chamado Leandro Bezerra Monteiro, militante do Exército Nacional, no qual tinha o posto de Brigadeiro. Estes terrenos constituíam uma imensa planície coberta de pastagens férteis e abundantes. Árvores de grande porte formavam densas matas. O proprietário, o Brigadeiro, era possuidor de muitas terras na região; residia no sítio “Moquém” perto do Crato, onde tinha um engenho de fabricar rapadura. Para fazer sua criação de gado, escolheu os terrenos que iam em direção da Serra de São Pedro, hoje Caririaçu.

Havia, naquela planície, uma ligeira elevação do terreno perto da serra Catolé, às margens do rio Salgadinho. Ali, o Brigadeiro construiu a Casa da fazenda, que recebeu o nome de “Tabuleiro Grande”. Ao redor da Casa Grande da fazenda, os escravos foram construindo suas casas; vizinho a casa, construiu um aviamento para a fabricação da farinha de mandioca, de que havia grande cultura nos tabuleiros. Entre as árvores que circundavam o aglomerado de casas dos escravos, havia 3 juazeiros frondosos, de copas quase unidas, formando uma sombra acolhedora. Ali, os transeuntes que viajavam de Missão Velha, Barbalha, São Pedro, indo para a feira do Crato, procuravam abrigar-se. E combinavam: “Vamos botar a baixo (tirar as cargas para repouso) lá nos juazeiros”. Daí a corruptela: vamos descansar no Juazeiro”. (OLIVEIRA, Sem data, 3-4).

A mesma Amália Xavier de Oliveira, noutro escrito de sua autoria, O Padre Cícero que eu conheci, esclareceu o que motivou a construção da capela na fazenda Tabuleiro Grande:

“Ordenara-se Sacerdote o Pe. Pedro Ribeiro de Carvalho, neto do Brigadeiro, porque filho de sua primogênita, Luiza Bezerra de Menezes, e de seu primeiro marido, o Sargento-mor Sebastião de Carvalho de Andrade, natural de Pernambuco. Para que o padre pudesse celebrar diariamente, sem lhe ser necessário ir a Crato, Barbalha ou Missão Velha, a família combinou com o novel sacerdote a ereção de uma capelinha, no ponto principal da Fazenda, perto da casa já existente”. (OLIVEIRA, 1981:33-34).

Alguns autores insistem, erroneamente, em atribuir ao Padre Cícero Romão Batista a fundação de Juazeiro do Norte. Pelas informações – acima citadas – concluímos que foi o Brigadeiro Leandro Bezerra Monteiro o fundador do núcleo primitivo, origem da atual cidade. Deve-se ao Brigadeiro Leandro a iniciativa da primeira urbanização da localidade – ainda conhecida por Tabuleiro Grande – com a edificação da Casa Grande, capela, residências para os escravos e agregados da família.
A realidade histórica nos mostra: quando o Padre Cícero chegou ao “Joaseiro”, para fixar residência, em 11 de abril de 1872, já encontrou um povoado formado em torno da capelinha de Nossa Senhora das Dores. Contava o lugarejo, à época da chegada deste sacerdote, com 35 residências, quase todas de taipa, espalhadas desordenadamente por duas pequenas ruas, conhecidas por Rua do Brejo e Rua Grande. No povoado, à época da chegada do Padre Cícero, residiam cinco famílias, tidas como a elite do vilarejo: Bezerra de Menezes, Sobreira, Landim, Macedo e Gonçalves. É verdade, porém, que o povoado só veio a ter alguma projeção a partir da ação evangelizadora do Padre Cícero. E o vertiginoso crescimento demográfico da localidade só começou em 1889, motivado pela ocorrência dos fatos protagonizados pela beata Maria de Araújo, que passaram à história como “O Milagre da Hóstia”.

(*) Armando Lopes Rafael, historiador. Sócio do Instituto Cultural do Cariri, Membro Correspondente da Academia de Letras e Artes “Mater Salvatoris” de Salvador (BA) e do Conselho Editorial da revista “A Província”.

.

Praça do Pe. Cícero em Farias Brito

Inaugurada Praça na Serra do Pe. Cícero

Direto do Blog Farias Brito.

O Distrito de Quincuncá, precisamente a localidade denominada de Serra do Pe. Cícero, viveu um momento histórico no último dia 20. O local que já tinha erguida uma estátua do Pe. Cícero ganhou uma Praça em torno do monumento, colocado ali pelo Ex-Prefeito de Farias Brito, João Antero da Silva (Silva Antero), no final da década de 70.Segundo alguns, faz alusão á colina do horto em Juazeiro do Norte, tendo em vista a sua localização geográfica no topo da Serra do Quincuncá. Contam os mais velhos que no ano de 1901, o Pe. Cícero teria visitado a Vila de Quincuncá, para realizar a bênção do cemitério daquela localidade e passando pelo local, teria feito comparações entre os dois locais.

Segundo contam, "afundada a Pedra da Batateira e inundadas todas as áreas baixas, a Colina do Horto, mais tarde transformada em santuário religioso de Juazeiro do Norte, seria um bom porto. Já a Serra do Quincuncá, no município de Farias Brito, seria outro".

Veja fotos do local:





Visite a Praça do Pe. Cícero e desfrute de uma bela paisagem de cima da Serra do Quincuncá, veja como chegar clicando aqui.
--
Colaborou: Cícero Menezes
cicero.menezes@bol.com.br

Futebol - Atualização - Amilton Silva

Será realizada nesta terça feira dia 22, a 13ª rodada do Brasileirão Série B. O destaque da rodada será a partida entre Ceará e Corinthians no Castelão, onde será esperado um público recorde.

Paraná X Barueri Marília X Avaí CRB X Fortaleza Santo André X América RN Bahia X São Caetano Ponte Preta X Vila Nova Criciúma X Brasiliense Gama X Juventude ABC X Bragantino

completam a rodada. Já a segundona do Cearense será movimentada com os seguinte jogos:

Trairiense X São Benedito Maracanã X Guarany Barbalha X Limoeiro

Todos os jogos serão realizados no dia 23 quarta feira. A equipe de Barbalha, terá a obrigação de vencer esta partida para fugir do rebaixamento.

Informou: Amilton Silva - Editor de esportes do Blog do Crato


Vai começar o III Festival da Música Instrumental no Cariri - De 23/07 a 02/08 no BNB - Juazeiro. - Imperdível !!!

.

A Hora e a Vez da Música Instrumental no Cariri !
De 23/07 à 02/08 no CCBNB - Juazeiro.



Para quem aprecia a arte da música, não pode perder:
III Festival da Música Instrumental no Cariri

Os grandes nomes da Música Instrumental se encontram no Cariri para um festival que promete ser um verdadeiro "desfile da arte musical", contemplando os diversos estilos da música instrumental, desde a Música Clássica, aos trabalhos Contemporâneos de Música experimental, às composições para grupos, num grande festival de música que já se encontra na sua terceira edição, patrocinado pelo Banco do Nordeste, e que acontecerá no Centro Cultural BNB em Juazeiro do Norte, de 23 de Julho à 02 de Agosto de 2008. Grandes nomes da música instrumental Brasileira estarão presentes. ENTRADA FRANCA.

Programação:

Dia 23, quarta-feira

18h30 Di Freitas (CE) & Pablo Lerner (ARG).

20h Cleivan Paiva (CE).

Dia 24, quinta-feira

18h30 Aerotrio (PB)

20h Jefferson Gonçalves (RJ)

Dia 25, sexta-feira

18h30 Manassés (CE)

20h O Quadro (PE)

Dia 26, sábado

19h30 João Omar & João Liberato. (BA)

Dia 30, quarta-feira

18h30 Trio Sotaque (PE)

20h Pádua Pires (CE)

Dia 31, quinta-feira

18h30 Costinha (RN)

20h Duo Groove & Primata (RN)

Dia 01, sexta-feira

18h30 Duo Pianíssimo (CE)

20h Cássio Nobre (BA)

Dia 02, sábado

19h Dihelson Mendonça & Trio (CE)

=====================

E desde já fazendo minha própria propaganda, O Dihelson Mendonça Trio se apresenta no dia 02 de Agosto, Sábado, às 19:00 no III Festival BNB da Música Instrumental, com:

Dihelson Mendonça - Piano
João Neto - Contrabaixo
Saul Brito - Bateria

Com o show "Quebrando Tudo", de composições autorais, em show elogiado pela crítica e público, apresentado no SESC crato recentemente. Aguardo vocês por lá. Dessa vez não há desculpas para os apreciadores da verdadeira música de qualidade...

Por: Dihelson Mendonça
www.blogdocrato.com
.

Campanha contra a baixaria na Política !


Olá, Pessoal,

Andam falando pelas ruas do Crato que esta eleição será marcada pela baixaria. Alguns arriscam afirmar que haverá panfletagem falsa, acusações levianas e outras coisas. Muita gente inclusive, está se afastando muito de qualquer coisa que se relacione à palavra: POLÍTICA, por puro nojo do que possa ainda acontecer nos próximos dias.

E nisso é que venho aqui pedir aos candidatos e às pessoas que estão engajadas nas campanhas políticas, que procurem manter o bom nível do discurso. Ninguém gosta de ver baixaria. Ninguém gosta de ver candidatos apelarem para discursos vazios em propostas e cheios de leviandade.

Ouvi um comentário também de que no centro nervoso do Crato - A Praça Siqueira Campos - as pessoas não mais falam em propostas para a cidade, e sim ficam a apostar em quem irá vencer as eleições. Isso é um mau sinal. Um sinal de que os Cratenses não acordaram que o que está em jogo é o futuro da cidade, e não briguinhas eleitoreiras. É preciso acabar com essa mentalidade e pensar no futuro que queremos para nossa cidade, verificando as propostas e os programas de governo de cada candidato, e não apenas ver pelo lado da eleição, afinal, atravessaremos 4 anos nas mãos de alguém.

Portanto, formemos essa imensa corrente em prol da ética na política e nas eleições. Que não haja golpes baixos. Tudo às claras, e que vença o melhor para a nossa cidade.

Abraços.

Dihelson Mendonça
.

Especial - Juazeiro 97 anos - O Padre Cícero e a Sedição de Juazeiro.





C
ícero Romão Batista nasceu a 24 de maio de 1844, na vila do Crato. Desde cedo manifestou a vocação sacerdotal, vindo a Fortaleza para estudar no seminário da Prainha. Auxiliado por seu padrinho, o coronel Luis Antônio Pequeno, pôde continuar seus estudos, apesar da alerta do pai. Ordenou-se aos 26 anos, e em 1872 foi enviado para o pequeno povoado de Juazeiro do Norte. No seminário não registraram-se fatos estranhos com o jovem estudante, mas ele e seu primo José Marrocos eram vistos como "arrivistas". José Marrocos foi mandado embora e Cícero ordenou-se padre, por intervenção do bispo D. Luis, apesar da reprovação do Reitor do seminário. A princípio Cícero não se afeiçoou ao povoado, e sua intenção era voltar para Fortaleza. No entanto, conta-se que Jesus lhe aparecera em um sonho, instruindo-o no sentido de cuidar dos pobres. Fixou-se então no lugarejo e lá exerceu o sacerdócio, normalmente, até 1889, quando se deu o primeiro caso de milagre, entre tantos outros atribuídos a ele: a hóstia recebida pela beata Maria de Araújo transformou-se em sangue na sua boca. Logo a sua fama se espalhou, e todos acorriam para o Juazeiro em busca da proteção o "santo milagreiro". Juazeiro depressa se transformou em um enorme ajuntamento de pessoas, vindas de todos os lugares do sertão. Em breve, Cícero deixou de ser apenas um líder religioso, para se transformar na mais prestigiada liderança política do sertão nordestino. Em vão, a hierarquia da Igreja tentou manter um controle sobre o padre, enviando-o até mesmo a Roma, para entrevista com o Papa; mas isso só fez crescer seu prestígio junto ao povo. Algumas pessoas exerciam grande influência sobre ele; a princípio foi seu primo José Marrocos, jornalista de talento, que soube manipular com habilidade junto ao povo, as notícias em torno dos milagres. Depois, foi o médico baiano Floro Bartolomeu, que articulou a aproximação do padre com os coronéis e a política acciolina. Com a transformação de Juazeiro em município, padre Cícero foi seu primeiro prefeito.  A essa altura, o padre já estava mergulhado no complexo xadrez político das oligarquias. Esse envolvimento culminou na "Guerra Santa" que apreendeu contra o presidente Franco Rabelo, causando a sua queda do poder em 1914; foi a sedição de Juazeiro. Mesmo depois de sua morte, em 1934, a influência do Padre Cícero permaneceu muito viva entre o povo sertanejo. Essa influência não se limitou à região do Cariri, nem somente ao Ceará ; ele se estendeu por todo o Nordeste e até além dele. Diariamente a "Meca" do Cariri, Juazeiro, é procurada por romeiros vindos dos mais diversos lugares. Essas romarias são mais fortes nas comemorações do dia da padroeira, Nossa Senhora das Dores, de Nossa Senhora das Candeias e dia de Finados. O turismo religioso tomou-se a maior fonte de renda de Juazeiro, tomando-a uma das maiores e mais prósperas cidades do Estado. No período das ramadas, os hotéis ficam lotados com os fiéis que vêm pagar suas promessas, bem como, adquirir "souvenirs", para que a proteção do "padim" lhe acompanhe sempre, deixar seu óbulo na Igreja, morada do santo querido. Nos restaurantes não faltam o baião-de-dois com o piqui e a carne de sol. A noite, os repentistas embalam seus ouvirias com histíorias do padre e de outros heróis do imaginário sertanejo. E, como não poderia deixar de ser, junto com os repentes, as rezas. Os locais mais visitados são a casa do Padre Cícero e o Horto. No alto dele, a estátua esculpida em 1969, por Armando Lacerda, com 27 metros de altura. A casa foi transformada em museu e conta no seu acervo com oratórios, imagens sacras, batinas, paramentos, prataria, mobiliário e objetos, doados pelos romeiros. Objetos de peregrinação são também a Casa dos Milagres, onde são depositados os ex-votos, peças de gesso, madeira e plástico, que representam partes do corpo humano curadas por obra das promessas, além de retratos e cartas e a Capela do Socorro, onde o padre está sepultado. Em 1994 comemorou-se o Sesquicentenário de seu nascimento, com realização de romarias, seminários em vários locais do Brasil e apresentação de filmes, peças de teatro, além de lançamentos de livros e cordéis.

Do website: O Crato Virtual - texto de Sérgio Ribeiro Bastos.

Foto do Dia: Pequena homenagem à Juazeiro pelos seus 97 anos !



A nossa foto do dia de hoje não é do Crato. Pela primeira vez em quase 2 anos de Blog do Crato, a foto do dia não é da nossa cidade, mas de uma região que já foi do Crato também e criou uma vida própria, baseada na fé e hoje é um símbolo para o mundo inteiro. Juazeiro do Norte completa 97 anos de emancipação política do Crato.

Na foto: Igreja dos Salesianos
Foto: Dihelson Mendonça

Parabéns, Juazeiro!
.

Funcionários dos correios voltam ao trabalho hoje, após 21 dias de greve.

.

Após 21 dias de paralisação, os funcionários da ECT (Empresa de Correios e Telégrafos) devem voltar a trabalhar normalmente a partir desta terça-feira. A paralisação foi suspensa depois que o governo aprovou o pagamento do adicional de periculosidade, calculado sobre 30% do salário-base.

Segundo a Fentect, (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares), 30 sindicatos conveniados à entidade aprovaram o acordo com a empresa nesta segunda-feira (21) e encerram a greve --que se estendeu por 15 dias úteis.

Cerca de para 43 mil carteiros serão beneficiados com o adicional. Outros 16 mil funcionários da empresa receberão abono mensal de R$ 260.

Além disso, o governo aceitou o compromisso de não descontar os 15 dias de paralisação. Em troca, os trabalhadores terão que fazer uma espécie de banco de horas com o tempo necessário para normalizar as entregas.

Serviços

Os Correios estimam que serão necessários cerca de 10 dias para regularizar os serviços de entregas de correspondências e encomendas em todo o país. Durante a greve, cerca de 130 milhões de cartas estão com a entrega atrasada, segundo o último levantamento da empresa.

Até sexta-feira, quando a paralisação completava 18 dias, 420,6 milhões de correspondências haviam sido postadas pelos clientes durante a paralisação, mas apenas 69% haviam chegado ao destino. Entre as encomendas, 96,4%, de 10,2 milhões de pacotes, já haviam sido entregues.

De acordo com os Correios, o volume diário normal é de 33 milhões de objetos circulando pela empresa.

A expectativa para regularizar as entregas se deve ao compromisso dos grevistas em compensar as horas não trabalhadas.

A assessoria da empresa informou nesta segunda que os serviços com hora certa --Sedex 10, Sedex Hoje e Disque Coleta--, que garantem prazo de entrega, voltará a ser funcionar a partir desta terça-feira.

Reportagem da Folha Online
Foto: Jornal O Globo.
.

Juazeiro do Norte comemora 97 anos de Emancipação Política - Por: Elizângela Santos.

Clique para Ampliar

Padre Cícero foi um fundador deste município do Cariri (Foto: Elizângela Santos)

Uma alvorada festiva, a partir das 5 horas de hoje, abre o dia de comemorações, na Praça Dirceu de Figueiredo

Juazeiro do Norte. Uma das cidades do interior nordestino de maior destaque comemora, hoje, 97 anos. Juazeiro do Norte, considerada a ´meca´ dos romeiros de vários estados foi fundada pelo Padre Cícero, também o primeiro prefeito. Emancipada em 1911, antes era a comunidade de Tabuleiro Grande, pertencente ao Crato. Ao longo desse período conseguiu se notabilizar pelo desenvolvimento da economia local, com destaque para o comércio e a indústria de calçados, sendo este um dos pólos mais representativos do Estado. A cultura popular é outro grande atrativo, sendo ambos estimulados por meio do próprio Padre Cícero, que estabeleceu como lema de desenvolvimento trabalho e oração.

Milhares de nordestinos passam a cada ano por Juazeiro, principalmente durante as grandes romarias. Esse é outro importante aspecto em torno da figura mítica do Padim. O comércio local e a indústria do turismo religioso são os grandes beneficiados.

A cidade tem conseguido nos últimos anos ter um crescimento na área educacional, principalmente com a instalação de cursos de nível superior. Será inaugurado em breve o novo campus da Universidade Federal do Ceará (UFC), onde estarão os cursos de Filosofia, Biblioteconomia, Engenharia Civil e Administração. Cerca de 11 instituições de nível superior, entre particulares e públicas, existem em Juazeiro.

Uma alvorada festiva a partir das 5 horas abre o dia de comemorações, com solenidade na Praça Dirceu de Figueiredo, de frente a Prefeitura, seguida de apresentações folclóricas. Uma missa em ação de graças pelos 97 anos de emancipação será celebrada às 9 horas, na Igreja dos Franciscanos. Haverá pronunciamento ao meio-dia do prefeito Raimundo Macedo, nas rádios locais. Ao final da tarde, o grupo de tradições do município irá recepcionar os turistas da cidade, no Aeroporto Orlando Bezerra e inaugurações do município.

O nome Juazeiro surgiu a partir da árvore com o mesmo nome e “Norte” veio diferenciar a cidade de outras com o mesmo nome. Um dos grandes momentos que mudou a visão de Juazeiro para o mundo foi o milagre da beata Maria de Araújo, em 1889, em que ocorreu o sangramento da hóstia ofertada pelo Padre Cícero na boca da beata. A polêmica continua até hoje e em torno desse fato a crença do povo num homem santo, que é o sacerdote. O acontecimento até hoje é estudado por pesquisadores.

Por: Elizângela Santos - Para o Jornal Diário do Nordeste.

.

A Teoria do Gato Flutuante

Encontrei esta teoria num site de um amigo, criada por um garoto que tem um talento nato, um verdadeiro genio.

Obs: Clica pra ampliar a imagem...

Causas Externas

Quando tudo começou foi de repente. Ninguém esperava como se espera o dia amanhecer. O leste empalidecendo o azul marinho das noites. Todos os mistérios perdendo a profundidade para a superfície fria de luzes fluorescentes. As incompreensíveis estrelas perdendo o brilho das frases elaboradas, ficando na assistência anônima da multidão que existe, mas ninguém a . Esta alvorada que tanto se espera como se observa o passo a passo de sua evolução.

De repente as mutilações começaram. Dos tecidos lanhados as enchentes desenfreadas por barreiras rompidas. A rede capilar ampliou as possibilidades de derramamento de sangue sobre as areias quentes do meio dia. Queda, inchaços, fraturas, trauma craniano. Um politraumatismo criando novas articulações onde antes era um osso longo.

A dose diária de desastre de motos mudando a vida da juventude no trânsito das cidades. Uma ingenuidade humana e um efeito manada em que a novidade arrasta como um imã a vida pela combustão dos motores. Sobre rodas enlouquecidas nas rotações por minuto em destino de algo vago que não vale a morte e a mutilação.

Os dois maiores ícones da música argentina e brasileira na primeira metade do século XX foram iguais em destino. A indústria fonográfica, em associação com o broadcasting, entronizou reis populares. Carlos Gardel e Francisco Alves. Cada um na música de seus respectivos países. Tornaram-se gigantes dos discos e dos shows populares. Multidões encantadas com o mito moderno que da indústria surgia. Seguramente uma nova maneira de gestar mitos, justamente quando a mitologia clássica se tornara secundária, obsoleta ou objeto de estudos eruditos.

Ambos foram vítimas trágicas de outra "conquista" do século XX. O motor a combustão. Compacto, mais leve, com muito maior potência e capacidade de produzir trabalho por massa utilizada como fonte de energia. Por eles o mais pesado que o ar pôde flutuar e viajar distâncias incríveis, assim como o veículo se tornou portátil para um único condutor.

Ainda nos idos dos anos trinta, precisamente a 23 de junho de 1935 morria em Medelin na Colômbia um dos maiores ídolos da Argentina. Gardel fazia uma tournée pelo país e viajaria para Bogotá. Uma disputa entre dois pilotos foi a causa humana. Um piloto Colombiano e um outro Alemão. O alemão desafiou o colombiano sobre a destreza de vôo. Em seguida ao levantar vôo do Aeroporto do Medelin subiu até uma certa altura para depois voltar e passar rasante sobre o avião pilotado pelo colombiano enquanto este taxiava na pista. O piloto colombiano, abastecido com litros de combustível e transportando vários passageiros, entre os quais Gardel, fez uma manobra de revide, os dois aviões chocaram-se no ar e desceram como bolas de fogo. Todos os corpos carbonizados.

Chico Alves vinha pela Rio-São Paulo, na altura de Pindamonhangaba, em 27 de setembro de 1952 quando seu carro buick chocou-se com um caminhão na contramão. Chico viola morreu no desastre.

E os nosso motoqueiros e velocistas destes veículos que tanto brilham quanto enganam?