19 abril 2008

O TEMPO NO CRATO, agora a tarde!

Chuvas isoladas e fortes ainda são sinais de inverno no Cratinho de açúcar!

Um resgate para a Nação Cariri.

A criação do Memorial do Povo Cariú,
ou Cariús, é um desejo latente que hoje
emana de tôda sociedade, que reside
nos municípios adjacentes ao que foi,
a organização dos povos indígenas que
habitavam as margens do Rio Cariús.
.
O resgate que hoje está sendo feito
nas escolas de Farias Brito, e nos movimentos
culturais da região do Cariri, é uma mostra que
o mapeamento da nossa descendência indígena
já se faz necessário, e que precisamos ficar
atentos, a tôda problemática que diz respeito
ao nosso patrimônio, Cultural, Artístico,
e Regional.
.
A ameaça que está pairando no ar, com
a solicitação de registro pela Cia. Vale
do Rio Dôce, de tôdas as nossas riquezas
naturais do sub-solo, para futuras explorações,
é uma razão para que tôda população fique
atenta e preocupada, pois significa a morte
e destruição dos nossos rios e das nossas
tão escassas florestas.
.
A Nação Cariri está se mobizando,
e já começamos a pesquisa da localização
de tôdas as áreas solicitadas para que seja
feito uma discussão, e que as nossas
comunidades sejam ouvidas, evitando
assim a destruição e a ameaça para
nossas gerações futuras.
.
A beleza das imagens da comemoração
do Dia do Índio, é um chamado muito especial
para esse tema que é tão importante,
e que significa muito, para a sobrevivência
da nossa sociedade.
.



Elmano Rodrigues Pinheiro

Fonte: Blog Farias Brito.

Clube da Aeronáutica emite nota com ameaças a Lula

Plantão | Publicada em 18/04/2008 às 21h46m
O Globo Online

RIO - Leia a íntegra da nota do Clube da Aeronáutica com ameaças ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva:

"Ao povo brasileiro

"Nao recue, general Heleno!

"Sua palavra representa a síntese do pensamento castrense atual, bem como do segmento responsável de todo o povo brasileiro.

"Estamos prontos a apoiá-lo até as últimas conseqüências, em defesa de sua liberdade de expressão.

"Que o presidente nao se atreva a entrar negar-lhe o sagrado dever de defender a soberania e a integridade do Estado brasileiro, cristalizado no juramento solene quem um dia, foi comprometido diante da Bandeira Nacional.

"Caso se realize tal coação, o país conhecerá o maior movimento de solidariedade militar, partindo de todos os recantos deste imenso país, jamais ocorrido nos tempos modernos de nossa história.

"ten-brig-ar Ivan Frota

"Presidente do Clube da Aeronáutica"

A Polêmica dos Pensamentos avulsos na ilusão do Reino da Terra – Por Tiago Viana

Partindo do suposto que todos os leitores dos RastreadoreS de ImpurezaS tenham estudado a disciplina de História no ensino fundamental, auxiliados por Professores sérios, com compromisso único com os conflitos reais acontecidos no passado. Qual o representante humano na Terra que controla a maior Igreja do mundo? Agora, qual o representante humano terrestre que controla a maior economia de um país na face da Terra? Resposta difícil!... ...acreditar que o santo Papa visitou os EUA para pregar, evangelizar a palavra de Deus é no mínimo a verdadeira piada de mau gosto. Pode ter sim aproveitado o gancho do percurso para fazer isso em um segundo plano. Aqui não está em jogo defender religião ou ofender-la. Apenas uma questão de ler as entrelinhas do poder com a mesma seriedade dos Professores de História do passado. No caso assistido esta semana, o econômico e o religioso se juntam para adestrar o povo e dar continuidade ao CAOS universal que presenciamos aos dias. Amenizar a problemática complexa do mundo com palavras bonitas, proibições, indicações e pedido de desculpa em público nunca resolveu nenhum problema universal, perceber ações concretas seria muito mais prudente.
A Igreja Católica americana nas últimas décadas se viu envolvida em múltiplos escândalos. Desde a perversão sexual dos seus maestros a outros escândalos no desespero e no egoísmo do crescimento em solo americano. Para reverter o quadro é necessário ganhar espaço, confiança e a credibilidade, imensamente abalada nos EUA por conta da onda de padres pedófilos. A Igreja Católica teve que indenizar com milhões de dólares as vítimas do sacerdócio delinqüente estadunidense. Ficou com sua imagem imensamente sacudida por lá, e conseqüentemente no resto do mundo. Além da ameaça constante da perda de espaço no mercado religioso por outras religiões aproveitadoras do canibalismo sexual católico. Para amenizar a situação, para tentar reverter o quadro de SOS, que se encontra, na maior economia do mundo, nada melhor do que levar o santo Papa e resolver de vez a situação. Ou pelo menos amenizar, não é? Afinal de contas crescer naquele país significa, acima de tudo, aumentar a arrecadação das divisas ecumênicas, e estagnar o prejuízo das indenizações.
A publicidade institucional do vaticano não é prudente. Venera o conservadorismo tradicional e esquece-se da realidade e dos próprios gestores da Igreja. Além de maquiar a visita passando a imagem perante o público, do objetivo central da visitação, ser apenas a evangelização do rebanho americano. Ludibriar as pessoas é um crime que passa despercebido, entre um olhar e outro, entre um sorriso, e um gesto, uma reza, e uma oração. No pecador mundo global a cada dia surgem espertinhos a criar coisas que chamam de Igreja. No Brasil virou um grande negócio, onde a contabilização do lucro, não deve jamais ser questionada por alguém, o respeito total as coisas de Deus precisa ser ausente de desconfianças, afinal, não se carece questionar aqueles que são de Deus, é um pecado vertiginoso (outra verdadeira piada de mau gosto). A Igreja Católica está sendo tocada no seu íntimo, no seu ponto fraco, a perda veloz de seus fiéis para a concorrência agressiva e desleal das Igrejas Evangélicas.
Diante a insignificância dos RastreadoreS de ImpurezaS, no episódio, desafiamos todas as Igrejas, seja Católica ou Evangélica, do Brasil e do mundo, abrirem seus caixas forte, seus cofres, não ainda para distribuir com os pobres, mas para a partir de hoje usar da transparência pública uma meta divina. Fazer publicidade do faturamento com dízimos, ofertas, doações ou outra fonte de recursos financeiros que as Igrejas possam se apoderar. Desafiamos todas as Igrejas a fazer uma prestação de contas semanal ou mensal da caixa preta intacta de todas as Igrejas. A transparência nas ações, a prestação de contas com os fiéis e a opinião pública se faz necessário. Nunca na História isso aconteceu. Desafiamos também as Igrejas em conjunto, ao invés da guerra “santa”, abastecida pela ganância do crescimento, desafiamos todas elas a lutarem pelo ideal sonhado e lutado pelo Senhor Cristo, com fé, garra, orações e ações diretas a conquista plena da igualdade social, e a busca por outro sistema de vida, mais humano, mais próximo do conceito e princípios da Bíblia. Desta forma, combater o mal de todos os males o capitalismo demoníaco instalado no planeta.
Divulgar o quanto se arrecada, divulgar os gastos e explicar ponto por ponto como é gasto, é um direito básico de quem contribui com a Igreja, apenas uma questão de bom-senso. Trata-se de uma ação concreta e não somente de palavras balbuciadas em inglês para serem esquecidas na seqüência veloz da vida. As Igrejas se consideram as instituições mais puras do mundo, as mais dignas, as intermediárias do Deus na Terra. Então para onde o orçamento das Igrejas vai parar? Para que instituições de caridade? É usado apenas para pagar as despesas corriqueiras? O que sobra vai para o Vaticano? Se é que sobra alguma coisa! Será que vai parar em contas nos paraísos fiscais? Vai direto para o céu? Para investimentos nas bolsas de valores? Ou vai para outros fins ilegais inimagináveis para os seus ingênuos fiéis? Desafio feito! Queremos escutar os conservadores da História adulterada.
O problema é que as pessoas costumam coincidir, na cegueira do fanatismo da fé, religião e Deus. Acham tudo a mesma coisa, e não é. Acham que se falar das religiões, das Igrejas está atingindo Deus. Conceito este produzido no aprendizado com o objetivo de bagunçar as cabeças mais frágeis a recepção de dogmas. Como pode termos respeito por uma instituição que durante toda sua existência cresceu explorando os outros? Ter respeito por uma instituição que assassinou milhares de pessoas e continua assassinando, tentando censurar indivíduos com o dom questionador? Ter respeito por uma instituição de imenso patrimônio que não tem coragem de dividir este patrimônio com os miseráveis? Ter respeito por uma instituição sem moral para julgar perversão sexual? Porque não crer em Deus ausente dos facilitadores hipócritas das Igrejas? A censura e o medo do profano questionado sempre estiveram presentes nos conceitos de quem faz as Igrejas, seja qual for a crença. O questionamento das coisas é divino, ache bom ou ruim, é isto!

Escrito By Tiago Viana™ .

Algumas notícias da Real Aeronorte no Crato

O texto sobre "nós e a Real aerovias" além de ter sido postado no Blog do Crato foi para uma lista de e-mails bastante variada. Em relação ao Blog do Crato veio a lembrança através de George Macário sobre o papel de Ernani Silva, importante comerciante do Crato, que era o agente de viagem da Real e acho que depois permaneceu com a VARIG. Já sobre os e-mails postados, surpreendi-me com a quantidade de manifestações sobre a companhia. Gente de Minas Gerais lembrando dos seus aviões, gente de outros estados do Nordeste e o jornalista Oswaldo Maneschy lembrando da queda do avião na ilha do governador, aquele que chocou-se com o avião militar americano: morava na Ilha do Governador e - com muita tristeza - vivi o acidente da Real nas proximidades do Galeão. Inclusive o que restou da aeronave ficou exposto muito tempo lá, na beira da estrada do galeão, chocando a todos nós. Tambem vivi cenas terriveis com partes dos corpos das vitimas - o aviao caiu no mar - dando na praia. Ficou tudo gravado - era menino, mas nunca esqueci.

Um dos e-mails foi de Joaquim Pinheiro Bezerra de Menezes, economista do Banco Central, que mora em Recife. Cratense apaixonado, tem uma relação física com a cidade muito superior à minha, uma memória de fazer inveja aos nossos cansados neurônios. Aliás, para desespero ou alegria do Valdir que deseja postagens sobre problemas reais e soluções reais, sugiro ao Dihelson que convide o Joaquim para escrever para o Blog. Como desespero poderá nos brindar com sua fabulosa memória e os fatos e eventos do Crato ao longo do tempo e como alegria fazer boas análises de conjuntura da realidade regional e local.

Então o Joaquim deu respostas para minhas falhas de memória a respeito da pessoa do Cariri que teria morrido no avião acidentado sobre a Baia da Guanabara. Li seu texto no blog do Crato, hoje a tarde. Não sei como escrever para o blog, mas escrevo, ou melhor, teclo agora. O comerciante a que vc se refere era de Juazeiro, chamava-se Felipe Nery. Era Dono da rede Texaco no Cariri e tinha outras atividades, inclusive a representação da Taurus no Ceará. Por sinal a viagem fatal foi motivada por chamado desta empresa, reunião com vendedores, esta coisa. Uma curiosidade: ele tinha pressa em voltar por conta do aniversário de 15 anos de uma de suas filhas, marcado antes da convocação da tal convenção. Para retornar, só conseguiu passagem em um avião que embarcaria tarde e não pegaria conexão para o nordeste. No aeroporto, trocou o bilhete com um passageiro do primeiro avião e embarcou logo, exatamente no avião sinistrado. Seu nome não constava na lista de passageiros. A família só descobriu no dia seguinte. Tenho minhas dúvidas, mas penso que neste acidente morreu também o 1º marido de Marta Rocha, o Argentino Álvaro Piano. Outra dúvida é sobre o ano final da Real. Creio que foi depois do golpe de 64 e com a ajuda de C. Branco.

Levantei os dados e não pude concluir a respeito da marido da Marta Rocha. Primeiro se diz que ele morreu de volta para a Argentina, num acidente já em território daquele país. De qualquer modo o ano da morte foi entre 1960 e 1961 e bem poderia ter sido o tal avião da Real. Mas neste esforço de pesquisa encontrei algumas notícias do tempo. A Marta Rocha foi miss Brasil e perdeu o título de miss Universo por alguns centímetros nos quadris, apesar de ser a preferida do público americano e de várias revistas da época de ouro daqueles concursos. A Marta virou uma grande celebridade na década de 50 e depois perdurou sua inserção na alta sociedade carioca, era rica, morava na Avenida Atlântica em Copacabana e lá reunia a elite. Ela teve mais de um casamento e o Álvaro Piano era um banqueiro de origem portuguesa e vivendo na Argentina. O casal Marta e Álvaro morava vizinho aos Perón. Na década de 90 ou início dos anos dois mil, o cunhado da Marta faliu com a Casa Piano (acho que uma corretora mobiliária e de câmbio) e levou junto todas as economias da Marta. Hoje ela mora num pequeno apartamento numa rua secundária de copacabana.

A respeito do fim da Real. Não tenho a data precisa da negociação de venda dela, mas foi rápido e ela não chegou a comemorar o 15º aniversário. Então o seu final pode ter sido tanto em 1960 quanto 1961, o mais provável que tenha sido em 61 já no breve período do governo Jânio Quadros. A companhia que foi golpeada no período militar foi a PANAIR e até hoje é objeto de análises e interpretações de natureza de conto policial ou político

MOSTRA DESUSA TRAZ CONVERSA SOBRE VÍDEO-ARTE

A conversa sobre videoarte trata-se de uma discussão sobre o dispositivo e a imagem, o vídeo como linguagem subjetiva através da arte e do olhar. O gesto da tomada, o ato em si, o vídeo, a televisão como máquina que expõe essas imagens, a subjetividade.O videoarte é uma forma de expressão artística onde o vídeo é o dispositivo principal para exibição, posso dizer que se trata de uma linguagem entre esse dispositivo e a relação entre imagem e espectador.Surgiu na década de 60, onde artistas saiam do olhar comercial para criação de idéias e diziam estar criando uma "contra-televisão" e suprir às suas descobertas artísticas.O mundo urbano, a tecnologia, a busca por novos ideais, novos olhares sobre as imagens, surgem para um ato investigativo, para uma nova modalidade do movimento das imagens e o espaço em que está inserido.


VIDEOARTE IMAGENS E DISPOSITIVO
No dia 22, às 19 horas, no Centro Cultural do Banco do Nordeste - em Juazeiro do Norte. MINISTRANTE NÍVIA UCHÔA - FOTÓGRAFA

Fotos do dia e Previsão do Tempo

.

Acima: Foto do Café Estação, um dos pontos de encontro da Sociedade Cratense.


Acima: Foto da Av. Duque de Caxias, com asfalto totalmente recuperado no plano que a prefeitura do Crato chama de "renovação da malha asfáltica da cidade".

Previsão do Tempo: ( clique na foto para ampliar )


Fotos: Dihelson Mendonça
.

Pesquisadora descobre tribo em Crato - Hoje no DN

Dia do índio

Clique para Ampliar

Comunidade Cariri mantém os mesmos hábitos de seus antepassados. Vivem da pesca e da agricultura de subsistência e fabricam cestos, balaios e utensílios de barros. Uma forma de manter a tradição viva (Foto: Antônio Vicelmo)

Clique para Ampliar

Nilza Cariri, com 72 anos, é a integrante mais idosa da tribo. Ela conta histórias antigas dos indígenas

Clique para Ampliar

Pesquisadora Rosi Mary Araújo, índia Cariri, realiza estudo histórico sobre as origens dos índios da região

Professora Rosi Mary descobriu uma tribo com sobrenome Cariri. A comunidade é formada por 70 pessoas

Crato. Trezentos anos depois da chegada dos primeiros colonizadores no Sul do Estado, restam poucas informações sobre os índios Cariris, primeiros habitantes da região. A presença dos nativos foi parcialmente esquecida pelos historiadores oficiais. A memória dos Cariris foi apagada pelo tempo. A igreja da Sé, por exemplo, foi construída em cima de um cemitério indígena num desrespeito contra um direito de todas as sociedades humanas. A prerrogativa de enterrar, com dignidade, seus entes queridos.

Hoje, quando se comemora o Dia do Índio, os pesquisadores correm atrás do prejuízo histórico. A professora e ambientalista Rosi Mary de Araújo descobriu no Sítio Poço Danta, a 25 quilômetros do Crato, uma tribo indígena que tem o sobrenome Cariri. A comunidade, formada por cerca de 70 pessoas, ainda mantém os mesmos hábitos de seus antepassados. Vivem da pesca e da agricultura de subsistência. Fabricam cestos, balaios e utensílios de barros. O milho continua como a base da alimentação.

Tradição

Utilizam ervas para curar as doenças e ainda praticam rituais de pajelança, uma forma de reza que é exercida por Vânia Cariri, numa pequena casa de oração, onde são encontrados santos da igreja católica, candidato o santo, como Padre Cícero, personagens do candomblé e entidades indígenas. O sincretismo religioso é respeitado por todos os integrantes da comunidade.

Este ano, o grupo conseguiu uma escola municipal. É a “Escola Indígena Cariri Luiz Felipe da Silva Cariri”. Que tem como professora uma integrante da comunidade, Débora Avelino, conhecida por “Gasula”. Na pequena casa, mantida pela prefeitura do Crato, alunos na faixa etária de 10 a 70 anos aprendem, além das primeiras letras, lições de ecologia e a história dos índios Cariris.

Com 72 anos, cabelos brancos, a mais velha moradora da comunidade, Nilza Cariri, conta que sua avó pegou o “dente de cachorro” nas matas da região e foi trazida por um rico proprietário rural para o Sítio Poço Danta. O proprietário fez questão de registrar os índios que trabalhavam com ele com o sobrenome Cariri.

História dos Cariris

Os índios Cariris eram originários da Ásia e chegaram ao novo mundo pelos rios Amazonas e Tocantins. Dois tipos étnicos chegaram à América no período neolítico: os Sudésticos e os Brasilídios, a procura de um lugar que lhes dessem melhores condições de vida. Alguns prosseguiram a sua migração que só foram detidos pelas águas caudais do Rio São Francisco, difícil de serem transpostas e então asenhoraram-se da vasta região que compreende este rio. Uma dessas tribos foi a nação Cariri que chegou ao sul do Ceará nos séculos IX e X da era Cristã em busca de terras férteis, úmidas, quentes e de fácil plantio, de onde pudesse retirar o sustento da família e, conseqüentemente, melhorar a qualidade de vida dos integrantes da tribo.

Encontraram no Cariri, mais precisamente no Crato, o ambiente propício às suas aspirações; com suas fontes e riquezas naturais a região propiciou-lhes uma vida fácil e primitiva, retirando da natureza, em abundância, uma diversidade de alimentos como macaúba, babaçu, piqui e araçá, dentre outros da cultura indígena.

Cultura

Dedicaram-se, ainda, ao plantio da mandioca, do milho e do algodão. A caça e a pesca farta nas matas e rios fazia do ambiente um verdadeiro paraíso tropical onde suas famílias puderam viver em paz durante muito tempo. A vida na tribo era tranqüila. Suas residências eram construídas com a palha da palmeira. Usavam utensílios feitos de forma artesanal como cabaças, cuias e coités. Fabricavam diversos utensílios domésticos.

Dentre eles destacamos o pilão de socar, a arupemba, o abano, esteiras de palha de palmeira e artigos feitos em cerâmica como vasos, pratos e panelas onde podiam fazer seus cozidos provenientes da farinha de mandioca (produzida em estilo rudimentar, em casas de farinhas primitivas) e do milho. O beiju, a tapioca, a puba, a canjica, o cuscuz e muitas outras receitas nutritivas vieram dos nossos antepassados indígenas. A maioria destes costumes foram e continuam úteis às comunidades atuais.

FIQUE POR DENTRO

Pedras de fogo são superstição sobre a tribo

Conta à superstição que as pedras de fogo que caíam do céu (os meteoritos) traziam desgraça, provocavam incêndio na mata e rachaduras nas árvores, colocando muito medo nas pessoas. Quem encontrasse uma pedra dessas deveria dirigir-se à beira do rio ou da mata, dar as costas e atirar a pedra para trás, retirando-se do local sem voltar para observar onde cairia a pedra. Guardar a pedra em casa era atrair raios em dias de chuva. Acontece que esses meteoritos são parecidos com artefatos indígenas, às machadinhas, e na dúvida o comportamento de quem as encontrava era o mesmo, atirar no rio ou na mata. Na maior parte das vezes, eram artefatos que iam parar no fundo do rio, e não os meteoritos. Com isso, um rico material sobre a história desses índios ficou no fundo dos rios, e raramente são encontrados.

IDENTIDADE

Professora estuda origens do grupo

Crato. “A construção da identidade de um povo tem como base sua história. Por isso, a história do Brasil e, particularmente, a história do Cariri passa pela cultura indígena”. A observação é da professora Rosi Mary Araújo, uma índia Cariri, que montou a sua taba de índios em Crato com o objetivo de aprofundar as pesquisas sobre suas origens. Rosi não aceita o rótulo de descendente de índio. “Eu sou uma índia Cariri”, afirma com orgulho.

Nascida no Sítio Carnaúba, município de São Benedito, Rosi cresceu ouvindo histórias indígenas contadas por seus pais e avós. Descobriu que suas origens estão no Crato de onde os índios Cariris emigraram, por volta de 1730, quando chegaram os primeiros colonizadores e se espelharam por todo o Nordeste. Dois núcleos dos Cariris ainda hoje resistem em Crateús e São Benedito. O mais significativo deles está em Crato, agora identificado pela professora Rosi.

Informação

A pesquisadora lamenta as poucas informações sobre os Cariris. Esqueceram a grande contribuição que o negro e o índio deram para o desenvolvimento do Brasil. Essa história, segundo Rosi, foi reduzida a quase nada. Ficaram apenas peças soltas. O índio é visto muito mais como figura folclórica, objeto e não como ser humana. Além disso, pessoas encontram diversos utensílios pertencentes aos índios.

O carroceiro Leônidas Bezerra da Silva passou mais de três anos com uma pedra guardada em casa na certeza de que se tratava de uma “pedra de corisco”, jogada na terra durante uma noite de relâmpagos e trovões. A pedra foi encontrada no bairro Batateira, num terreno de Maria Muniz. O carroceiro estava retirando barro para uma construção, quando a picareta bateu na pedra, provocando centelhas de fogo.

No mês passado, Leônidas procurou o Diário do Nordeste para entregar a pedra que foi levada para o Departamento de Produção Mineral (DNPM) a fim de ser identificada. Os geólogos Bendimar Filgueiras e Artur Andrade identificaram a pedra como uma machadinha feita de granito.

ANTÔNIO VICELMO
Repórter


Mais informações:
Telefones: (88) 9239-2046
(88) 3513-4401

Fonte: Jornal Diário do Nordeste
.

Carta da Leitora: Cristine Duarte achou uma baixaria contra o Prof. Darlan !!

Olá, Amigos,

Comunico que recebi ontem uma mensagem deixada na caixa postal do BLOG DO CRATO, fone ( 088 ) - 3523-2272 de uma Senhora chamada Cristine ou Cristina Duarte e que resumindo as palavras dela: "que achou uma baixaria e picuinhas o tópico que envolve o Prof. Darlan, que é um bom professor e que segundo ela, o Blog do Crato, que é um site conceituado não deve entrar nesses aspectos e picuinhas da URCA, e se diz decepcionada com o Blog por abordar isso".

Vou Responder a essa Carta:

Senhora Cristine Duarte, não sei se a Senhora é internauta recente, ou se já acessa internet há muito tempo. Eu pelo menos a acesso há 16 anos e já muita coisa. Vi surgirem as grandes empresas, os grandes sites que hoje tomam conta da internet, e já participei de inúmeros fóruns de debates acalorados onde brigas e discussões são coisas comuns. O Blog do crato não é diferente, é essencialmente um FÓRUM DE DEBATES onde temos cerca de 45 ( deixa eu explicar direito:

-------- 45 Autores -------

Quarenta e cinco escritores ( autores ) que escrevem aqui e que se responsabilizam pelo que escrevem. Muita gente pensa que eu, Dihelson Mendonça seria quem escreve os artigos. pelo contrário, eu apenas redijo alguns e tomo conta do layout do Blog. Veja que CADA postagem está escrito: POR FULANO, POR BELTRANO, POR CICLANO. Então eu quero lhe dizer que quem escreveu a mensagem sobre o Prof. Darlan, foi um jornalista cratense chamado Tarso Araújo, que é membro do Blog ( Autor ), e como autor, ele tem plenos direitos sobre o que escrever e se responsabilizar pelo que é publicado. Se a Senhora tem alguma coisa contra o artigo, recorra ao AUTOR do Artigo, Jornalista Tarso Araújo.

Por outro lado, o Prof. Darlan está sempre em contato comigo via e-mail, e ontem mesmo eu ia publicar uma carta por ele endereçada a mim, mas que ele achou depois desnecessário, porque essa rixa com o Tarso Araújo e a Urca já é antiga. Então, quero dizer pelo lado do Darlan, que aqui no Blog do Crato, não se quer tomar ninguém para cristo, e que o prof. Darlan está tão em contato comigo quanto o Tarso Araújo. Nenhuma parcialidade.

Por outro lado, gostaria de frisar que por conta dessa polêmica gerada pela postagem do Tarso Araújo sobre possíveis perseguições dentro da UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI - URCA, e isso é uma denúncia GRAVE, eu, Dihelson Mendonça, de forma independente do Tarso Araújo, estou seriamente disposto a investigar o que de fato está acontecendo dentro daquela entidade. Tenho recebido mensagens de pessoas que se dizem perseguidas dentro da URCA e de pessoas que foram forçadas a pedir demissão. Creio que o caso não se trata de baixaria gerada pelo Blog, e sim de possível baixaria que está há muito tempo acontecendo nos bastidores da URCA com perseguições aos que faziam parte da gestão anterior, e se isso for mesmo verdade, a Sra. há de convir que esses casos devem ser muito bem apurados e levados a público, a Senhora não acha ?

Não defendo nenhum dos lados, Dna. Cristine. Defendo a apuração dos fatos e a verdade. E a verdade pode estar no meio do caminho. Então, lhe peço que antes de criticar o Blog como um todo por publicar um determinado artigo, analise quem foi que publicou e a responsabilidade de quem publica. O Blog do crato não se responsabiliza ( e isso é uma cláusula inicial ), por qualquer artigo escrito por um autor. Cada autor assume o que escreve.

Mas fique sabendo de uma coisa: O Blog do crato não vai esconder o lixo de ninguém pra debaixo do tapete. Se a Sra. quiser entrar em contato comigo e conversar via e-mail, o contato é o seguinte: blogdocrato@hotmail.com
Uma coisa não aceitarei: que me peçam para esconder sujeira, se essa existir. Não farei.

Atenciosamente,

Dihelson Mendonça
Blog do Crato.
.

19 de Abril - Dia do Mestre Elói ! - Por: Cacá Araújo.


Eloi Teles de Morais, Mestre Eloi ou “Seu Elóia”,
estaria completando, na data de hoje, 72 anos de idade.

Deve ter sido um menino como muitos:
de brincar de bila, peteca, triângulo, futebol,
fazer danação, estudar,
cair, chorar,
levar carão, croque, cascudo...

Deve ter sido um adolescente como tantos:
de se perfumar,
ir ao cinema,
paquerar,
se apaixonar,
namorar...

Mas foi um homem como poucos:
marido amoroso,
pai dedicado,
profissional exemplar,
amigo sincero,
político coerente,
folclorista brigante em favor da cultura popular,
da história e das verdadeiras raízes do povo,
poeta embevecido de sertão e desejoso de ver a emancipação
e a felicidade dos desvalidos...

Sua voz brejeira e jeito sertanejo
expressavam a ética e a poética do homem Cariri...

Sua palavra camarada, indômita e guerreira
representava a valentia, a força e a ousadia dos amantes da liberdade!

Era branco, era negro, era índio...

Mestre Eloi era uma vastidão
habitando uma alma bela e iluminada

Sua partida desta que chamamos vida
foi o mote do cordel desavisado
que lhe elevou à condição de mito e herói...
...Fonte de inspiração permanente e imortal!

Hoje é Dia do Mestre Eloi!

Crato-CE, 19 de abril do ano 2008.

Prof. Cacá Araújo
Dramaturgo e Folclorista
Presidente da Fundação do Folclore Mestre Eloi