02 dezembro 2008

EDUCAÇÃO É PRIORIDADE? SER OU NÃO SER PROFESSOR... EIS A QUESTÃO.

O principal agente formador e transformador da sociedade é o professor. Desnecessário dizer da importância desse profissional para o crescimento de uma nação. Sem uma Educação sólida, que valorize o professor, nunca seremos um país economicamente forte e socialmente justo. No Brasil estamos muito longe de atingir esse patamar. E pelo andar da carruagem muitas luas inda passarão. Vejamos os dados seguintes.
O salário médio do professor brasileiro em início de carreira é o terceiro mais baixo em um total de 38 países desenvolvidos e em desenvolvimento comparados em um estudo da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). Segundo o estudo, apenas Peru e Indonésia pagam salários menores aos seus professores.
Para chegar a esses valores a Unesco utilizou dados relativos ao ano de 1999. Os valores foram calculados em dólares americanos considerando o PPP (sigla em inglês para poder de paridade de compra). Esse indicador leva em conta o custo de vida em cada país. Por isso, o salário em dólar de um professor, segundo o estudo, não pode simplesmente ser convertido para real com base na cotação oficial.
"A formação dos educadores é praticamente feita por eles mesmos. Quem ganha tem de assumir até três empregos e não pode se dedicar. Há relação direta entre salário do professor e desempenho dos alunos", diz Juçara Dutra Vieira, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação. Em São Paulo o acúmulo de aulas em escolas públicas chega a 64 aulas semanais.
No caso da relação aluno/professor, o estudo citou também dados de países muito pobres. Em alguns deles, como Congo, Moçambique e Senegal, a relação chega a 70 alunos para cada professor.
Os autores do estudo citam como um problema comum em quase todos os países o aumento da relação aluno/professor em sala de aula. Esse e outros fatores, segundo a Unesco, contribuem para a decadência das condições de trabalho e desestimula a formação de novos professores.
Se continuarmos a tratar o PROFESSOR da mesma maneira como historicamente ele vem sendo tratado em nosso país, a tendência da profissão será se tornar cada vez menos atrativa. HOJE... o que nos motiva a ser professor? Dom, quem sabe? Necessidade? Talvez. Paixão? Sofrida.
Será que esse país um dia valorizará o PROFESSOR como ele merece? EIS A QUESTÃO.

Walkneide Lucena.

5 comentários:

  1. Neide Lucena.

    Tenho acompanhado a luta do Senador Cristovam Buarque no Congresso no sentido de aprovar leis que melhorem as condições dos professores e em consequencia do ensino. O piso salarial por exemplo já não atende porem o Governador do Ceara entrou no STF contra a propria lei alegando falta de recursos. Recursos existem para comprar 18 torneiras por 45.000.00, Alugar avião para passeiar com a sogra por 380.000.00 etc. O que não há é vontade para priorizar a educação por que povo educado é bem mais dificil de ser enrolado.

    ResponderExcluir
  2. Prezada amiga Walkneide
    Parabéns por esse texto tão oportuno. Realmente, enquanto o professor não for valorizado não se pode obter qualidade de ensino. Mas alguns passos, ainda que trôpegos, já começam a ser dados. Como a implantação do piso salarial tão contestado pelos políticos neoliberais, adeptos do Estado mínimo e das privatização muitos setores que competem ao estado.

    ResponderExcluir
  3. Prezada Profa. Neide Lucena

    Estamos vivendo dias de muitas insatisfações pela forma como o atual governo trata os professores. Leia o diálogo de hoje, 03/12, entre dois eminentes professosres universitários, que têm lutado, junto a tantos outros, pela reimplantação do piso salarial:
    "Caro Telmo:
    Veja como as coisas são. A PGE que nos trata tão indiferentemente vai fazer a defesa da constitucionalidade da lei do Cid dos super salários do pessoal da Sefaz já contestada pelo TCE. É como o colega Mourão diz: dois pesos, duas medidas.
    Arnoldo"

    Ao que o prof. Telmo responde:

    "É revoltante saber que o governo sempre usa dois pesos e duas medidas. Não é só no caso citado. Não cumpre decisão do Supremo Tribunal Federal que nos deu ganho de causa e, ipso facto, determinou a reimplantação do PISO SALARIAL. Usa para isso todos os meios disponíveis, sejam éticos ou não. Quanta manifestação de sadismo contra professores que dipenderam boa parte de sua vida trabalhando para formar cidadãos, inclusive governantes sérios e dignos.Que vergonha!
    Esse mesmo governo recorre ao Supremo Tribunal Federal, associado à sra. Yeda Crusis para impedir a aplicação da lei do piso salarial dos professores do ensino fundamental e médio. Incoerência. Afronta a Corte Suprema ao descumprir suas determinações e a ela recorre para que a mesma acoberte uma ilegalidade: o descumprimento de uma lei recém-aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo exmo. Sr. Presidente da República que é apoiado políticamente pelo governador."

    Fonte: www.pisosalarial.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Prezado Amigo Zé Newton
    Acho que esse governador pensa que o piso salarial dos professores é uma grande pisada na unha encravada do dedão do nosso pé. Implanta um PCCS com opção de desligamento para que recebamos menos, além do mais suprimindo conquistas de anos de lutas como a gratificação de Regência de Classe. É ou não um governo "neoliberal"?

    ResponderExcluir
  5. Todos vocês estão cobertos de razão em tudo que falaram, mais tem um velho ditado que diz:"Não tem coisa melhor que um dia atrás do outro e uma noite no meio pra atrapalhar". O nosso governador vai precisar de votos, muitos votos.Só espero que esse episódio fique na lembrança de todos,que assim como eu jamais esquecerei a problemática do nosso PISO SALARIAL.
    Agradeço a todos que estão solidários a nossa classe.

    Walkneide.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.