15 novembro 2008

Vem aí, finalmente o município de Crajubar ??


Região Metropolitana na área do “Crajubar”

Clique para Ampliar

A Região do Cariri terá o município de Juazeiro do Norte como cidade-pólo (Foto: ANTÔNIO VICELMO)

Clique para Ampliar

Clique para Ampliar

Cristo Redentor na cidade do Crato, que também integrará a Região Metropolitana

O desenvolvimento regional do Cariri estará consolidado com a criação de sua Região Metropolitana

Crato. Com uma população de cerca de 500 mil habitantes, as cidades de Crato, Juazeiro e Barbalha, que formam o chamado “Triângulo Crajubar”, deve ser transformada em Região Metropolitana. O prefeito eleito de Barbalha, José Leite Cruz, é um dos defensores da idéia, que já tem proposta na Assembléia Legislativa do Ceará, encaminhada pela Secretaria das Cidades.

Formado em Ciências Econômicas, ex-gerente do Banco do Brasil, com passagens pela superintendência da instituição, José Leite assume a Prefeitura de Barbalha com uma visão técnica do Cariri. Ele destaca que os processos de integração constituem opção para consolidar o mercado regional, integrar as cadeias produtivas, impulsionar a competitividade das empresas, promover o intercâmbio de conhecimento tecnológico e científico e conquistar uma melhor inserção na economia estadual.

“Além disso, a integração fortalece a capacidade de negociação e constitui um valioso instrumento para o nosso desenvolvimento econômico e social”, afirma José Leite, acrescentando que tem conversado com os prefeitos Manoel Santana, eleito em Juazeiro do Norte, e Samuel Araripe, reeleito no Crato. Segundo ele, ambos têm demonstrado interesse no processo da segunda integração regional do Estado — atualmente existe apenas a Região Metropolitana de Fortaleza, integrada por 13 cidades: Caucaia, Maracanaú, Maranguape, Itaitinga, Horizonte, Eusébio, São Gonçalo do Amarante, Pacatuba, Guaiúba, Aquiraz, Pacajus, Chorozinho, além de Fortaleza.

Turismo regional
Um exemplo da necessidade dessa integração, segundo José Leite, é a instalação do aterro sanitário para atender aos três municípios da região do Crajubar. O prefeito eleito de Barbalha apresenta também como argumento o turismo regional que deve ser explorado de forma integral. O prefeito mostrou a importância do trem do Cariri que interligará Crato e Juazeiro. Numa segunda etapa, conforme acredita, Barbalha e Missão Velha poderão ser incluídos no projeto.

“Com isso, haverá uma ligação com a Ferrovia Transnordestina, o que vai facilitar o transporte da nossa cadeia produtiva”, afirma ele. José Leite lembrou que, brevemente, será construído o prédio da Ceasa, em Barbalha, que funcionará como entreposto de abastecimento de hortifrutigranjeiros para todo o Cariri. O novo prefeito também defende a revitalização da Usina Manoel Costa Filho e a Usina de Etanol, que será instalada em Barbalha.

A idéia de criação da Região Metropolitana do Cariri não é nova. O secretário estadual das Cidades, Joaquim Cartaxo, entregou na Assembléia Legislativa um conjunto de proposituras que tem como destaque a que sugere a criação da Região Metropolitana do Cariri.

De acordo com Cartaxo, a Região Metropolitana do Cariri terá Juazeiro do Norte como cidade-pólo e será regulamentada posteriormente por Lei Complementar, que definirá quais municípios farão parte dela. “Acreditamos que a Região Metropolitana representará um novo foco de desenvolvimento capaz de atrair atividades econômicas”.

“É importante dizer que hoje a região do Cariri já é maior em termos de população e desenvolvimento do que a Região Metropolitana de Fortaleza, na época em que ela foi criada, nos anos 70”, destacou o secretário Joaquim Cartaxo.

Agrolomerações urbanas
Uma região metropolitana é um grande centro populacional, que consiste em uma (ou, às vezes, duas ou até mais) grande cidade central (uma metrópole), e sua zona adjacente de influência. Geralmente, regiões metropolitanas formam aglomerações urbanas, uma grande área urbanizada formada pela cidade núcleo e cidades adjacentes, formando uma conurbação. Por exemplo, São Paulo é uma cidade central, com Guarulhos, Osasco e outras cidades adjacentes sendo cidades vizinhas de São Paulo, juntas formando uma conurbação — esse fenômeno é caracterizado pela ligação física entre as cidades, devido à sua expansão geográfica.

Porém, uma região metropolitana não precisa ser obrigatoriamente formada por uma única área contígua urbanizada, podendo designar uma região com duas ou mais áreas urbanizadas intercaladas com áreas rurais.

ANTÔNIO VICELMO
Repórter


INTEGRAÇÃO
"A integração fortalece a capacidade de negociação e promove o desenvolvimento".
José Leite
Prefeito de Barbalha

Mais informações:
Prefeitura Municipal de Barbalha
Rua Princesa Isabel, 187, Centro
(88) 3532.1188
(88) 3532.1640
Fax: (88) 3532.1188

Reportagem: Antonio Vicelmo
Fonte: Jornal Diário do Nordeste

9 comentários:

  1. Bem, se a pessoa olhar somente pelas fotos postadas no texto há de pensar que o desenvolvimento do CRAJUBAR se dá na construção de estátuas, porque ta aí, uma coisa que tem muito é estátua religiosa aqui no Cariri, e ainda vem mais, com a Santa do Deputado Ely Aguiar...

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. Dihelson.
    O amigo estar coberto de razão. Sabemos que a base de sustentação econômica de Juazeiro do Norte é o comercio e a industria. Não se vê o poder publico fazer grandes investimentos no setor. Há dois anos, para agradar a igreja, os governantes gastaram 11 milhões de reais na construção do Luzeiro, esta “Nave” cercada de mato e rodeada de animais pastando. Ninguém tem a coragem de falar nada. Com este dinheiro quantas escolas e hospitais poderiam ter sido feitos? Você tem duvida que estas obras próximo da matriz serão construídas antes do que o Hospital Regional? E qual o mais importante para o Povo?

    ResponderExcluir
  3. Pessoal, o negócio é mais sério e precupante do que nós imaginamos. Quando se coloca a cidade do Juazeiro como pólo, se entende como metrópole, ou seja, a cidade qie irá consentrar os melhores equipamentos e serviços urbanos da região em detrimentos das demais. Analisemos o caso de Fortaleza, ela cresceu e as demais vivem em função dela.É isso que queremos para o Crato ?

    Se fizermos uma breve análise da situação econômica do Juazeiro poderemos entender a manobra. Nos últimos anos o comércio do Juazeiro perdeu boa parte dos seus clientes pois se analizarmos hoje as grandes lojas que existem no Juazeiro existem também no Crato e logo, logo em Barbalha, os consumidores que viam do Pernambuco via Chapada não passam mais para o Juazeiro ficam no Crato, a não ser quem for comprar Estátuas, santinhos e velas, pois os produtos "sofisticados" temso aqui também. Resumindo o Juazeiro esta ficando isolado, dai a idéia da rodovia Padre Cícero para ver se voltama ter os consumidores de Várzea Alegre, Lavras, etc. Agoram se consentrarem os melhores Serviços (saúde, educação, entreterimento e públicos)não dara outra se invertera o processo de conurbação e teremos uma aglomeração como em Fortaleza, ou seja Juazeiro aglomerados os demais municípios, o que não é bom para ninguém, o ideal e termos as cidades do Cariri crescendo respeitando a autonomia das outras.

    Saudações Geopolíticas!
    João Ludgero

    ResponderExcluir
  4. Este é um tema que há muito vem sendo debatido. Lembro que a ex-deputada Íris Tavares durante o seu mandato parlamentar (2003-2006) tocou neste assunto. Pelo projeto dela a região seria denominada "Região Cicerometropolitana", numa homenagem ao grande homem que foi o Pe. Cícero. Compreendo que este tema é bastante delicado e por isso deve ser abordado pelo conjunto da sociedade. Não devendo ficar apenas sob a égide dos políticos. Deixemos a bairrismo de lado e criemos um espaço amplo e democrático para o debate. Nunca é demais lembrar que "a união faz a força". A região poderá se fortalecer, o que beneficiará a todos. Valdetário.

    ResponderExcluir
  5. A Região do Cariri vai ter uma ótima oportunidade para debater esse tema primordial, para todos os municípios, e suas abrangências.
    O amadurecimento das idéias, e a sua discussão, é um ponto de partida para que as pequenas cabeças saiam do seu torpor, e ganhem os espaços necessários aos avanços desejados.
    O Crato tem todos os méritos para se tornar a vitrine de um novo tempo. Cabe a cada um pensar grande, e coletivamente,e acreditar
    que a procura por esse espaço, está na capacidade e na criatividade dos seus debatedores.
    Barbalha saiu na frente.
    Parabéns José Leite, política se faz com a discussão de idéias, e de projetos.

    ResponderExcluir
  6. Esse assunto vira e mexe é puxado principalmente por políticos neófitos. Já aconteceu, de 1983 a 1986, uma intervenção do Estado com a proposta de criação do Aglomerado Urbano Crajubar. Com Recursos do Banco Mundial, via Ministério do Interior, com a interveniência da Sudene e coordenado pelo ex Seplan, foram feitos estudos para criar a área do aglomerado, estimulando principalmente as funções complementares nas três cidades. Cada cidade manteria suas características específicas e o espaço seria comum em serviços à população. Isto evitaria o desperdício de recursos públicos na implementação de equipamementos sociais. Tinha uma coisa interessante, que era esta das funções complementares ao desenvolvimento regional. Exemplo: a função de Barbalha sendo industrial, se voltaria para esta atividade em termos de recursos etc. O mesmo com Juazeiro, com sua função comercial e turístico-religiosa. Em Crato, a educação seria estimulada com a criação de mais cursos e universidades.Isto tudo passou. Fui testemunho do projeto pois nele trabalhei do início, 1983 a seu fim inglório, em 1986.Hoje se tedencia para outros arranjos. Mas é preciso se dizer o que fazer, quem vai fazer e principalmente quem vai bancar, e se é isto mesmo que a população quer. O Dr. Valdetário, sempre muito correto e que nos mostra um pensamento político amadurecido e responsável, deu o mote. É preciso muito debate. Todos os interesses estão em jogo, principalmente os culturais.
    Mas, como muita coisa por aqui acaba na brincadeira, perguntado ao grande jornalista e escritor J. Lindemberg de Aquino, na ocasião, sobre o Projeto Crajubar, ele disse:
    - Tenho pra mim que se pensam em alargar o projeto para os municípios de Missão Velha e Jardim, vai haver problema com a sigla: em vez de Crajubar, vai ter que se chamar CRAJUBARMIJAR.

    Zé Nilton

    ResponderExcluir
  7. Realmente o comércio do Crato tem apresentado uma melhora muito sígnificativa. Mas observamos que isto se deu por uma invasão de grandes redes comerciais de fora. Se por um lado é bom para os consumidores, houve um recuo muito grande das empresas genuinamente cratenses. Boas lojas que existiam há cerca de vinte anos, como FC Pierre, Stuart, Cantina do Oliveira, Azteca e outras mais desapareceram. Quanto a formar uma Região Metropolitana, corremos o risco de que a coisa se enverede pelo caminho que o João Ludgero teme. Acho também precipitada a criação de uma Região Metropolitana, enquanto o Crato e Barbalha não possuírem uma representação política nas câmaras legislativas estadual e federal em igualdade com o Juazeiro. Insisto que devemos esclarecer o eleitor cratense a fortalecer essa representação política votando em candidatos a deputados da nossa terra e elegendo realmente um nome que seja um consenso natural entre os partidos políticos e os eleitores. Enquanto os cratenses continuarem votando em candidatos a deputados de fora não poderão reclamar as sucessivas perdas que contabilizam. Votos para tanto, o Crato possui.

    ResponderExcluir
  8. Pessoal:
    Sejamos realistas!
    É inevitável que o Crajubar se torne uma região metropolitana...
    O crescimento demográfico e econômico das 3 cidades continuará. Não vai parar...
    Existem duas correntes que se destacam na elite pensante: os que acham que a globalização é algo criado pelos países ricos, americanos, europeus e japoneses (G7), como forma de explorar os países mais pobres (vide a linha editorial das revistas "Carta Capital" e "Caros amigos") e os que consideram a tecnologia como responsável pela atual globalização.
    Tem jeito de acabar com a tecnologia?
    O Crajubar, como região metropolitana, somente trará benefícios para todos.
    Veja o caso do comércio do Crato. Ele, inegavelmente, vem crescendo. e se alguns empresários da Cidade de Frei Carlos não souberam acompanhar o bonde da história, restou darem lugar aos que se adaptaram aos novos tempos. É o caso da Farmácia Pague Menos, Supermercado São Luís, Lojas Americanas, Liliani, Macavi, Rabelo, Casa Maia, para citar apenas essas...
    E tá todo mundo lá (os "puros" da "esquerda" e os "desumanos" da direita) fazendo suas comprinhas
    nesses estabelecimentos que inclui as duas novas "Lojas Azteca", ambas na Rua João Pessoa, devidamente computarizadas. Como os novos tempos exigem...

    ResponderExcluir
  9. O Armando Rafael disse tudo.
    Vejo nos meus sonhos além do desenvolvimento rápido, a ligação com boas estradas, de Assaré, Nova Olinda, Altaneira,Farias Brito, Várzea Alegre,Caririaçú, Juazeiro,nessa nova rota turística, e também como fomentadora de novos horizontes para os nossos jovens.
    Essa facilidade de comunicação entre as comunidades,cria uma centena de novas tendências de desenvolvimento regional, sem falar nas oportunidades localizadas.
    Precisamos sair rápido do casulo, e ver que o nosso tempo é curto, para curtirmos esse nosso Cariri Pai d 'Égua.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.