14 novembro 2008

UM POSTE QUE DAR CHOQUES


Qual o significado de um poste que dar choques? Choque elétrico. Ninguém em sã consciência tentaria uma resposta a isso. Menos ainda quem de repente começa uma leitura assim. Então mais um elemento: fica na praça, um poste que dar choque. Aí alguém dirá da segurança pública, do desleixo do governo, dos perigos da eletricidade. E se isso ocorreu num período em que a eletricidade ainda se universalizava e a maior parte das pessoas moravam em casas sem esta energia, mais perigos se via. Afinal esta coisa feroz que ainda hoje nos é desconhecida, mas fantasiosa era então: um servente do Colégio Diocesano, ainda jovem, morreu eletrocutado por uma simples enceradeira. Eletricidade é uma ameaça incontrolável de repente pode deixar alguém noutra dimensão.

Então na praça havia um poste que dava choque. Isso já sabemos, mas agora vou completar. Os rapazes na juntada das noites namoradeiras, enquanto as meninas volteavam a Siqueira Campos. Ficava em fila lateral de mãos dadas para, na hora que alguém passasse, o que ficasse mais próximo do poste pegasse no mesmo e assim a corrente de eletricidade circulasse até o último que recebia o raio do imprevisto. De vez em quando a deselegância atingia a orelha de alguma donzela no flutuar redondo da praça.

Agora cabe a pergunta inicial. Seria um senso coletivo de sado-masoquismo? É uma resposta bem óbvia, tipicamente teórica. Afinal o elemento surpresa era o fato central. Então seria apenas sádico. Menos ainda, pois o sadismo coletivo é coisa rara, quase simbólica. Então poderia ser uma mera brincadeira de jovens na falta maior do que fazer? Ai começamos a responder. Era uma brincadeira.

Mas uma brincadeira de sedução. De exibição diante das meninas. Como um rito guerreiro de nossa origem tribal. Parte da noite, por semanas sem cuidados da companhia elétrica e da prefeitura, parte dos jovens da cidade, ao redor do poste, no canto da praça que dava para a casa de Zé Alencar. Acho que a brincadeira perdeu o senso de surpresa e foi sendo esquecida antes até que um eletricista tornasse indene aquele poste.

16 comentários:

  1. 'Dar' implica 'entregar'

    'Dá' implica 'entrega'

    O poste entrega choque...

    ou

    O poste entregar choque...?

    O poste que dá (entrega) choque.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Meu Caro Zé do Vale

    Já pensou se a Sofia fosse brincar lá na Praça Siqueira Campos e tomasse um choque desse poste? Lembro-me da morte desse contínuo do Diocesano, por um choque na enceradeira. Foi durante semanas o assunto mais comentado no Crato. E é porque naquela época, a tensão gerada pela velha hidroelétrica da Nascente

    ResponderExcluir
  3. A cada dia que fico no Cariri mais me encanto com as histórias da região e com a memória deste povo.

    ResponderExcluir
  4. Estou "chocada" !!!!!!!!!! (rindo muito). Bastante divertida essa história, mas de deixar os cabelos em pé !!!!

    ResponderExcluir
  5. Uma História "Chocante" mesmo...

    Até o Nijair veio corrigir os errinhos de português que ás vezes deixamos passar... eheheh

    Mas estou louco pra ver os comentários. Aposto que o MORAIS, o CARLOS ESMERALDO e a SOCORRO MOREIRA se lembram desse tal poste que dava choque. Eu não me lembro porque não foi da minha geração, mas lá em Farias Brito, aonde passei minha infância tinha muitos postes que davam choque. Me pergunte porque e eu não sei explicar...

    O caso da Enceradeira eu já ouvi falar, mas para alguns deve ter até detalhes, rs rs

    Abraços

    DM

    ResponderExcluir
  6. Por exemplo, errei no meu próprio texto ao colocar o acento pelo lado errado, ( ÁS ) mas não foi por ignorância, foi erro de digitação mesmo. Não me levem para o Paredão de Fuzilamento por isso, Piedade, Clemência... rs rs rs

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  7. Dihelson amigo.
    Apesar da minha pequenez não me desencorajo em fazer algum comentário sobre o nobre texto. Ora, se houve correção para o Dr. Jose do Vale, imagine comigo, um desengonçado da roça, plantador de arroz na Vargea-Alegre, acostumado aos promodes de lá. A Praça Siqueira Campos foi testemunha de uma ocorrência que não me canso de contar. Estava eu com os 20 anos e me engraçando por uma colega a convidei para um filme no Cassino. Quando arregacei os bolsos o dinheiro mal dava para pagar as duas entradas. Não sobrava nem o da goma de mascar.
    Na hora marcada avistei de longe a convidada acompanhada de outra colega. Tive o maior trabalho para convencer que o filme “Dr. Jivago” não prestava e que era muito longo, e tal-que-verei. Com o dinheiro disponível tomamos um sorvete de mangaba na Sorveteria do Bantim e nos despedimos. Parabens Nijair pelas correções, estou aprendendo.

    ResponderExcluir
  8. O poste do choque é o olhar !
    Uma cruzada de luzes ...
    E pronto !
    Mas eram as meninas que se exibiam
    Numa timidez vexatória
    Mordiam os lábios, que tremiam.
    Eu ficava de pernas bambas ...
    Não pelo cansaço das voltas...
    Mas pelo olhar trocado , escandaloso,
    que fazia acender a lua , dentro do poste .

    Peguei o fio, na meada da leveza.
    "Aqueles meninos e aquelas meninas " ...Ainda se chocam aqui ou alhures , quando nos postes do blog , se eletrocutam !

    ResponderExcluir
  9. Já escrevia o lingüista Chomsky, não existe erro de gramática, o que existe é falta de perspectiva. Quem dá ou dar significado ao signo é a idéia e não a forma. De nada adianta correção na escrita se não existe nada para colocar dentro dela. É só seguir o exemplo doa autores do Parnasianismo, como o patético Olavo Bilac, o sorumbático Alberto de Oliveira, que tinham um virtuosismo espantoso nos torneios frasísticos, com aplicações de regras e firulas das mais exóticas, no entanto, não diziam absolutamente nada. A gramática só engessa a expressão, entuba a liberdade. Escrever, por escrever, qualquer um escreve. Dar sustentabilidade ao significado é para poucos.

    ResponderExcluir
  10. Eu ainda estou pra conhecer alguém escreva sem em algum momento ser traído por algum deslize gramatical...

    Porque somos humanos. E humanos erram. Até máquinas erram também. Como eu recebo muitos textos via e-mail para postar aqui no Blog, estou sempre corrigindo erros das pessoas, de quem me pede, e mesmo depois de postados, mas sempre sobra...Dr. Zé Flávio fez um livro e corrigiu inúmeras vezes e submeteu a várias pessoas para corrigi-lo. Depois de lançado, verificou-se que o livro continha um erro logo na ORELHA, eheheheheh

    Mas isso prova que todos somos seres humanos falíveis. Errar muitas vezes não é por querer. Na maioria das vezes sabemos como determinada coisa deve ser escrita, mas somos traídos na hora de escrever.

    São os erros de Digitação.
    Sabe uma coisa que eu faço e que alguns chamariam de Erro?
    Eu gosto de escrever palavras começando em maiúsculo no meio da frase.

    Por exemplo, quando eu escrevo:

    Quero Ressaltar Todo Esse Texto.

    Porque as iniciais em maiúsculo têm essa propriedade de chamar a atenção, então eu não estou a errar, mas utilizando de um artifício para chamar a atenção das pessoas.

    Claro que para os puristas, às vezes é muito chato ver determinados erros de grafia, mas existe ainda o erro MAIOR, que é saber corrigir alguém, o que chamamos de TATO. Existem formas e formas de se chamar atenção de alguém para determinadas coisas, até por e-mail, ou sendo uma correção gentil.

    O Zé Flávio faria até em forma de uma piada. A Socorro Moreira a faria em forma de um poema. Eu consertaria o erro trocando a palavra sem consultar o autor para evitar que este passe vexame. Por exemplo, esse do Zé do Vale eu só não corrigi porque passei a noite lá no Show da Fhátima Santos e estive cansado o dia todo.

    Agora, já não sei o que soa mais "errado" se jogar os errinhos gramaticais dessa forma na lata, ou o próprio erro da falta de gentileza.

    Perdoem-me alguns se escrevi bobagem...

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  11. Pelo jeito está tudo liberado por aqui - assim podemos errar à vontade.

    Dihelson, não me pergunte mais se pichador é com x ou com ch, certo? Afinal, o que importa é pichar o mundo, mesmo que enxertado de letras esquisitas.

    Coisa boa! O site está melhorando.

    ResponderExcluir
  12. Meu caro Nijair Pinto,

    Eu só lhe perguntei se pichador ou pixador era com X ou CH, porque você é o corretor ortográfico oficial do Blog, me corrigiu logo de cara na questão das horas 24Hs! lembra ?

    Então, como você pega no pé de muita gente, alguém tem de pegar no seu pé também, já que se considera tão perfeito para não errar!

    Mas na minha opinião, erros devem ser evitados, na medida do possível, e dentro das possibilidades de conhecimento de cada um.

    Agora, há formas e há formas de alertar alguém quanto aos erros ortográficos cometidos. Não é que eu apoie erros. Nada disso.

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  13. Estimado Dihelson:

    Já expliquei a você o porquê do pixador com x, mas parece que não serviu de nada...

    Nunca me julguei corretor de nada aqui e minhas sugestões eram enviadas para seu e-mail até o dia em que você sugeriu que as fizesse aqui mesmo para evitar o anonimato.

    Lembro, sim, da sugestão que dei a você (no seu e-mail) sobre o 24hs, informando que não se usava 's' em abreviaturas e que o correto era 24h, com h minúsculo. Você agradeceu e até agora, penso, essa sugestão tinha ficado entre mim e você.

    Outro engano seu é pensar, ingenuamente, que pego no pé de alguém e, pior ainda, achar que as respostas que me dá significam que você pega no meu pé.

    Em relação ao 'já que se considera tão perfeito para não errar!' - tu o dizes!

    Se o amigo pensa, agora, que erros devem ser evitados, parece que houve mudança - não faz uma semana não foi isso que você me respondeu no texto 'Mãe, sou pichador'.

    Realmente, há formas e formas de se corrigir e de se receber uma sugestão. Parece que os asseclas ficaram mais transtornados com o que comentei que o próprio autor do deslize, fruto de erros atribuídos ao teclado por alguns... Mas adorei as divagações filosóficas sobre o tema.

    O que não fica bem é o amigo forçar erros e depois os justificar, com o fito de mostrar a vulnerabilidade humana.

    Somos falíveis e também erro e erro muito.

    P.S1.:
    Se o amigo assim o desejar, não me furtarei em tentar, dentro das minhas limitações, ajudar nas correções dos textos. Da mesma forma, agradeço a todos os que tiverem a mesma postura em relação ao que escrevo... Que tal criarmos a seção dicas gramaticais? Seria de utilidade pública.

    P.S2.:
    Os comentários foram tão úteis que se tornarão outro texto que postarei aqui a posteriori.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Estimado Dihelson:

    Já expliquei a você o porquê do pixador com x, mas parece que não serviu de nada...

    Nunca me julguei corretor de nada aqui e minhas sugestões eram enviadas para seu e-mail até o dia em que você sugeriu que as fizesse aqui mesmo para evitar o anonimato.

    Lembro, sim, da sugestão que dei a você (no seu e-mail) sobre o 24hs, informando que não se usava 's' em abreviaturas e que o correto era 24h, com h minúsculo. Você agradeceu e até agora, penso, essa sugestão tinha ficado entre mim e você.

    Outro engano seu é pensar, ingenuamente, que pego no pé de alguém e, pior ainda, achar que as respostas que me dá significam que você pega no meu pé.

    Em relação ao 'já que se considera tão perfeito para não errar!' - tu o dizes!

    Se o amigo pensa, agora, que erros devem ser evitados, parece que houve mudança - não faz uma semana não foi isso que você me respondeu no texto 'Mãe, sou pichador'.

    Realmente, há formas e formas de se corrigir e de se receber uma sugestão. Parece que os asseclas ficaram mais transtornados com o que comentei que o próprio autor do deslize, fruto de erros atribuídos ao teclado por alguns... Mas adorei as divagações filosóficas sobre o tema.

    O que não fica bem é o amigo forçar erros e depois os justificar, com o fito de mostrar a vulnerabilidade humana.

    Somos falíveis e também erro e erro muito.

    P.S1.:
    Se o amigo assim o desejar, não me furtarei em tentar, dentro das minhas limitações, ajudar nas correções dos textos. Da mesma forma, agradeço a todos os que tiverem a mesma postura em relação ao que escrevo... Que tal criarmos a seção dicas gramaticais? Seria de utilidade pública.

    P.S2.:
    Os comentários foram tão úteis que se tornarão outro texto. (Se o texto anterior que mandei for postado você perceberá que erro também!) Rs

    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. Pois é, Nijair,

    Todos somos humanos e erramos muito. Creio que eu não me faço entender bem às vezes, o que dá a impressão que as regras foram mudadas. Não foram!

    Prezo pela escrita correta. tanto é que eu corrijo sem mencionar, os erros que vou encontrando e que os vejo. Não obstante, é sempre possível que erremos também. A questão, como falei, é a forma elegante de se abordar aquele que erra. Mas, já estou ficando cansado de falar sobre esse negócio de erros e acertos.

    As postagens dos companheiros em relação ao DAR e DÁ já gerou outro tema que se tornou até mais importante do que o artigo inicial do POSTE.

    Na minha opinião, quem ganhou nessa estória toda, foi O POSTE e não A POSTAGEM, rs rs

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  16. Adoro seu senso de humor... Precisamos nos ver pessoalmente e trocar mais idéias, amigo. Afinal, moranos no Crato, certo?

    Abraço!

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.