26 setembro 2008

PADRE CÍCERO E SEUS ROMEIROS



Renato Casimiro (*)

A história é bem conhecida: Na igreja do Joazeiro do Cariry, na madrugada do dia 06.03.1889, uma hóstia dada em comunhão à devota Maria Magdalena do Espírito Santo de Araújo, transformava-se em sangue. Para muitos que se debruçaram sobre este episódio, aí reside o ato fundante da extensa relação do Pe. Cícero Romão Baptista com os romeiros nordestinos. Entre o instante seguinte, o da instauração do Inquérito respectivo, instruído pelo diocesano do Ceará, onde até se ousou dizer, da cátedra do Seminário da Prainha, “N.S.J.C. não deixaria a Europa para operar milagre no miserável lugar do Joaseiro” e a presente data, os fatos foram revistos com muita pesquisa e reflexão, para superar os enfoques enviesados, partidos sobretudo de uma produção pretensamente intelectual, polarizada naquilo que já se convencionara sistematizar em “escola do contra” e a “escola pró”.
Diante desta segregação, de pólos impiedosos e benevolentes, a Academia descobriu as razões e os caminhos que tornaram Pe. Cícero e as romarias de Juazeiro objetos preciosos de projetos de pesquisas, com os quais, mergulhando nestes fatos marcantes da trajetória do patriarca e seu povo, foram escritas muitas monografias, dissertações e teses que enriquecem este acervo analítico, por óticas de historiadores, sociólogos, teólogos, filósofos, antropólogos e vasta pluralidade de olhares e saberes. É neste contexto atualizado que desembarcamos por estes dias no emblemático território do Seminário da Prainha, para repensar conceitos de Milagre, Martírio, Protagonismo da Tradição Religiosa Popular de Juazeiro, centrados nas figuras proeminentes deste trajeto histórico: Pe. Cícero, beata Maria de Araújo, Romeiros e Romarias. Juazeiro do Norte, em quase cem anos de existência, é um grande centro de romarias deste país.
Não há dúvida qualquer em aceitar o quanto este fenômeno encerra de repercussão local de grande alcance, religioso, social e econômico, com extensão para toda a nação romeira espalhada por território nordestino. Daí porque é necessário conhecê-lo, captar suas lições, pois esta conjuntura não se dissocia de outras realidades do povo sertanejo. Vivemos tempos de uma assimilação gradual que o conhecimento e a pesquisa permitiram, a ponto de ensejar um novo posicionamento da Igreja, a mesma que seguidamente transforma a condição da igreja-matriz a Santuário Diocesano, para, há pouco, elevá-la à dignidade de Basílica Menor, e que deverá, na ansiedade do seu povo, reconhecê-lo, pela grandeza de sua obra.
É bem verdade que muitos ainda insistem nas respostas mais simples a questões de grande complexidade: Pe. Cícero – Santo ou fanatizador? Líder popular ou coronel? Missionário ou embusteiro? O beato ou milionário explorador? Reduzir estas questões a respostas mais simples é ato temerário. Felizmente, continuam sendo abertos extensos documentários, então guardados a muitas chaves, especialmente as da prevenção e de tudo mais que importava sepultar esta realidade que a própria Igreja não pôde conter. Cometeu-se, pastoralmente, um grande equívoco, uma omissão que se procura corrigir pelos esclarecimentos e contribuições de estudos e pesquisas. Nada nos custa acreditar que o romeiro do Pe. Cícero vai, seguidas vezes ao Juazeiro para se encontrar e se confessar com o seu santo. Conversa de padrinho e afilhado. Isto é grandioso. Tudo mais é menor.

(*) Renato Casimiro é professor aposentado da UFC, pesquisador e memorialista.
Publicado no jornal "O POVO", edição de 27-09-2008

Um comentário:

  1. Prezado Armando Rafael e Professor Casimiro.

    A minha mãe que nasceu em 1900 dizia que o pai dela, meu avô Pedro Esmeraldo era um grande amigo do padre Cícero. E que ele vinha do Juazeiro até à casa do meu avô no Sítio São José para clebrar missa sempre que possível. Crescemos respeitando a figura do Padre Cícero e, quando trabalhei no Juazeiro durante 15 anos, pude verificar que o trabalho de evangelização realizado pelo padre Cícero permanece até hoje.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.