30 julho 2008

Mandem erguer uma estátua para Lampião

.Acima: Foto de Lampião e Maria Bonita


Ronaldo Correia de Brito
Do Recife (PE)

Festejaram bastante os setenta anos da morte de Lampião. Uma festa parecida com o louvor a um mito. Todos parecem esquecidos do medo em que viviam os estados nordestinos, nos anos em que o cangaceiro reinou. Em Serra Talhada, onde ele nasceu, até pensaram em erguer estátua. Pode? Se na França cultuam a memória de Napoleão, porque negar esse direito aos conterrâneos de Virgolino Ferreira da Silva?

No Houaiss, bandido é o indivíduo que pratica atividades criminosas; pessoa sem caráter, de maus sentimentos. E também assaltante, bandoleiro, cabra, celerado, larápio, malfeitor, salteador e por aí afora. Por mais que a literatura de cordel e o cinema novo tenham lapidado uma outra imagem de Lampião, ele será sempre um bandido. Por mais que os sociólogos de esquerda como Rui Facó analisem as causas do cangaço, vinculando-as à fome, ao isolamento, à miséria da região, ao coronelismo e à política latifundiária, mesmo assim os cangaceiros continuarão bandidos.

No Brasil, tendemos a transformar bandidos em heróis, a simpatizar com salafrários que burlam a lei, enriquecem com o crime e sobem na vida a qualquer custo. Nenhuma comoção nacional aconteceu com a prisão de Daniel Dantas e seus asseclas. Ninguém saiu às ruas para manifestar-se, nem houve ameaças de linchamento como no caso da menina Isabella. Crimes de corrupção, mesmo que cheguem à cifra de dois bilhões de reais, são abstratos demais para os brasileiros. Gostamos do espetáculo do sangue e da carnificina.

A história de Lampião é um exemplo de que o Brasil globalizado ainda guarda resquícios do Brasil rural. Em 1926, Virgolino, acompanhado de seu bando, visitou a cidade cearense de Juazeiro do Norte, para se encontrar com grandes proprietários de terras, A Liga dos Coronéis, e receber a bênção do Padre Cícero Romão Batista, o Padinho Ciço. Os políticos, os latifundiários, o clero e os bandidos juntos, parecido com hoje.

A simpatia por Lampião se deve ao poder que ele alcançou desafiando autoridades e poderosos. Suas façanhas alimentavam o imaginário das pessoas que também sonhavam em romper com a miséria sertaneja. Mas Lampião nunca foi um herói como o lendário Robin Hood, roubando dos ricos para ajudar aos pobres. Sua crueldade só fazia distinção com os fazendeiros que pagavam para não serem molestados, nem terem as propriedades invadidas. Eram os coiteiros, protetores de criminosos e passadores de informações. Tudo igualzinho a hoje.

Quando visitou Juazeiro, além de receber armamentos, munição e a bênção do Padrinho, Lampião foi incumbido de ir ao encontro da Coluna Prestes e atacá-la. Mas ele tomou um rumo contrário ao dos comunistas. Sua vida era de bandoleiro e não de político. É falso politizar suas façanhas. Brigas de família por disputa de terras eram comuns naquele nordeste agrário e medieval. A escolha de Lampião pelo cangaço se deu por vários motivos, e não apenas por ele ter presenciado a morte dos pais. Centenas de cangaceiros entraram na vida errante, e não passaram pelo mesmo trauma.

O romancista russo Dostoievski criou um personagem que justifica o crime de assassinato cometido por ele, comparando-se a Napoleão. Bonaparte levou centenas de milhares de pessoas à morte, pilhando e destruindo cidades em nome de um sonho imperialista. A história o transformou em herói. É possível que as gentes nordestinas tenham enxergado em Lampião não o imperador expansionista que converteu a França ao seu delírio, mas alguém capaz de um grande feito: inverter a ordem do medo e do terror, assumindo o lugar de tirano. Se abstrairmos os discursos políticos, Lampião e Napoleão são metais do mesmo quilate. Afinal, bandido é o indivíduo que pratica atividade criminosa, segundo Houaiss.

Ronaldo Correia de Brito é médico e escritor. Escreveu Faca e Livro dos Homens.

Fale com Ronaldo Correia de Brito: ronaldo_correia@terra.com.br

Foto Ilustrativa: Fonte: website spintravel.blogtv.com.pt.


4 comentários:

  1. Excelente texto. Falou o que eu também penso desse canalha do Lampião que sangrava as pessoas com seu enorme punhal, enfiando na "saboneteira" perfurando o pulmão e o coração.

    "Cabra, se ajoelha que eu vou te sangrar!"

    É um BANDIDO da pior espécie. FOI.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. A afirmação "Lampião foi um bandido".. ou coisas do tipo é repetição o discurso oficial e coronelista da época. Precisamos expandir nossa visão para o fato "Cangaço". Bandidos existem nas outras esferas da nossa sociedade.
    O que dizer por exemplo das atrocidades da policia?? O que dizer da perática de arrancar cabeças e exibir em praça pública?? De arrastar desafetos pelo pé até que se desgastasse até a cintura? A policia e os "cabras" dos coronéis já tinham a prática de matar pela "saboneteira" antes de Lampião. Isso não foi criado por Lampião.
    Pensem. Essa discussão é muito boa.Vai ajudar as pessoas a entenderem o cangaço de forma menos simplista.

    ResponderExcluir
  3. Mandar erguer um estátua para Lampião???
    Sim. Existe uma de Antonio Carlos Magalhães, e de outros políticos brasileiros

    ResponderExcluir
  4. Por favor, não o comparem com ACM, Jader Barbalho, Sarney e muitos da atual cambada. Virgulino não merece tal desfeita. Dedé quando eu tiver o seu E-mail vou lhe passar uma reportagem do "Jornal Le Monde" denominada a Ira de João Gabiru, o amigo vai gostar.

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.