26 março 2008

Carta do Leitor - Cancelamento da Malhação de Dom Cappio - Por: José Nilton Mariano Saraiva

Senhor Dihelson,
Cratense - "da gema" - e residente em Fortaleza há quase 40 anos, vimos acompanhando seu trabalho através do BlogdoCrato, desde o início (parabéns pela iniciativa).
Com relação à polêmica sobre o "cancelamento" da malhação do Dom Cappio (autêntico retrocesso), vimos, humildemente e apelando para o ambiente democrático que caracteriza o Blog, solicitar seus préstimos no sentido de publicar no mesmo a nossa opinião a respeito (abaixo).
Estamos encaminhando o mesmo texto, com pedido de publicação, para o jornal O POVO (já que o nosso jogo é aberto e limpo) mas, como não sabemos se publicarão, pelo menos no Blog poderíamos fazê-lo.
Desde já agradecemos sua atenção e apreciaríamos um seu retôrno, ok ?

MALHAÇÃO DO JUDAS

Atenta às tradicionais manifestações culturais que simbolizam momentos marcantes da história, a Fundação Mestre Elói (Crato-CE) instituiu e, após ampla divulgação através da Internet, via BlogdoCrato.com, realizou naquela cidade uma democrática eleição para a escolha de um personagem que, representando o Judas, fosse malhado em praça pública nas tradicionais manifestações alusivas. Ao optarem, livres e soberanamente, por ampla maioria dos votos, pela figura do religioso (???) Dom Cappio, de Barras/BA, escolhendo-o para simbolizar o Judas em razão da sua inexplicável posição contrária à transposição das águas do Rio São Francisco, os votantes apenas e certamente exteriorizaram a repulsa de milhões de nordestinos à demagógica e descabida posição contrária aos pobres, vinda de alguém que deveria zelar pelo mandamento bíblico “dai de beber a quem tem sede”. Incompreensivelmente, entretanto, a Fundação Mestre Elói, que houvera instituído, divulgado e estimulado a participação popular no evento, literalmente roeu a corda e traiu àqueles que se engajaram na empreitada ao - rendendo-se ao corporativismo de alguns conservadores da Igreja Católica – cancelar a malhação na forma como houvera sido acordada. Frustração dos votantes e, acima de tudo, um perigoso atentado à democracia, vez que o posicionamento de uma minoria de empedernidos radicais sobrepôs-se à maioria livre (mas, a julgar pelo ocorrido, não tão soberana assim). Bola preta, portanto, para os integrantes da Fundação Mestre Elói.


José Nilton Mariano Saraiva
Fortaleza-CE

Nota do Blog do Crato: O e-mail e o telefone do autor foram retirados da mensagem para evitar trotes ao autor do artigo.
.

8 comentários:

  1. Amigo Mariano,

    Você é preconceituoso, hein!? por que não uma bola branca?
    Não obstante o honroso prêmio, gostaríamos de esclarecer que, após a votação, nosso objetivo era impulsionar a discussão do tema, no caso específico a transposição do Rio São Francisco.
    Antes de concluir seu julgamento, deveria, como não pode estar presente, cremos, perguntar a quem viu o evento. Foi um sucesso!!!
    Sugerimos, antes de nos classificar como roedores de corda, o estudo de procedimentos estratégicos e táticos. Nosso objetivo estratégico, após a escolha final, qualquer qeu fosse o resultado, era promover amplo debate em torno do tema sugerido. Isso foi feito em todos os meio possíveis (rádios, tv's, jornais, blogues, escolas, praças, bares, ruas...): nunca se falou tanto nesse assunto. Por outra, a retirada do nome do Dom Cappio foi uma adequação tática que em nada afetou a estratégia, mas fortaleceu-a pelas circunstâncias em que ocorreu. Miramos no gesto contrário à transposição e o povo não descolou a atitude daqueles que se posicionam e se posicionaram contrários á transposição. E, mesmo sem ter o nome escrito, o JUDAS foi malhado e o evento, que reuniu cerca de 5.000 pessoas, foi coberto de êxito. Se você não viu, pode perguntar a quem esteve lá. Foi a maior manifestação pró-transposição até agora ocorrida. Nem a comissão de deputados que coordena os trabalhos em defesa do projeto conseguiram tal feito. Então, depois de envolver mais de 11.000 pessoas na votação e mobilizar mais quase 6.000 para a praça, não podemos minimizar o sucesso do evento. Que setores contrários à transposição, aqui no Crato e no Ceará, conseguiriam, tal proeza, convocando o povo com um posicionamento claro e honesto como o fizemos? Afinal, o nome daquele bispo pouco diz dele mesmo, o gesto é que é o fato social. E o JUDAS foi malhado! Quem viu é testemunha!
    Confessamos que gostamos de sua missiva, até concordamos em alguns pontos. Por este motivo, convidamo-lhe e integrar nossas trincheiras. Creio que assim aprimoraremos nossas táticas em situações futuras.
    Sincero abraço.
    Cacá Araújo

    ResponderExcluir
  2. Por curiosidade fui conhecer a cidade de Barra, diocese desse picareta, que fincou bandeira contra a transposição do São Francisco. Se o Rio está morrendo, a culpa não cabe aos pobres que estão a mendigar um pouco de água para sobreviver, e sim aos destruidores das matas ciliares e florestas, que habitam suas nascentes.

    ResponderExcluir
  3. Da mesma forma que acredito em papai noel e coelhinho da pascoa, acredito que 6 mil pessoas estiveram la na refesa, na Malhação do Judas, unicamente para DEBATER A CAUSA DA TRANSPOSIÇÃO e fazerem parte da MAIOR MANIFESTAÇÃO PRÓ-TRANSPOSIÇÃO.

    E continuo batendo na mesma tecla: que estratégia troncha é essa de acatar um "pedido" da igreja só pra depois, por trás, falar mal dela? Uma luta justa, na minha singela opinião, teria sido a malhação do Dom Cappio sim, já que a igreja não manda (não deveria mandar) ainda mais após a participação de 11 mil pessoas (?!).

    Concordo plenamente com o distinto cidadão José Nilton.

    ResponderExcluir
  4. Amigo Valdir,

    Você parece não ter cursado o "jardim da infância" com bom proveito. Quanta infantilidade! Não falamos nada "por trás" de ninguém. Tudo o que fizemos foi público.
    Agora, se você quer "malhar" o tal bispo, somente por ser ele, faça-o. Não sei bem qual é o seu trauma, mas respeito seu ódio para com a igreja.
    No mais, creio que você não tem mais como continuar no debate, pois se recusa a falar sobre a transposição (contra ou a favor), e esse é o rumo da nossa conversa.
    Um abraço.
    Cacá Araújo

    ResponderExcluir
  5. Sr Cacá Araújo, definitivamente você é quem parece estar nervosinho com tudo isso, chamou o José Nilton de "preconceituoso" e a mim de "infantil". Eu, ao contrário, não te chamei de nada. Aprimore seus argumentos sem denegrir pessoalmente ninguem.

    Quanto ao assunto desse post, que é A MALHAÇÃO DO JUDAS e nao exatamente discutir a transposição, creio que não fui claro, já que você não compreendeu meu ponto de vista. Em suma, disse:

    a) um completo exagero dizer que 6 mil pessoas estiveram no evento de malhação de judas para "discutir o tema da transposição". Até pode ter realmente acumulado tanta gente para essa malhação, agora dizer que estavam todos lá discutindo e preocupados com o tema, faça-me o favor.

    b) o "por trás" que falei, foi no sentido de que vocês aceitaram o pedido da igreja, ou seja, mesmo diante de 11 mil pessoas que votaram nessa baboseira de judas, vocês quebraram o voto popular e não malharam o tal Dom, conforme o "povo" queria. Em troca vocês fizeram o que? atacaram a igreja. A mim não importa nem um pouco quem ou o que foi malhado, e vocês sim, ao falarem da igreja e seus crimes históricos, demonstraram esse "ódio" a igreja, e não eu.

    c) Quando o assunto for a transposição, e eu quiser falar sobre isso, vou me posicionar a respeito, nunca me recusei a dizer nada aqui. Agora esse post aqui, especificamente, trata da crítica ao processo da malhação de judas, aberto por José Nilton. Se quer falar da transposição, abra outro post, com informações sobre isso, com BASE, pra a partir daí as pessoas daqui do blog emitirem suas opiniões. Dihelson pode até abrir um painelzinho de votação e tudo mais. Agora se for pra falar de transposição, vamos elevar o nível do debate, dizer que é a favor "porque vai ajudar o povo" ou dizer que é contra "porque é obra eleitoreira do governo", sinceramente, é irrelevante. Você tem aí relatórios tecnicos sobre a transposicao? voce sabe o impacto na vazão do rio são francisco? sabe dos benefícios? sabe dos planos de irrigação? sabe dos incentivos do governo pra irrigação? conhece o ciclo de reposição de água anual do rio? Juntem isso, postem no blog e abram os debates.

    Agora cá pra nós, convenhamos, uma festinha de malhação de judas não resolve problema social nenhum, não resolve absolutamente nada! Ninguém na cidade está discutindo a transposição e o evento todo só serviu pra dar aquela massageada gostosa no ego dos organizadores, que bateram no peito várias vezes pra dizer que foi "sucesso".

    ResponderExcluir
  6. TRÉPLICA de José Nilton

    Prezado Cacá Araújo,

    Ao tergiversar sobre o cancelamento da malhação do Dom Cappio (objeto primeiro do sucesso da campanha empreendida, tanto que atraiu 11000 votantes e mais 6000 presentes em praça pública, conforme seu depoimento) o senhor, ao apelar para uma estranha “adequação tática”, SOMENTE esqueceu de mencionar a triste mas cristalina verdade: o bispo do Crato, o alienígena Dom Pânico, deitou e rolou, fez barba, cabelo e bigode, ao fazer prevalecer, sobre a livre manifestação de milhares de cratenses, seu arcaico corporativismo e oportunista posicionamento.

    A verdade é que, tal qual Dom Cappio, dom Pânico já mostrou que é, também, um “fissurado” em holofotes (haja vista a tentativa de “reabilitar” o insurreto Padre Cícero) e para isso não tem nenhum escrúpulo em usar e abusar do exercício simbólico que o cargo lhe confere (em benefício próprio, é claro).

    Isto posto, reafirmamos que, como cratense, sentimo-nos traídos e desesperançosos pelo indesejado desenlace, daí lhe questionarmos: numa próxima eleição patrocinada pela Fundação Mestre Elói, votar prá que, se o resultado final tende a não ser reconhecido ? Votar prá que, se o processo democrático não prevalece ? Votar prá que, se a Igreja, antecipadamente, não chancelar ou homologar o objeto da disputa ? Votar prá que, se a “coisa” poderá ser melada por uma certa “adequação tática” em obediência a desconhecidos “objetivos estratégicos”, originários da pressão exercida por segmentos minoritários ?

    Alfim, uma reflexão inquietante: ao, conscientemente, submeter-se aos caprichos de uma “autoridade” eclesiástica, deixando a ver navios milhares de admiradores e ativos participantes, onde foi mesmo parar a CREDIBILIDADE da Fundação Mestre Elói, tão duramente conquistada no transcurso de anos a fio de denodada luta ?

    Ou será que CREDIBILIDADE, dada à globalização, já é artigo fora de circulação, dispensável, irrelevante, demodê ???

    E se for, onde vamos parar ???


    José Nilton Mariano Saraiva

    .

    ResponderExcluir
  7. Prezados aliados,

    No próximo ano realizaremos o mesmo processo. E, ao contrário das eleições oficiais, o voto continuará não sendo obrigatório. Então, mesmo vossas eminências e seguidores não votando, o que é um direito democrático, a eleição prosseguirá seu curso e algo ou alguém será eleito em virtude de gesto social reprovado. O episódio deste ano foi atípico (e fartamente justificado) e lamento vocês não entenderem nem terem visualizado o quanto os contratempos ajudaram na divulgação da "festinha", da qual nos orgulhamos de fazer parte, bem como na ampla discussão do tema em questão.
    Sugiro que da próxima vez venham participar aqui, conosco, e verão como é interessante a "baboseira de judas" para a nossa identidade cultural e discussões políticas atuais. Também poderão sentir de perto como os chamados "paineizinhos" são importantes na realização dos debates.
    Um caloroso abraço.
    Despedimo-nos com sinceros agradecimentos.
    Cacá Araújo

    ResponderExcluir
  8. Voto em Karl Marx para Judas 2009!

    ResponderExcluir

Visite a página oficial do Blog do Crato - www.blogdocrato.com - Há 10 Anos, o Crato na Internet.