08 dezembro 2007

Propagandas da saudade



Revista Itaytera, nº 01, 1955

Eu tô ouvindo...

...e tô achando "duca". Descobertas, umas músicas que podem causar estranhamento mas que, no final, nos trazem novos ares e outras coisas mais.

O blog tem mais informações. E pode ser ouvido no site da rádio. Você também pode baixar aqui. O programa tem o aval de um dos caras mais interessantes que conheço. O grande André Stangl,

responsável por várias de minhas descobertas recentes em relação à música de qualidade.

Em defesa das florestas *


As florestas nordestinas têm sido exploradas criminosamente. Em pouco tempo, devastaram-se milhares de quilômetros quadrados de ricas matas. Tem-se a impressão de que, em face de não ter havido providência proibitiva, rapidamente certos núcleos florestais sucumbiram, se eliminaram aos machados dos lenhadores; e mais, com a necessidade de abrir espaço para as culturas, os sítios, as estradas, as fábricas, o desflorestamento foi longe. No dizer de Pimentel Gomes, ultrapassou de muito as necessidades. Tornou-se uma rotina, uma espécie de vício. A devastação de florestas não se limitou às terras férteis, planas ou ligeiramente onduladas. Ganhou as encostas íngremes, galgou as montanhas, não respeitou nascentes dos rios e riachos, nem zonas de abastecimento de fontes naturais. Não cogitou o abrigo à fauna nem das exigências dos microclimas agradáveis e favoráveis ao homem. Houve, em síntese, a má fé, a ignorância da lei, a falta de mentalidade florestal ou visão de proteção à natureza.
A infração cometida não parte só dos pequenos, dos lenhadores, carvoeiros ou a lavradores profissionais que, por instinto de destruição e completa ignorância, eliminam a ferro e fogo tudo aquilo que a natureza levou muitos anos para formar.
Os maiores responsáveis pelo desflorestamento do Nordeste são os proprietários de sítios e fazendas que não têm observado o Código Florestal vigente e que criminosamente mandam derrubar mais de 3:4 partes de suas matas; os donos de frentes nas encostas dos morros ou serras que teimam em derrubar as matas protetoras; os prefeitos negligentes e insensíveis ao problema de reflorestamento de seus municípios; (...) a indústria de cortumes escolhe nas florestas árvores taníferas, despindo-as de suas cascas e sacrificando desta maneira, periodicamente, milhares de essências florestais. Assim, computando pequenos e grandes, temos realmente a lista tétrica dos exploradores e responsáveis pela devastação de nossas matas. Uns, de modo bárbaro e empírico, transformam as árvores em lenha ou carvão; outros, objetivando construções, fazem seleção de madeira, e consomem milhões de árvores.

* Abertura do artigo de autoria do engenheiro agrônomo Antonio Alves de Queiroz publicado no primeiro número da revista Itaytera, de 1955.

Foto: Dihelson Mendonça

.
Coluna CARIRI, de Tarso Araújo
O POVO, 09 de dezembro de 2007

IMACULADA CONCEIÇÃO

As cidades caririenses de Farias Brito, Granjeiro, Ipaumirim, Mauriti e Porteiras festejaram ontem, dia 8, sua padroeira: Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Aliás, desde 25 de março de 1646, Nossa Senhora da Conceição é a padroeira da nossa pátria, pois, naquela data, ela foi solenemente declarada padroeira de Portugal e, à época, o Brasil fazia parte do Império luso. Após a independência (em 1822), o Brasil foi consagrado à Nossa Senhora da Conceição Aparecida, escolhida como especial intercessora dos brasileiros junto ao trono de Deus.

ANOTE: MUSEU DE ARTE DO CRATO
No Museu de Arte do Crato Vicente Leite estão expostas obras de arte de incalculável valor, a exemplo da escultura em gesso de Celita Vaccani denominada "Venite ad me omnes", uma imagem de Jesus Cristo de grande beleza. Pertencem ao acervo deste museu 22 telas da pintora Sinhá D'Amora, a aquarela "Vista Panorâmica do Crato em 1865", feita por José Reis de Carvalho, dois desenhos a lápis de Pedro Américo um dos maiores e mais famosos pintores do Brasil, além de óleos sobre tela de Pino Della Selva, Mazza Francesco, Vicente Leite, Jair Picado, dentre outros.

NOVO IMORTAL
Na última sexta-feira, dia 7, o Instituto Cultural do Cariri empossou padre Rocildo Alves Lima Filho na Cadeira Monsenhor Francisco Holanda Montenegro. O novo sócio foi saudado pelo acadêmico Armando Lopes Rafael.

RECIFE MAIS PERTO
A partir do próximo dia 17 a companhia aérea Ocean Air implantará um vôo diário entre o Cariri e Recife. Realiza-se, assim, antiga reivindicação dos caririenses! É grande o intercâmbio entre o Cariri e a capital pernambucana. A propósito, a Ocean Air e a companhia aérea equatoriana Vip mudarão o nome para Avianca. As três formam um único grupo e vão ser chamadas pelo mesmo nome da empresa colombiana a partir de 2008.

CORRENDO CONTRA O TEMPO
1º de janeiro de 2009. Data da posse dos novos prefeitos eleitos em 2008. O de Juazeiro do Norte terá exatamente dois anos e meio para preparar os festejos de comemoração do centenário de emancipação política daquela cidade. O tempo será curtíssimo, já que até agora nada foi planejado para a comemoração da efeméride.

FALTA O BRASÃO
E por falar em centenário, o da criação da diocese de Crato ocorrerá em 20 de outubro de 2014. Espera-se que até lá seja criado o brasão oficial da diocese, até hoje inexistente. Nos documentos oficiais é usado o brasão pessoal de dom Fernando Panico, cujo lema é "Sursum Corda" (Corações ao alto!). Dioceses mais novas (Crateús e Quixadá, por exemplo) já providenciaram seus respectivos brasões. Um detalhe: as cores azul e branco, de Nossa Senhora, não poderão deixar de constar no futuro brasão da diocese de Crato. A Virgem Maria - desde o início da evangelização do Vale do Cariri - sempre foi ali venerada e serviu de inspiração no anúncio da Boa Nova. Nos tempos primevos, sob as invocações de Mãe do Belo Amor (em Crato) e Nossa Senhora da Luz (em Missão Velha).

PROJETO CARIRI 1
No Cariri, as tradições ibéricas e negras mesclaram-se às indígenas, resultando em um painel mestiço, evocativo da cultura brasileira. Cantadores, cordelistas, poetas, intelectuais, artesãos, brincantes, músicos, dançarinos, penitentes, romeiros, todos contribuem para o reconhecimento da região como um dos mais ricos patrimônios imateriais do Brasil.

PROJETO CARIRI 2
Iniciado em 2002, fruto de um termo de cooperação técnica e científica, celebrado entre o Iphan e a Urca, o Projeto Cariri tem como objetivo a realização de estudos voltados a identificar o patrimônio imaterial do Sul do Ceará. O projeto conta também com a parceria da Diocese de Crato e prefeituras municipais do Cariri. Na administração passada da Urca, o Projeto Cariri era uma das prioridades daquela universidade.

A VELHA SÉ
O cura da Catedral de Crato, padre Edmilson Neves, confirma para a coluna que no próximo mês, serão iniciados os trabalhos de mudança do piso da Catedral de Crato (foto), que será agora de cerâmica Portinari, fabricada em Santa Catarina. Em 2008, a Sé deverá ganhar ainda duas novas capelas internas: a mortuária para abrigar os restos mortais dos três primeiros bispos da diocese e outra, para substituir a atual Capela do Santíssimo.

CARIRIANAS
Cresce o cinema caririense. Depois do curta "A cerca", de Glauco Vieira, vem aí um documentário sobre a primeira mulher republicana do Brasil, a revolucionária Bárbara de Alencar, produção de Alessandra Bandeira e Catulo Teles (...)

Todo 4 de cada mês, dia da morte de monsenhor Murilo de Sá Barreto, muita gente de Juazeiro do Norte se reúne na Capela do Encontro - no Santuário Diocesano de Nossa Senhora das Dores - para rezar um terço pelo "Vigário do Nordeste" (...)

Todos os anos, no mês de dezembro, dona Maria da Flor - residente na rua São José em Juazeiro do Norte - promove os ensaios da tradicional "Lapinha", festejo natalino que se constitui num patrimônio imaterial do Cariri (...)

O clube de aeromodelismo


Por Emerson Monteiro


Em Crato, de 1964 a 1967, houve um grupo de pessoas aficionadas ao aeromodelismo, que chegaram a formar instituição destinada à prática da atividade na Região caririense, tendo até mesmo construído uma pista para a prática de vôos às margens da rodovia Crato - Juazeiro do Norte, em terreno de propriedade do Sr. Antônio Correia Coelho, no bairro do Muriti. Contribuíram com recursos para a construção dessas instalações os Srs. Antônio Correia Coelho, Alfredo Alencar Filho e Luiz Lacerda Leite.
O iniciador do movimento foi Luís Everardo Monteiro Leite, meu irmão, principal responsável pela orientação técnica e fundador do chamado Clube de Aeromodelismo do Crato, ao lado de José Fernandes de Sousa, hoje professor em cidade do interior de Goiás, e Ricardo Aires Correia, médico vivendo em Fortaleza. No endereço da rua Vicente Tavares Bezerra, 337, bairro Pinto Madeira, em Crato, ficava a sede-oficina do clube, onde eram fabricados os pequenos aviões.
Depois, outros mais se agregaram ao grupo, entre eles Paulo de Tarso Macedo Lobo, Gérson Duarte, Ricardo Magno Figueiredo, Francisco Pires Maia, Rosier Mendonça Silva, Maurilo Peixoto, Hilário Lucetti, Inocêncio Barbosa Coelho, Antônio Eduardo Alencar, Marcos Aurélio Rodrigues, Paulo Urbano Feitosa, Carlos e Rosifran Lins, somados a mais alguns nomes que ainda insistem em permanecer ocultos na nossa memória.
As exibições reuniam pequenas multidões em torno de círculo acimentado, com raio de pista de 18 a 20m, circunferência que apresentava ao centro espaço em que ficava o praticante, sendo os modelos sustentados por dois cabos de aço controlados de um manete (sistema “U Control”, dado técnico) e acionados por pequenos motores movidos a combustíveis específicos, tudo dentro dos princípios da aerodinâmica similar à das grandes naves que cruzam os céus.
Everardo Monteiro dominava bem a tecnologia usada, sendo quase sempre quem fazia a montagem dos aparelhos, usinava peças de reposição em duro alumínio e outros materiais, preparando combustíveis, chegando a ponto de modificar dosagens para melhorar os desempenhos. As misturas adotadas careciam de cuidados extremos, por serem tóxicas e de fácil combustão. Havia dois tipos de motores, os movidos a diesel e um composto de éter sulfúrico, óleo de risino e querosene, em partes iguais; e os movidos a “glow” (composto de metanol (álcool metílico) e óleo de risino, também em partes iguais.
Lembro que esses motores possuíam diferentes marcas. O mais simples funcionava a diesel e era fabricado na Inglaterra. Já os denominados “Silver Steak”, “Mcoi” e “Super Tiger”, provinham dos EUA. Outro, bem mais caro e sofisticado, provinha do Japão, o “Enya”, que requeria combustível diferenciado, à base de álcool metílico.
Em muitos sábados e domingos, acompanhei de perto o grupo no auge de suas exibições, após dias e dias de preparação das aeronaves miniaturizadas, montadas com esmero, em madeira-balsa, cobertas com papel próprio ou cetim fino, pintadas ao estilo das originais, protótipos clássicos da aviação militar, ou civil, a exemplo do “Spitefire”, famoso caça inglês da Segunda Guerra, “Stukka”, caça alemão de igual período; “Olímpia I” e “II”; “Cessna”, nesse tempo apreciado avião executivo americano; isto sem deixar de fazer referência ao “Piper”, modelo executivo consagrado; e aos “Tamanco I” e “II”, “standards” próprios para a iniciação dos pilotos.
Em todos os participantes, registro o empenho naquilo que desenvolviam, numa boa camaradagem de relacionamento. Não raras vezes, vinham pessoas de outras cidades e até da capital do Estado, movidas no apelo fascinante da interessante ocupação de lazer.
Após todo esse tempo, muitos viajaram para estudar fora ou movidos pelas determinações profissionais. Alguns, no entanto, ficariam na cidade e ainda continuaram vinculados ao esporte, tais como Hilário Lucetti, considerado um dos que melhor pilotavam, substituindo mais adiante o uso do cabo de aço pelo rádio-controle para comandar os modelos, fórmula que exige sistema de pista reta, invés da antiga pista circular dos bons tempos iniciais.
Aqueles que protagonizaram esses acontecimentos devem guardar com zelo lembranças e boas amizades adquiridas no CAC.

Foto: PORTAL GRUPO UFOLÓGICO DE LAMBARI - MG - BRASIL

.

Homenagem ao Rei do Baião - LUIZ GONZAGA

Jackson Bantim e o Blog do Crato convidam todos os sanfoneiros do Cariri para uma homenagem ao REI DO BAIÃO LUIZ GONZAGA , dia 11 de dezembro terça-feira as 15:30 no Parque de Exposição do Crato. Várias televisões do Brasil irão retransmitir o evento.
.