27 outubro 2007

Wilson Bernardo, Bendito maldito!

Dois grandes momentos deste que é o mais irreverente poeta da atualidade cratense. êle que em poucas... diz muito!

Famílias do Cariri: Humberto e Antonieta


Humberto Mendonça e Antonieta formam um casal exemplar. Uniram-se, de forma indelével, em 8 de março de 1965. Portanto, há 42 anos. Com apoio mútuo e muito amor, formam uma respeitável família, enriquecida, sobremodo, pelos herdeiros e eternos "filhotes": Cibele, Daniele, Cristina e Tom.
Humberto, nascido em Brejo Santo, foi vice-prefeito do Crato, entre 1993 e 1997. Antonieta, é descendente de uma das mais tradicionais estirpes cratenses, formada pelas famílias Morais e Tavares.

Afastado da política, segundo o próprio, por sábia opção, Humberto, que reside em Fortaleza, não esquece jamais o Crato, sua terra de coração; e junto com sua Antonieta está passando temporada na terrinha, para matar a saudade dos inúmeros amigos e familiares.
Na foto, registrada hoje, os dois estavam prestigiando o programa Rapadura Cultural, que acontece todo fim de mês, na Praça Siqueira Campos.


Os grãos de Areia


Se eu disser que a cultura está atualmente em perigo, que está ameaçada pela influência do dinheiro, e do comércio, e do espírito mercantil, de múltiplas faces, ibope, pesquisas de marketing, expectativa de anunciantes, números de venda, lista de best-sellers, dirão que estou exagerando.

Se eu disser que os políticos, que assinam acordos internacionais reduzindo as obras culturais à espécie comum de produtos sem qualidades, dependentes de leis que se aplicam ao milho, às bananas ou às laranjas, contribuem,sem nem sempre sabê-lo, para o apequenamento da cultura e dos espíritos, dirão que estou exagerando.

Se eu disser que os editores, os produtores de filmes, os críticos, os distribuidores, os responsáveis pelas cadeias de rádio e de televisão, que se dobram precipitadamente à lei da circulação comercial, a da caça aos best-sellers ou às vedetes midiáticas e a da produção e glorificação dos sucessos a curto prazo e a qualquer preço, mas também a das trocas circulares de concessões e de complacências mundanas, se disser que todos estes colaboram com as forças imbecis do mercado e participam de seu triunfo, dirão que estou exagerando.

E no entanto...

Se eu lembrar agora as chances de parar essa máquina infernal repousam em todos aqueles e aquelas que, detendo algum poder sobre as coisas da cultura, da arte e da literatura, podem, cada um seu lugar e à sua maneira e , de sua parte, por mínima que seja , jogar seu grão de areia na engrenagem bem lubrificada das cumplicidades resignadas, e se acrescentar enfim que aqueles e aquelas que têm oportunidade de trabalhar em Revistas de Arte ( não necessariamente nas posições mais eminentes ou mais visíveis) estariam, por convicção, e por tradição, entre os melhores colocados para fazê-lo, dirão talvez, de uma vez por todas que sou desesperadamente otimista.
E no entanto...


Pierre Bourdieu
Paris, setembro de 2000

Obelisco do Centenário do Crato: flagrante do descaso com os monumentos históricos da cidade

Armando Lopes Rafael e Carlos Rafael Dias

Quem passa pela Praça Juarez Távora, também conhecida pela população como Praça de São Vicente, no centro da cidade do Crato,- comprova o estado de abandono daquele logradouro.

Inaugurada em 17 de outubro de 1953 , como parte da programação dos festejos do primeiro centenário de Crato,- ali foi erguido um obelisco para comemorar essa data. O obelisco, escondido entre as folhagens de uma mal localizada mangueira (cujas raízes já afetaram os alicerces do monumento), encontra-se bastante deteriorado. Uma triste imagem da falta de cuidado do poder público da Princesa do Cariri para com seus monumentos públicos.
Outras cidades cearenses, a exemplo de Sobral e Iguatu, implementaram uma política de revitalização dos seus espaços públicos. O resultado é que, hoje, essas urbes são exemplos de eficiência de planejamento e gestão do espaço urbano pela valorização do espaço público (parques, praças, ruas, repartições, prédios históricos etc). Na sua essência, o espaço público deve ser democrático e bem tratado, requisitos essenciais de todas as cidades que se prezam.
O poder público cratense bem que poderia seguir esse modelo, recuperando as praças da cidade e, incontinenti, priorizar a Praça 3 de maio (este é outro nome pelo qual aquele espaço é conhecido ). Desta forma, resgataria este significativo marco de uma cidade tão pobre em monumentos.


O cuidado vigilante com os locais públicos e monumentos históricos é o primeiro sinal de eficiência administrativa do poder público.

"SERESTEIROS DO BRASIL"

Emerson Monteiro


O rádio cratense possui larga história de sucesso, berço que é de locutores que marcaram época, tanto aqui, quanto em outros centros, profissionais de liderança e talento inquestionável. Desde 1934, com a chegada, em Fortaleza, da Ceará Rádio Clube, Crato forneceu nomes de peso e fixou raízes sólidas na radiofonia brasileira. A Rádio Araripe, pioneira do interior do Estado, seria inaugurada em 1951. Na década posterior, surgiria a Rádio Educadora, segunda emissora do Município, fundada em 1959.
Essas duas estações embalam com intensidade, a partir daquelas datas, algumas gerações; ditam a moda musical, formam e informam jovens e adultos, conduzidas por gerentes, apresentadores, discotecários, controlistas e técnicos de variadas origens artísticas e culturais.
Dada tais considerações, deter-nos-emos aqui no intuito de considerar, em rápido comentário, página consagrada na programação da Rádio Educadora, os Seresteiros do Brasil, programa levado ao ar de segunda a sábado, das 20 às 21h, pelos 10 quilowatts dessa querida emissora de ondas médias.
Acompanhamos esse programa da fase em que elaborava seu roteiro Almério Carvalho, com a locução de Dezim (Jota David), sempre de boa qualidade, divulgando o cancioneiro com a denominada música de saudade, ou de seresta, nascida durante o período áureo da Rádio Nacional, do Rio de Janeiro, décadas de 30, 40 e 50, anos marcados pela deflagração da Segunda Grande Guerra.
Esmerados compositores, maviosas orquestras e bem sucedidos intérpretes consagraram a radiodifusão e o disco de cera, e deram consistência ao romantismo, através das canções de repercussão universal junto ao público.
Com o andar do tempo, após o prematuro desaparecimento de Jota David, chega a outro momento, nos dias atuais, desta vez sob o comando de José Jesus de Almeida, profissional de sensibilidade e conhecimento da boa música popular, feito em cinco décadas dedicadas ao rádio, iniciado no ofício ainda nos primórdios da Rádio Araripe.
Dotado de voz limpa, calmo na entonação que utiliza, manifesta intimidade no naquilo a que se propõe, junto de uma audiência que cativa com o extremo zelo.
Aos ouvintes, Jesus de Almeida transmite serenidade. Além das canções de indiscutível bom gosto, que seleciona, preferência assegurada nos tantos roteiros elaborados em sua carreira, ele divulga, também, nos intervalos, mensagens de ânimo, otimismo, esperança e fé, característica que estende ao horário seguinte, no programa Suave é a noite, outra pérola de primor e seleção musical, que cuida com batuta impecável.
Assim, comentar alguma particularidade do rádio, em Crato, obedece a dever de justiça para com os que nele trabalham, reconhecimento do êxito da comunicação de massa em nosso interior.

Na próxima 4ª feira: Dia de Festas no Colégio de Santa Teresa

Na próxima 4ª feira: Dia de Festas no Colégio de Santa Teresa


Na próxima 4ª feira – 31 de outubro – a Congregação das Filhas de Santa Teresa de Jesus viverá um dia de festa, quando serão comemorados os 144 anos de nascimento e 92 anos de sagração episcopal de Dom Quintino Rodrigues de Oliveira e Silva, 1º bispo de Crato.

Consta da programação, a ser cumprida naquela data, a instalação do Ceped–Centro de Estudos e Pesquisas Educacionais Dom Quintino, destinado a resgatar e preservar a memória das Filhas de Santa Teresa de Jesus e seu patrimônio histórico-educacional.

Ocorrerá ainda, – no dia 31 de outubro – a reabertura da capela da casa-mãe da congregação. Esta capela – que tem como orago Santa Teresa de Jesus – estava ameaçada de desabamento devido à infiltração de água no terreno onde foi edificada. O templo foi restaurado mantendo toda a originalidade. Também será reaberta a Sala de Memória da Congregação, um pequeno museu que conserva objetos pessoais e documentos históricos dos fundadores daquela ordem religiosa: Dom Quintino e Madre Ana Couto.

Outros Eventos

A programação inclui ainda a celebração de uma missa e a sessão solene do Instituto Cultural do Cariri, às 17h00, no auditório do Colégio Santa Teresa, quando será empossado na Cadeira Dom Quintino, o advogado e diácono-permanente Policarpo Rodrigues Filho, por coincidência sobrinho-neto do 1º bispo de Crato.
Na ocasião serão prestadas quatro homenagens póstumas, a saber: ao Mestre José Lucas (artesão cratense, autor das ricas obras talhadas em madeira de lei existentes na capela de Santa Teresa); à professora Cléa Cabral e ao Mestre Genésio (responsáveis pelos desenhos e confecção dos antigos quadros de formatura – produzidos em madeira, de forma artesanal – para perpetuar as novas professoras, seus patronos e paraninfos) e ao fotógrafo Júlio Saraiva, autor das fotos e dos primeiros quadros de formandas do Colégio Santa Teresa de Jesus.