27 julho 2007

Só no Crato Mesmo...

DEODATO GLOBALIZADO
JFLAVIO

Quase todo mundo já se acostumara com as histórias estapafúrdias de Quinca de Filó, ali na praça Siqueira Campos. Chegava , invariavelmente, com aquela cara de ressaca, meio amassada e obscurecida por olheiras , parecendo uma lata de torrar castanha. Postava-se ali num canto, ouvindo mais que falando e só quando se recobrava um pouco daquele gosto de cabo de guarda-chuva é que começava a tecer suas considerações. No início, alguns grunhidos mal humorados, depois a articulação de palavras inaudíveis, só lá para o meio dia, começava-se a traduzir o que saltava da boca de Quinca. Valia a pena, porém, a paciência : o homem se tornara o maior depositário cratense de histórias fantásticas e impossíveis. Disso já se sabia, mas naquela terça-feira, depois da Expo/Crato, Filó simplesmente se superara.
-- Vocês sabiam que no último dia de Exposição, um bêbado morreu e mesmo assim, depois de esticar as canelas, ainda dançou a noite toda, bebeu cachaça na barraca de Luiz Jacu, rodou na roda gigante e , não bastasse isso, pegou carona num caminhão e foi bater em Campina Grande?
A Praça Siqueira Campos cobre-se daquela fauna própria das florestas interioranas. Os passantes, desavisados, que vão ao , ou saem do trabalho; os rueiros que escapolem para tomar um cafezinho ali no Café Crato; os taxistas esperando serem requisitados para alguma corrida; os transeuntes que se acercam das bancas de revista e finalmente aqueles que têm escritório montado na praça, aposentados oficiais ou independentes , que se deleitam tricotando as últimas novidades da Vila.Diante do release de história tão surrealista , saída da boca de Quinca, todos as almas numa circunferência de cinqüenta metros se aproximaram, curiosos, do nosso André Breton tupiniquim. Imaginaram, a princípio, que o homem vinha embalado ainda da Exposição e estava mais melado do que balcão de Correio ou talvez, simplesmente, endoidara. Aos poucos, no entanto, perceberam que ele acordara da ressaca e , dentro do possível, mostrava-se lúcido e coerente. Mas que diabos de conversa sem pé nem cabeça, de um defunto andarilho, era aquela ? Quinca, com platéia montada, de pronto estimulou-se a continuar a narração.
--- Não tem nada de mentira não. Vou contar direitinho como tudo aconteceu. No dia do show de uma tal banda chamada “Aviões do Forró”, o parque encheu de gente que não cabia mais nem uma linha zero. Ficou todo mundo espremido uns contra os outros, tal e qual sardinha na lata.Do lado de fora , tinha mais de quinhentas pessoas querendo entrar e sem poder. Nunca se viu tanta gente reunida aqui nesta cidade para ouvir música ruim. Pois bem, num é que lá no currupio da platéia estava “Cutia”, aquele pau-d´água da Vila Lobo. Não se sabe como o homem entrou e só depois se descobriu pra que. Beirando meia noite, o bêbado teve um colapso e morreu. Devia cair duro no chão, mas como, meu senhor? Espremido ali no meio da multidão ficou de pé. Morreu como batida e passou todo o show dançando ao sabor da multidão. Só lá pras oito horas, quando o povo saiu é que Cutia pode cair em paz. Mas aí, iam passando uns bêbados amigos ( e o que não falta neste mundo é solidariedade de bêbado), conheceram o amigo, imaginando-o capotado pela cana, botaram-no no braço e foram lavar o peritônio , cedinho, na barraca de Luiz Jacu. Deitaram Cutia em duas cadeiras e acabaram de encher o toba de cana. Aproveitaram e deram ainda umas goladas ao companheiro capotado ( e juram que o homem engoliu). Botaram novamente o fardo no ombro e subiram em procura daquela saída do parque que dá para o Pimenta.
Neste ponto , Quinca parou um pouco para respirar e, estrategicamente, procedeu como se a história tivesse terminado por aí. Após alguns minutos de silêncio, os ouvintes quase em uníssono, perguntaram:
---Sim, e o resto da história, como diabos é que o defunto andou no parque de diversões e viajou ?
Era a deixa que Quinca de Filó esperava. Respirou fundo, pôs-se pensativo como que tentando lembrar-se de um roteiro distante e impalpável e retornou ao fio da meada:
--- Bem, quando chegaram na altura do parque de diversões, já chumbados pela cachaça e pelo peso que carregavam, sentaram “Cutia” um pouco na cadeira da roda gigante . Era mais fácil de ele se manter no lugar, fechando aquele ferrinho de segurança da cadeira. Deitaram ao derredor e descansaram . Pois não é que o responsável pela roda gigante, chegando ao parque, ligou os motores para consertar a cadeira treze que estava lá no alto. Cutia então subiu na sua poltrona até à cumeeira e ficou contemplando a cidade amanhescente com seus olhos baços.Quando o maquinista notou que havia alguém passeando na roda, sem ter pago o ingresso, desceu , acordou os amigos e lhes entregou novamente a carga. Novamente os companheiros de Cutia colocaram o homem no tum-tum e já na saída do parque, cansados , resolveram deixá-lo descansando na carroceria de um caminhão baú ali estacionado. Encostaram-se, cambaleantes, pelas paredes do antigo Campo do Esporte e simplesmente desmaiaram. Despertaram do sono, sob o açoite do sol do meio dia. Um cutucou o outro bêbado e, quando saíam, lembraram-se: menino, cadê Cutia? Só que o caminhão não mais se encontrava no pátio. Souberam, depois, quando curaram da ressaca, que o bicho tinha ido pra Campina Grande .
Os circunstantes, embasbacados, quiseram, então, saber o desfecho da história. Quando descobriram que Cutia estava morto? Sepultaram-no em Campina Grande? Quinca de Filó, então, matou a curiosidade de todos.
--- O que soubemos, amigos, é que o caminhão ia transportando peças de couro do Mestre Expedito de Nova Olinda para serem exportadas para França. A última notícia da polícia paraibana é que Cutia embarcou com a carga para França e não mais se soube o paradeiro do homem. O Itamaraty , porém, informou que um cachaceiro francês, preso semana passada por arruaça, garante que viu um sujeito cambaleante, todo encourado, descendo numa das barcaças do Rio Sena, aboiando feito um doido.

MariaCafé - o mais novo "point" do Crato!



O Crato agora possui um ponto de encontro para o happy hour. Lá no Mandacaru Center, no final da galeria, há o MariaCafé "o sabor da simplicidade" para um bom papo ao som de jazz, mpb e tutti quanti excelências musicais. Lista dos "ilustres" frequentadores: Abidoral Jamacaru, Ulisses Germano, Lamar Oliveira, Zé Nilton, Jayro Starkey.. Tem muita gente boa por lá. Falta só você, Dihelson, levar umas imagens e sons do jazz. Vamos divulgar a boa música! Vale a pena conferir o MariaCafé, uma simpatia de lugar - bem transado e muito cult! A organização do novo espaço tá por conta dos publicitários Greg & Sabrina Souli, e do fotógrafo cratense Netto Castro.
MariaCafé
o sabor da simplicidade
Mandacaru Center, loja 9
Rua Dr. Miguel Lima Verde, 494 - Centro (Crato)