08 fevereiro 2007

Por que a amnésia do Crato?

Construídos monumentos para o Padre Antônio Vieira e José Clementino

Consoante informações do Prof. Indalécio de Freitas, já estão concluídos os monumentos que eternizarão a memória de dois ilustres filhos do município de Várzea Alegre: Padre Antonio Vieira e o compositor José Clementino. As estátuas serão localizadas na entrada e saída daquela cidade.

Uma curiosidade: A estátua de Padre Antônio Vieira reproduz o sacerdote montado num jumento, resgatando também o mais conhecido livro de autoria dele: “O Jumento, Nosso Irmão” escrito em 1964. Por outro lado, segundo o Prof. Indalécio de Freitas, a população de Várzea Alegre deseja transferir para aquela cidade o acervo doado pelo Padre Vieira à Fundação que leva seu nome. O acervo permanece na cidade de Fortaleza. Existe um projeto para a instalação do Memorial Padre Antônio Vieira, destinado a preservar objetos pessoais e a extensa obra literária do conhecido sacerdote caririense.
Para saber quem foram Padre Antônio Vieira e José Clementino clique aqui

Fonte: Assessoria de Comunicação
Universidade Regional do Cariri

Padre Antônio Batista Vieira

Nascido na Serra dos Cavalos, no Município de Várzea Alegre, no dia 14 de junho de 1919, Padre Vieira era filho de pais pobres que viviam no campo, dali extraindo o sustento da prole que se multiplicava. Padre Vieira conheceu na infância todas as limitações e privações peculiares à situação de absoluta pobreza, sendo obrigado a acompanhar os pais nas atividades agrícolas. O resultado dessa vivência, manifestado no contato com a terra sofrida, é traduzido na marca profundamente humana e sertanista dos seus escritos. Sua prosa revela contrastes admiráveis, quando o homem, refeito das adversidades do meio, reanima-se, poetiza e ri.
No sertão, ainda menino, o Padre Antônio Vieira freqüentou escolas de palmatória e sabatina, de onde rumou para o Seminário São José de Crato, a fim de cumprir uma velha aspiração dos
seus pais, que pretendiam transformá-lo num sacerdote. Sete anos depois, mudou-se para o Seminário de Fortaleza, onde concluiu Filosofia e Teologia.
Ordenou-se em 1942, no Seminário do Crato, ali ficando até o ano de 1953. Em 1964, Padre Vieira cursou Administração de Empresas na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Dois anos mais tarde, candidatou-se a Deputado Federal, sem nenhuma experiência política. Apesar de ter sido eleito, exerceu apenas a metade do referido mandato, sendo cassado pelo Regime Militar que então vigorava no Brasil..
A morte do Padre Vieira, ocorrida no dia 19 de abril de 2003, veio despertar nos varzealegrenses o desejo de terem, nesse município, um museu, onde se possa preservar não só a obra de Padre Vieira, mas também o legado deixado por outros ícones da nossa cultura.

Compositor José Clementino

Um dos mais vigorosos músicos nordestinos, o varzealegrense José Clementino do Nascimento Sobrinho é o autor de autênticos clássicos da música nordestina, tendo sido interpretado por alguns dos grandes nomes da Música Popular Brasileira, dentre os quais o ‘Rei do Baião’ Luiz Gonzaga.
Com o ‘Velho Lua’, o talento de Zé Clementino ganharia destaque nacional, ao passo que, por outro lado, a inventiva produção artística do compositor varzealegrense proporcionaria vitalidade e renovação à obra musical de Luiz Gonzaga.

Onde andará Stephen Fry ?


O blog do Crato preocupou-se ,nestes dias, com o desaparecimento do nosso grande colunista-cineastra-colaborador Glauco Vieira, das nossas conversas e papos habituais. O Dihelson contratou um Detetive Particular e, finalmente, conseguimos localizar nosso companheiro e está justificado, definitivamente, seu absenteímso neste blog. Casou e está residindo agora lá prás bandas do Grangeiro na casa que se vê aí fotografada por nosso detetive Raimundim da Singer. Em breve, feliz e recuperado, estará de volta às outras batalhas do dia-adia.