19 abril 2018

Crônica do fim-de-semana (por Armando Lopes Rafael)

Cratenses sonham com um prefeito empreendedor e antenado com o século XXI
     A cada quatro anos, num domingo do mês de outubro, os cratenses comparecem às urnas para eleger um novo prefeito. Entra prefeito, sai prefeito e, infelizmente, o que temos visto é a mesmice de sempre na Prefeitura de Crato: o marasmo e a falta de um gestor visionário, capaz de mudar – para melhor – a qualidade de vida da população da Princesa do Cariri. Ora bolas, já estamos cansados de escutar que o município não tem recursos; que a obrigação primordial de um prefeito é elaborar ações públicas para a saúde, educação, habitação... Não só isso!

    Hoje, quando acordamos – e saímos de casa para enfrentar novo dia de trabalho – deparamo-nos   com deficiências gritantes que acometem esta Mui Nobre e Heráldica Cidade de Frei Carlos. Pomposo assim!

Quem mora nos bairros Zacarias Gonçalves, Lameiro, Parque Grangeiro, Novo Horizonte, Grangeiro, Coqueiro, dentre outros, começa o novo dia já enfrentando um trânsito caótico; vendo os veículos entupindo as ruas estreitas do centro (quase todas esburacadas). A coisa só melhora quando atingimos as vias de acesso a Juazeiro do Norte. Em Crato, a frota de veículos aumenta toda semana. E há décadas, os últimos prefeitos não abriram uma única nova via de acesso alternativa, para entrada e saída de carros nos bairros acima citados. Não tem rua ou avenida por onde o trânsito caótico possa fluir nos horários de congestionamento e “rush”.

        Nossas praças continuam malcuidadas. Experimentem contar os buracos existentes no piso da Praça Alexandre Arraes, ou seja, a Praça da Quadra Bicentenário. Nossos logradouros não possuem jardins com plantas ornamentais.  Por outro lado, ninguém lembra mais quando foi a “prisca era” que a Prefeitura de Crato realizou uma campanha de arborização de nossas ruas.

        Hoje, ruas outrora limpas e bem cuidadas – como a Tristão Gonçalves e Monsenhor Esmeraldo –  convivem com o lixo e entulhos de construções em suas calçadas. Sem falar no desprezo pela pavimentação, onde se misturam pedras soltas com o asfalto. Convenhamos, as ruas de Crato– salvo raras exceções – estão feias e malcuidadas. Vem a SAAEC, tapa um vazamento, e deixa pedras mal colocadas no local do conserto. Aliás, nas duas ruas acima citadas, a atual administração não teve força para impor, sequer, o sistema de estacionamento de carros chamado “Zona Azul”. Os flanelinhas continuam a dominar aqueles espaços.  Prolifera no centro da cidade o comércio irregular dos camelôs, sonegando espaço para os transeuntes.  O Centro de Crato virou o simulacro de um “mercado persa”.

       Por isso, a população cratense alimenta o sonho de que, em 2020, apareça uma liderança política que elimine o atual estado de abandono desta cidade. Quem sabe, não surja um candidato nos moldes de Agenor Neto, ex-prefeito de Iguatu, que transformou aquela cidade. Cada espaço opaco de Iguatu (nas administrações de Agenor Neto) foi limpo e transformado num jardim. O calçamento das ruas foi todo refeito e era constantemente conservado. As praças de Iguatu ganharam projetos paisagísticos. Suas ruas foram arborizadas. As transformações sócio-espaciais de Iguatu – à época da gestão de Agenor Neto –, continuam ainda servindo de modelo para gestores competentes, bem-intencionados, dinâmicos, que priorizam o bem-estar da população de suas urbes. É este o sonho da população cratense. E só faltam 2 anos e 5 meses para as eleições municipais de 2020...
Abaixo, fotos de Iguatu na época da administração de Agenor Neto
 Abaixo, decoração de Natal na cidade de Iguatu
          

19 de abril: Dia de Santo Expedito

     Em Crato, existe uma imagem de Santo Expedito no Santuário Eucarístico Diocesano, que funciona na igreja de São Vicente Férrer, no centro da Cidade de Frei Carlos.
Santo Expedito foi chefe de uma legião romana na Armênia e guardava as fronteiras orientais do império contra ataques de bárbaros da Ásia em suas constantes investidas ao império Romano. Para tanto, Expedito era dotado de coragem, e se apoiava em sua fé.
     Expedito, era um apelido romano que exprimia o traço dominante de sua personalidade: presteza e prontidão. Apesar de sua fidelidade ao Império Romano, Santo Expedito e seus companheiros foram obrigados a passar pelo martírio em inteiro, pois além de padroeiro das causas urgentes é também padroeiro dos militares, estudantes e viajantes.
   

Parque de Exposição do Crato será o maior do Nordeste após reforma

    O governador Camilo Santana esteve no município do Crato, na região do Cariri, cidade onde nasceu. Acompanhado da primeira-dama do Estado, Onélia Santana, o chefe do Executivo assinou a ordem de serviço das obras de reforma e ampliação do Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcante, que anualmente recebe a Exposição Agropecuária do Crato (Expocrato). Após a reforma, o local será o maior da área de todo o Brasil ainda em 2018. Durante a solenidade, Camilo também autorizou a reforma do sistema de abastecimento d’água da cidade.

      “Estou aqui por causa de dois grandes anúncios. Um deles, uma obra, com investimento de mais de R$ 45 milhões, que vai recuperar e ampliar todo o sistema de abastecimento de água do Crato. E também autorizando a deixar esse o maior parque de exposição pecuária do Nordeste. A parte que ninguém conhece vai passar a conhecer, essa áreas de shows vai ficar ainda mais bonita. Vamos preservar a antiga casa do Corpo de Bombeiros, que será um patrimônio histórico. Essa reforma vai custar mais de R$ 35 milhões e o compromisso é que fique pronta antes de julho, para a Expocrato, do jeito que o povo da cidade merece”.

       As obras do novo Parque de Exposição Pedro Felício Cavalcante, cujo terreno onde vai ser construído foi conferido de perto pelo governador no turno da tarde, ficarão a cargo da Secretaria da Agricultura, Pesca e Aquicultura (Seapa). O equipamento terá um total de 21 edifícios, dedicados às diferentes funções, como recepção, boxes para artesanato, sala multifunções/exposições/museu, e uma sala dedicada aos engenhos de rapadura que fazem parte da história local.
      Com a reforma, o Parque de Exposições terá duas grandes zonas; a zona do recinto da feira, onde se concentram os edifícios e constitui o principal programa permanente, e a zona de parque/eventos temporários, constituídas maioritariamente por zonas livre e áreas verdes, destinadas a acomodar grandes eventos complementares às boxes dedicadas às exposições e feiras. As obras serão fiscalizadas pelo Departamento de Arquitetura e Engenharia do Ceará (DAE).
Fonte: Governo do Estado do Ceará

Centenário de nascimento de Dom Vicente Matos será comemorado na cidade de Crato














Na foto acima, São João Paulo II recebendo o 3º Bispo de Crato, Dom Vicente de Paulo Araújo Matos (à direita).

   O dia 11 de junho de 2018, marcará os cem anos de nascimento de Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, terceiro bispo da Diocese de Crato.  Esta efeméride será festivamente comemorada, com uma série de eventos, como forma de reconhecimento e gratidão pela gigantesca obra deixada por Dom Vicente Matos, ainda presente nos dias atuais em Crato e no Cariri.
     A iniciativa dessas festividades partiu da Diocese de Crato, em parceria com a Prefeitura Municipal de Crato/Câmara de Vereadores de Crato/Universidade Regional do Cariri/Fundação Padre Ibiapina/ Instituto Cultural do Cariri/ Academia de Cordelistas de Crato e Seminário São José. Na coordenação dos eventos está o Pe. José Vicente Pinto Alencar da Silva – Vigário Geral da Diocese de Crato e Cura da Catedral de Nossa Senhora da Penha.

As festividades
      Em reunião realizada ontem, dia 18, os representantes das instituições citadas, além de intelectuais e pessoas gradas da sociedade cratense, definiram – dentre outras – as seguintes providências:
– Realização de um tríduo espiritual – entre os dias 08 e 10 de junho vindouro – que constará de três celebrações eucarísticas na Catedral de Crato;
–  Denominação de uma rua ou avenida de Crato com o nome de Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, corrigindo uma omissão há muito reclamada pela população cratense;
– Realização de uma sessão especial da Câmara Municipal de Crato, no próximo dia 11 de junho, para homenagear Dom Vicente Matos, considerado “O maior benfeitor” desta cidade;
– Proposta visando à implantação de um pequeno memorial, para preservar fotos, imagens e objetos pessoais de Dom Vicente Matos;
– Restauração da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, existente no pátio interno da Fundação Padre Ibiapina, construída por Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, cujos trabalhos ficarão a cargo do Dr. Geraldo Correia Braga, Diretor da Rádio Educadora do Cariri e fundador da Missão Resgate, instituição católica-missionária que tem sede em Crato;
– Afixação de uma placa de mármore, no interior, ou no entorno da Catedral de Crato, alusiva ao centenário de nascimento de Dom Vicente Matos;
 – Oficialização da Biblioteca Dom Vicente Matos, no Seminário Diocesano São José de Crato, cujo acervo já se encontra em poder daquele educandário;
– Realização de um programa especial, a ser levado ao ar no dia 11 de junho de 2018, através da Rádio Educadora do Cariri, sobre a pessoa e o legado deixado por   Dom Vicente Matos para a cidade de Crato e para a região do Cariri.
***   ***  ***
     Nova reunião da Comissão que coordena a programação dos festejos do centenário de nascimento de Dom Vicente Matos está prevista para o dia 25 de abril, na Rádio Educadora do Cariri.

18 abril 2018

Pega da tua cruz e me segue - Por: Emerson Monteiro

Há nisso de renúncia à própria existência prevista nos calendários da sorte. Um tal de esquecer-se de si mesmo e somar impossíveis aos passos. Acender outras luzes consistentes e imaginárias, porém longe dos afazeres toscos do chão das almas. Aceitar a dor qual fator de risco e promissão. Entregar o ego no altar do Eu, sacrifício que lembra João Batista no que lhe aconteceu. Após batizar Jesus no Rio Jordão, dali já sabia de que a sua missão se findava. Ele tratou de recolher as tralhas na mochila e abraçar sua paixão, no desfecho que logo viria, história sabida e comentada pelo correr das gerações. 

O que o moço rico não aceitaria, ao ser convidado por Jesus a segui-lo. Ainda não estava preparado a perder o mundo. Carregaria lá mais à frente a fuga das ilusões e histórias humanas que voam feito pó no espaço mundo afora. Abrir mão do certo, do ponto de vista material, pelo esplendor dos invisíveis, razão de tudo, porém nascido na memória dos quantos vivem o drama da purificação do Ser.

Nisto o tanto do tema religioso sob conceito de religiosidade original, no íntimo dos seres cientes que buscam revelação através das vidas. Elaboração do mecanismo das existências. Olhares inteligentes, no entanto carentes de precisão naquilo que exercem os valores naturais. Quem sabe de tudo já agora? Poucos, raros, raríssimos. Sidarta Gautama, o Buda, diria que existem alguns que descobrem essa luz de consciência, uns vinte, talvez, dentre multidões de civilizações.

Contudo estamos nesta missão de salvação. Outros motivos só explicam, todavia terminam diante das cordilheiras em que o tempo faz dimensão. Carece coragem, a extensão maior do poder dos humanos através da vontade opcional da liberdade. Correr?... Não sabem aonde. Usufruir, eis o que resta nos selos dos objetos que somem; fruir dos bens oficiais da carne e da poeira, e pronto. Será apenas isto? 

(Ilustração: Angelus, de Jean-François Millet).

17 abril 2018

Raízes dos acontecimentos - Por: Emerson Monteiro

O conceito budista revela que reencarnamos por conta do carma, balanço do mal e do bem que nos leva através das vidas sucessivas até chegar no dharma, ou encontro definitivo com a Perfeição da infinitude. Enquanto não organizar tal mecanismo, nem pensar em equilíbrio eterno das condições da consciência em todos nós. Daí dizerem eles, os budistas, que quem reencarna é o carma, na via do autodescobrimento pelos universos da alma sem fim, marcas da evolução.

E os acontecimentos são fruto disso, dos carmas somados que regressam no esforço de livrar de si a matéria e achar a transcendência. Todos, nas suas pequenas naves individuais, a vagar nos serões das vidas, são autores pessoais do próprio merecimento. Por mais e muitos sejamos, obedecemos às tendências que a Natureza concede, nos dramas/comédias dessa possibilidade. Autores e atores, nos domingos dessa perenidade, senhores só aparentes da residência onde habitam cá dentro do eu, tangemos sonhos em forma de histórias particulares, outrossim influências inevitáveis da rua dos acontecimentos ali de fora, no passeio do Tempo, e nós dentro dele a observar as vidas, então.

Queiramos, sim ou não, estamos sujeitos aos fatores ocasionais de tudo quanto há, nas batalhas de encontrar a iluminação ansiada desta jornada pelos campos do Senhor. Notas interligadas de sinfonia miraculosa, exercemos papéis por vezes desencontrados até compreender a tal transformação que reclamamos dos outros e ser bem aqui dentro de nós criaturas humanas.

Nisso, nas águas que deslizam dos céus, deslizamos feitos gotas em busca do oceano da imortalidade. Parceiros dos jogos transitórios, pois, cruzamos as vistas no bem-estar dos dias, olhos presos nas intenções e prendas escorrem entre os dedos e chamamos sorte. Nada, contudo, sendo além de meras resultantes das ilusões que esmagam e constrangem, enquanto deixávamos de lado, quase sempre, a certeza da Felicidade, desde que construamos o Destino  A sós, na solidão desse deserto, virá a hora de partir aos novos conceitos que nos aguardam.

(Ilustração: Foto de Oyama Yukio).

Lembrando o Visconde de Ouro Preto, o último Primeiro Ministro da honrada monarquia brasileira – por Armando Lopes Rafael


“O Parlamento no Império era uma escola de estadistas, 
na República virou uma praça de negócios". Ruy Barbosa

   Amargas e atuais palavras, essas palavras de Ruy Barbosa. Lembrei-me delas ao recordar a figura do político Afonso Celso de Assis Figueiredo – o Visconde de Ouro Preto. Nascido em Ouro Preto (MG) em 2 de fevereiro de 1836, ele faleceu no Rio de Janeiro em 21 de fevereiro de 1912. 
    O Visconde de Ouro Preto foi o último Presidente do Conselho de Ministros do Império do Brasil, cargo que hoje chamaríamos de Primeiro Ministro. Naquela época o Brasil era uma democracia parlamentarista. E todas as decisões políticas eram feitas por parlamentares (senadores e deputados gerais) sob a vigilância do Poder Moderador, exercido pelos Imperadores brasileiros.
        É de autoria do Visconde de Ouro Preto o texto abaixo, que transcrevo para o conhecimento das novas gerações. A conferir.
    "O Império não foi a ruína. Foi a conservação e o progresso. Durante meio século, manteve íntegro, tranquilo e unido território colossal. O império converteu um país atrasado e pouco populoso em grande e forte nacionalidade, primeira potência sul-americana, considerada e respeitada em todo o mundo civilizado.
     Aos esforços do Império, principalmente, devem três povos vizinhos o desaparecimento do despotismo mais cruel e aviltante. O Império aboliu de fato a pena de morte, extinguiu a escravidão, deu ao Brasil glórias imorredouras, paz interna, ordem, segurança e, mas que tudo, liberdade individual como não houve jamais em país algum.       
       Quais as faltas ou crimes de Dom Pedro II, que em quase cinquenta anos de reinado nunca perseguiu ninguém, nunca se lembrou de uma ingratidão, nunca vingou uma injúria, pronto sempre a perdoar, esquecer e beneficiar? Quais os erros praticados que o tornou merecedor da deposição e exílio quando, velho e enfermo, mais devia contar com o respeito e a veneração de seus concidadãos? A república brasileira, como foi proclamada, é uma obra de iniquidade. A república se levantou sobre os broquéis da soldadesca amotinada, vem de uma origem criminosa, realizou-se por meio de um atentado sem precedentes na história e terá uma existência efêmera!"
Visconde de Ouro Preto

 

16 abril 2018

A divindade da música - Por: Emerson Monteiro

Quão de maravilhoso a música, beleza que chega tão perto de Deus. Eis o segredo da audição, que toca a alma da gente e revela grandeza absoluta nos sentimentos. De suavidade que transcende valores só materiais, a música abre portas aos encantos invisíveis do Universo; mostra meandros de mistérios inigualáveis aos outros sentidos. Para além das palavras e junto de outras falas e tons, permite ao coração penetrar doces dimensões da espiritualidade. Há que dizer que quem canta reza duas vezes. Uma religião de melodias a inspiração sublime da canção, nas partituras de ritmos e naipes. Música, divina música.

Estudos consideram que poesia é a filosofia no estado original, através de que os escritores transcrevem segredos de mundos inalcançáveis ao comum dos mortais. Nos poemas, a razão encontra o coração e transmite força de viva verdade interna às pessoas, enquanto a música bem significa já o coração a recorrer aos instrumentos da razão material na formação dos sentimentos em forma de enlevo e revelação das fibras íntimas do ser em notas e sabores doutras percepções. A religião no estado puro. Daí, os códigos acessíveis a toda cultura humana por meio da música divina.

A oralidade, ao seu modo, conduz religiões aos milênios. O mesmo ouvido que recebe a sublimidade da música também oferece espaço aos ensinos da consciência pela mística de voz e ouvidos vida afora.

Abre assim a música os portais da imortalidade na beleza dos sons que propagam na luz e amplia visões e sentimentos. Ciência de extrema valia durante o desenvolvimento da Humanidade, sustenta os laços da sensibilidade e dos amores puros. Quantas paisagens infinitas e eternas multiplica a música no correr do tempo. Sentido abstrato por natureza, a audição testemunha existência das possibilidades da mente e do coração em um amálgama requintado. Ali ambos reúnem em único bloco o supremo poder de tudo quanto existe e existirá, harmonia dos sons que no princípio era o Verbo, e Ele, ao se fazer carne, veio habitar entre nós, eco perfeito da perene Eternidade mãe.

As voltas que o mundo dá: Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) ocupa triplex do Guarujá: "se é do Lula, é nosso"


Fonte: Agencias de Notícias, 16-04-2018.

    Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e a Frente Povo sem Medo ocuparam na manhã de hoje (16) o apartamento triplex, no Condomínio Solaris, em Guarujá (SP). O imóvel é o foco das investigações que levaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à prisão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.
     Lula foi condenado a 12 anos e um mês de detenção. De acordo com as investições, o imóvel e a reforma, estimados em R$ 2,4 milhões, foram feitos pela empreiteira OAS em favorecimento da empresa em contratos na Petrobras.
     A ocupação foi divulgada nas redes sociais da Frente Povo Sem Medo e pelo pré-candidato à Presidência pelo PSOL, Guilherme Boulos, coordenador do MTST. Os manifestantes colocaram a bandeira do movimento e faixas na fachada do prédio com mensagens "Povo sem medo" e "Se é do Lula, é nosso".
 Foto: Guilherme Boulos Twitter / Reprodução

    Boulos postou a seguinte mensagem em seu Twitter após a ocupação: "O triplex do Guarujá foi ocupado pelo Povo Sem Medo. Se é do Lula, o povo pode ficar. Se não é, Sérgio Moro precisa explicar porque ele está preso".
     O ex-presidente está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) desde último dia 7. Até o momento, a Justiça Federal e o Ministério Público Federal não se pronunciaram a respeito da ocupação do triplex.

Crise sem fim: Em grave situação financeira, Correios cobram R$ 3,2 bilhões da União


Estatal pede a devolução de dividendos à sua controladora, referentes a dividendos transferidos em excesso ao governo federal quando a companhia ainda era rentável
Fonte: jornal “Estado de Minas”, 16-04-2018.

    Brasília – Em grave situação financeira, os Correios estão cobrando da União, sua controladora, a devolução de R$ 3,2 bilhões referentes a dividendos transferidos em excesso ao governo federal quando a companhia ainda era rentável. O foco da discórdia são os repasses feitos entre 2007 e 2013.
No período, os Correios transferiram, em valores atualizados, R$ 8 bilhões à União quando a legislação das sociedades por ações – que regulou os repasses entre 2007 e 2010 –e, posteriormente, o estatuto da companhia limitavam o pagamento obrigatório de dividendos a R$ 4,8 bilhões. Só entre 2011 e 2013, quando o estatuto já limitava o pagamento de dividendos para a União a 25% do lucro líquido apurado no exercício, foram transferidos quase R$ 3 bilhões.
A direção da companhia argumenta que o recolhimento excessivo de dividendos comprometeu a capacidade de investimento e a viabilidade econômico-financeira dos Correios. Na tentativa de rever esses recursos, a estatal, em ofício encaminhado há três semanas, solicitou para a Advocacia-Geral da União (AGU) a abertura de um processo de conciliação.
    Procurada, a AGU informou que o pedido está sob análise. Se aceito, o impasse deverá ser encaminhado à câmara da AGU responsável por negociar acordos amigáveis em controvérsias entre órgãos e entidades da administração pública.

Barrabás novamente aclamado -- por Pedro Henrique Antero (*)



     O Brasil vive momentos de difícil compreensão dos valores que até então foram cultuados em nossa sociedade. A operação Lava Jato tem tentado, ao longo dos últimos anos, aplicar a lei brasileira para os casos de corrupção dos políticos e dos empresários poderosos.
    Esses têm sido, infelizmente, a razão maior da miséria do povo e do mal-estar geral da população.
    Em relação ao ex-presidente Lula, líder da corrupção sistematizada no País, expressiva parte de brasileiros entende que ele não deveria ter sido investigado e nem muito menos condenado à prisão. Para esses, o Ministério Público e o Juiz Sérgio Moro foram simplesmente algozes de um inocente. E, ainda, preferem tê-lo novamente como presidente.
    Na data em que Lula foi preso, houve um culto chamado ecumênico à frente do sindicato dos metalúrgicos. Ali estavam alguns “sumos sacerdotes católicos”, cercados por uma turba que brandia contra Sérgio Moro e exigia a libertação de Barrabás. Moro que tem cumprido exclusivamente o seu dever profissional de julgar e tentar livrar o país dos desonestos era considerado um criminoso. Lula, ao contrário, revestido da figura de Barrabás, foi aclamado inocente.
    Na ocasião do culto, Lula, parcialmente ébrio, discursou aos líderes dos principais movimentos sociais para afirmar que sua prisão é devida, exclusivamente, ao fato de sempre ter defendido os pobres.
    Será que poderíamos dizer o mesmo acerca de Sérgio Cabral, Paulo Maluf, Eduardo Cunha, Antonio Palocci, Leo Pinheiro e Marcelo Odebrecht ? Esses, investigados ou condenados por motivos semelhantes aos de Lula, reivindicam também suas inocências.
    A organização para roubar grande volume de dinheiro público foi além das fronteiras brasileiras. Dirigentes de países sul-americanos estão também envolvidos na corrupção que teve origem no dinheiro emprestado pelo BNDES e na presença da Odebrecht. E tudo isso coordenado pelos governos de Lula e Dilma, que, segundo eles mesmos, lutaram sempre em favor dos mais pobres.

(*) Pedro Henrique Antero. Professor de Ciências Políticas. E-mail: phantero@gmail.com

Guia reúne 89 espécies vegetais da Floresta do Araripe-Apodi


Fonte: jornal O POVO, 16-04-2018.
Durante um ano e meio, pesquisadores do Ceará, Pernambuco e Paraíba trilharam a Floresta Nacional do Araripe-Apodi. Pelas veredas abertas onde o Cariri é mais verde, atravessaram cerrado, carrasco e floresta úmida, registrando a diversidade da flora. Murici branco, maracujá do mato, besouro, pequi. A travessia foi resumida em 130 imagens de 89 espécies vegetais pertencentes a 35 famílias.
O Guia de Plantas da Floresta Nacional (Flona) do Araripe-Apodi está disponível no site do The Field Museum, de Chicago (EUA). O endereço virtual hospeda guias de plantas, animais, algas, fungos e liquens de várias regiões do mundo.
TIPOS DE VEGETAÇÃO
Chapada do Araripe
Cerrado: espécies vegetais com formato tortuoso, solo mais rico em alumínio, caules retorcidos, ambiente mais aberto que a mata úmida, pobre em espécies de cactáceas.
Carrasco: hábito pequeno, os caules são mais retilíneos em comparação à caatinga, presença de trepadeiras (cipós), sem espinhos. As espécies vegetais estão próximas e entrelaçadas.
Floresta úmida: espécies linheiras, com altura superior a dez metros, pobre em gramíneas e muito rico em matéria orgânica morta formada por folhas secas e galhos. Esta área florestada ocorre sob um clima tropical, com dois períodos bem distintos: um chuvoso e outro seco.
Apesar da sazonalidade na precipitação, mantém mais de 80% da cobertura foliar durante todo o ano.
Multimídia
Confira o Guia de Plantas da Floresta Nacional (Flona) do Araripe-Apodi
http://fieldguides.fieldmuseum.org/pt-br/guias/guia/98

15 abril 2018

12 DE ABRIL, UM DIA MUITO ESPECIAL PARA O CONSELHO DE SAÚDE LOCAL DE PONTA DA SERRA






Neste dia 12 de abril o grupo composto por líderes comunitários, agentes de saúde, enfermeiras, médicas, mídia local e usuários do SUS, mobilizados para implementar a Farmácia Viva e Horta Comunitária no Posto de Saúde, teve a grata satisfação em receber os parceiros: Projeto Verde Vida, com a pintura de mural e os técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Agrário do município, que iniciaram os canteiros da Horta.

Neste mesmo dia 12 de abril, a enfermeira Sandra Nyedja recebeu em nome do grupo os acadêmicos do Curso de Enfermagem da URCA, e o professor Elizaudo Brito da disciplina Saúde e Meio Ambiente, que realizaram em sua aula de Campo com  a visita ao espaço da Farmácia Viva e Horta no Posto de Saúde da Ponta da Serra.

Segunda o Datafolha, maioria dos brasileiros vê como justa prisão de ex-presidente Lula


Fonte: Folha de S.Paulo
Opinião é de 54% dos eleitores ouvidos pelo Datafolha; 40% discordam. Levantamento divulgado neste domingo mostra que ex-presidente caiu até 7 ponto porcentuais; sem petista, Bolsonaro e Marina se aproximam

    O levantamento divulgado neste domingo é o primeiro após Lula ter sido preso. A pesquisa foi realizada entre quarta-feira (11) e sexta-feira (13) - Lula foi preso no sábado, 7, após se entregar na sede da Polícia Federal, em Curitiba. O PT ainda considera o ex-presidente candidato do partido ao Planalto e diz que irá registrá-lo dia 15 de agosto. A condenação em segunda instância, no entanto, faz com que ex-presidente se enquadre na Lei da Ficha Limpa. O registro depende de aprovação do Tribunal Superior Eleitoral.A prisão do último dia 7 foi justa e o ex-presidente Lula não irá disputar a eleição ao Planalto este ano, avalia a maioria das pessoas ouvidas na última pesquisa Datafolha.
Os entrevistados, no entanto, se dividem quando questionados se Lula deveria concorrer à eleição ou ser impedido de fazer campanha à Presidência.
      Esta é a primeira pesquisa feita após o petista ter iniciado o cumprimento de sua pena na sede da Polícia Federal em Curitiba. Segundo o levantamento, 54% das pessoas veem a prisão de Lula como justa, contra 40% que consideram o contrário. Seis por cento não opinaram. Houve uma reversão, entre janeiro e abril, da quantidade de pessoas que acreditam que Lula poderá concorrer. Hoje, para 62% dos brasileiros, o ex-presidente não estará nas urnas na eleição de outubro. Em menor quantidade, se dividem os que consideram que “com certeza” ele participará das eleições (18%) e os que pensam que “talvez” (16%). Em janeiro, uma fatia de 53% achava que Lula iria à disputa —dessas, 32% apostavam que “com certeza” ele seria candidato.
      O Datafolha aponta que as pessoas que consideram a prisão de Lula justa são, em sua maioria, homens, com maior taxa de escolaridade, maior média de salário e morador das regiões Sudeste, Sul ou Centro-Oeste. Entre os mais escolarizados essa porcentagem chega aos 71%.
A opinião de que a prisão foi injusta prevalece entre menos escolarizados, com 51%. Chega a porcentagens próximas entre os mais pobres e regiões Norte e Nordeste.

Raias da imbecilidade humana - Por: Emerson Monteiro


Havia de ser assim, durante longas datas, o homem lobo do homem, até revelar a condição de irmãos uns dos outros, nesta vala comum das horas. O itinerário deles, de nós humanos, escrevem com o sangue. Poderosos seriam os menos indicados a conduzir o barco no trilho das gerações. No entanto adquirem tal poder, mesmo que fracos de juízo e moral, e marcam a ferro e fogo as ancas dos inocentes. Mas reclamar sem ter a quem nas conferências abandonadas. Então, resta reverter o quadro dentro das próprias criaturas, única possibilidade que existe de viver sonhos de transformação, paz e consciência. 


Plantam só os frutos do imediato, de prazeres ilusórios; deitam e rolam no mar de lama onde puserem seus feudos pecaminosos. Acenam os místicos a outras chances, contudo nascidas do coração, do sentimento, rumo do Eterno. Indicam, demonstram, praticam, todavia olhos a quem possa ver. Nisso, as consequências da sanha do transitório em detrimento da transcendência do ser que somos ainda sem saber o suficiente de exercitar a libertação verdadeira.

Houve fase, que chamaram de Era da Razão, quando resvalaram nos abismos da ignorância e determinaram esse materialismo que ainda impera nas hostes de governo. Feras devorando feras, nos clímaces de guerra e destruição. Isso que repetem nas telas dos dramas através dos mercados, em que pessoas valem nada e lucros tudo valem. Resultado: dores, eliminação em massa, migrações forçadas, famílias esfaceladas, judiação e desamparo, sob as vistas míopes dos tais proprietários dos bens de produção. 

Sobram os depoimentos, comentários, esforços inúteis das reconstruções, numa fase de civilização em que ninguém fala de revolução, palavra tão em moda pouco tempo passado. Hoje o sentido de tantos resume o direito de sobreviver à burocracia dominante e aos interesses dos poucos. No entanto, é preciso persistir e jamais esquecer o motivo maior dos novos tempos, da alegria e da solidariedade, amor e compreensão. Depois das tempestades que advenha luz na face dos dias que vêm a caminho, no justo valor de Tudo. 

No Planalto, Cármen Lúcia pede para não ser chamada de “presidenta”

Fonte: jornal “Estado de Minas”

Brasília - A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, assumiu na sexta-feira, 13, a Presidência da República no lugar de Michel Temer, que viajou ao Peru para a 8.ª edição da Cúpula das Américas. Segunda mulher na história do Brasil a ocupar o Presidência - a primeira foi Dilma Rousseff em 2010 - Cármen Lúcia deve ocupar o cargo até a tarde deste sábado, 14, quando está previsto o retorno de Temer ao País.

Terceira na linha sucessória, Cármen assumiu o Palácio do Planalto porque os dois primeiros - o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE) -, concorrem a cargos eletivos e, por isso, estão impedidos. Cármen e Temer se encontraram na base aérea antes de o presidente embarcar, por volta das 11 horas.
A presidente em exercício chegou ao Planalto pouco depois das 15 horas. Para as audiências, avisou que não gostaria de ser chamada de "presidenta", como Dilma gostava. Optou por despachar na mesa redonda de 13 lugares no gabinete presidencial. Segundo auxiliares, ela não usou a cadeira presidencial.

14 abril 2018

LEVARAM NOSSA RÁDIO NA MARRA? - Por Carlos Eduardo Esmeraldo


A Rádio Araripe do Crato foi a primeira emissora de rádio instalada no interior do Estado do Ceará, um régio presente do Sr.Assis Chateaubriand ao Crato. A sua concessão foi feita à nossa cidade e jamais a sua sede poderia ter sido mudada para outra cidade. Porém, seus proprietários aproveitaram a migração da transmissão em Amplitude Modulada, (AM) para a Freqüência Modulada (FM) e transferiram para outro município a sede da Rádio Araripe, assim como a mudança do seu nome. Na minha modesta opinião, os poderes constituídos do nosso município deveriam reivindicar ao Ministério das Comunicações o retorno dessa emissora para nossa cidade. E melhor seria se um grupo de empresários adquirisse essa importante meio de comunicação.

A crise dos Correios


 A maioria dos prédios dos Correios foram construídos em 1932, no "Governo Provisório" de Getúlio Vargas. É o caso da Agência de Crato que ainda funciona no mesmo espaço há 86 anos

Fonte: Excertos da reportagem do programa “Bom Dia Brasil”, da Rede Globo, que fez um giro em São Paulo, Santa Catarina e Sergipe para mostrar exemplos do desmonte dos Correios.

     Alguém ainda lembra? A ECT já teve o título de empresa mais confiável do país. Hoje a empresa está mergulhada em dívidas e é criticada pela gestão política. Há uma crise sem fim nos Correios, uma empresa que tinha selo de qualidade e, agora, virou dor de cabeça para os brasileiros. Por todo o Brasil, os carteiros estão sumindo, as encomendas não chegam e os Correios anunciam fechamento de  agências. A empresa está mergulhada em dívidas e é alvo de críticas pela gestão política. Uma empresa que, anos atrás, detinha o título de mais confiável do país. A própria figura do carteiro sempre inspirou em nós essa confiança, credibilidade, mas agora a realidade é bem outra. Os tempos são outros.
      O que levou a empresa com o título de mais confiável do país a uma crise dessas? A empresa disse que teve prejuízo de R$ 2 bilhões em 2015 e quase isso em 2016. E em 2017 foi prejuízo de R$ 1 bilhão e 300 milhões de reais de prejuízo. “Hoje a atividade postal se restringe basicamente às comunicações judiciais e as operações comerciais, boleto, cobranças. Fora disso, a atividade mudou e mudou muito, com uma grande queda nos nossos serviços”, reconhece o presidente dos Correios, Guilherme Campos.
Fonte: “Bom Dia Brasil”, da Rede Globo de Televisão

Crônica do fim-de-semana

Privatizemos os Correios -- por Armando Lopes Rafael
   Acentua-se, a cada dia, a baixa qualidade dos serviços (ruins e caros) ora prestados à população brasileira pela Empresa dos Correios e Telégrafos–ECT. Típica da ineficiência das estatais brasileiras, a ECT é, ainda, alvo de muitas denúncias que vão desde o sumiço de encomendas, até a casos de corrupção (como ficou provado no escândalo do mensalão, em 2005). Ressalte-se que se os Correios já eram ruins no governo da presidente “impichada” Dilma Roussef, só piorou no governo do atual Presidente Michel Temer.

   Resido em Crato. No dia 02 de janeiro do corrente ano enviei uma carta para um amigo residente em Guaraciaba do Norte, cidade localizada no Norte do pequeno Estado do Ceará. A carta levou exatos 45 dias para ser entregue ao destinatário. Ultimamente, até os “sedex’s” estão sendo entregues com atraso. Eu já fui vítima dessa anomalia. Já as faturas para pagamento dos nossos compromissos financeiros estão chegando com mais de uma semana após o vencimento. Às vezes até mais.

     Creio que chegou a hora de resolvermos esses descalabros. A solução? A privatização da ECT. Na Inglaterra, a abertura de capital do Royal Mail, primeiro serviço de correio do mundo, foi feita em 2013. O governo de Sua Majestade faturou – com a venda da metade das ações do correio inglês – 2 bilhões de libras. Ou seja, mais de 9 bilhões de Reais. Ressalte-se que o governo do Reino Unido, nesse processo de privatização, deu 10% das ações do Royal Mail aos funcionários da empresa.  Imitemos um exemplo que deu certo. Além de estancar uma fonte perene de déficits (a ECT teve prejuízos sucessivos nos últimos cinco anos, mais de 1 bilhão de Reais só em 2017), a venda dos Correios ajudaria o governo a fechar o caixa de 2018. E, se os funcionários se tornarem acionistas (como aconteceu na Inglaterra), a ECT voltaria a ter eficiência, cumprindo o papel para o qual foi criado.
Publicado no "Diário do Nordeste", Fortaleza (CE) edição de 14-04-2018.

"Coisas da Ré Pública" -- A crise dos Correios: em Fortaleza, ECT busca novo galpão para unidade operacional


Fonte: "Diário do Nordeste", 14-04-2018 -  por Nícolas Paulino - Repórter

Após o incêndio, a empresa passou a usar duas unidades próprias e de outro espaço cedido na Capital - Há dois meses, 90% do Centro de Distribuição foram destruídos pelo fogo ( Foto: Natinho Rodrigues )

      A professora Diana Moreira está esperando a segunda filha para maio. O enxoval, que já deveria estar no ponto, virou motivo de dor de cabeça. "Fiz duas encomendas em uma loja de São Paulo. Uma saiu para entrega no dia 12 de março, há um mês. A outra saiu no dia 21. Nenhuma delas chegou em minha casa, ainda", relata. Diana foi uma das afetadas pelo incêndio no Centro de Tratamento de Cartas e Encomendas (CTCE) dos Correios, em Fortaleza. Há dois meses, 90% do local foram consumidos pelo fogo e se esvaíram em cinzas. Agora, os Correios procuram um novo galpão com área superior a 8.700 m², em Fortaleza, Eusébio, Aquiraz ou Itaitinga, para a instalação de uma nova unidade operacional.
     Em nota, a empresa informou que, após o incêndio no CTCE, passou a usar "duas unidades próprias e de um espaço cedido à empresa na Capital, além do apoio de outros três centros de triagem no país: dois em São Paulo; e um em Salvador". Sobre a estrutura danificada do CTCE, os Correios afirmam que estão providenciando a contratação, em caráter emergencial, de serviços de desmontagem da estrutura metálica do teto atingida pelo incêndio e retirada de entulhos do galpão
.
 Engenharia
     "Após essa etapa, será efetuada a contratação de serviço de engenharia diagnóstica para perícia da edificação e elaboração de laudo sobre as extensões dos danos, o qual irá subsidiar as tomadas de decisões seguintes", diz a nota dos Correios.
     Por ora, segundo um dos coordenadores do Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares do Estado do Ceará (Sintect-CE), Avelino Rocha, a área administrativa do próprio CTCE foi adaptada para a separação dos objetos. Também estão em uso o Centro de Logística Integrada (CLI) do Eusébio e um galpão no Cais do Porto, em Fortaleza.
     Além disso, o Centro de Entrega de Encomendas (CEE) vem operando também à noite, em escala de terceiro turno. Porém, de acordo com o coordenador, as unidades não oferecem boas condições de trabalho. "Já fizemos denúncias ao Ministério Público do Trabalho. O prédio do CLI é insalubre, tem muita poeira e calor, além de ser uma região de difícil acesso. Em outras unidades, por serem provisórias, falta climatização", aponta.
    Segundo ele, o Sintect-CE solicitou um plano de contingência à diretoria dos Correios, com orientações para assegurar a continuidade das operações postais, mas não obteve resposta. "Até então, não há nenhum plano e nada foi sinalizado sobre reconstrução ou reparo do CTCE".
     Enquanto isso, Diana Moreira segue em peregrinação por agências dos Correios em busca de respostas. "Fui no Centro de Distribuição da Maria Tomásia e em outro da Praia de Iracema. A informação que recebi era a mesma que eu já tinha visto no computador de casa. Os funcionários não estão preparados para lidar com esses problemas e, inclusive, foram arrogantes", destaca a professora Diana.

Mala
     Uma das atendentes contou a ela que existe uma chamada "mala", geralmente com 500 a 600 objetos, que chegam aos centros e, por isso, segue ansiosa no aguardo dos produtos. Diana diz que encontrou dezenas de pessoas na mesma situação e que, além disso, o ateliê que enviou suas encomendas não pretende mais utilizar os serviços dos Correios: está pensando em procurar uma transportadora por conta própria.
    Os Correios optaram por não disponibilizar dados de quantos clientes foram afetados e de quantas encomendas foram perdidas no sinistro "em função do seu caráter estratégico". Também afirmou que um plano de ressarcimento foi apresentado ao Procon Fortaleza e ao Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon), mas não entrou em detalhes sobre as ações impetradas.
    A empresa informou ainda que o processo de indenização está em andamento para os remetentes de objetos com valor declarado que efetuaram manifestações consideradas procedentes nos canais de atendimento dos Correios. "Para os objetos sem declaração de valor, será necessária a conclusão das perícias técnicas realizadas pelos órgãos competentes", completa.

12 abril 2018

A voz da noite - Por: Emerson Monteiro

A doce interrogação das vidas ligeiras que pesam no peito de todos nós, que sejamos quais gregos ou troianos, cascabulhos ou humanos. Ruas e vales, angústias de tantos e amores vãos que só refazem a antiga trilha do destino vez em quando desfeita. Lúcidos seres de velhas cantigas, marcas de sonhos largados pelas estradas mundo afora, e amargas ilusões deixadas aos céus dos dias. As flores desse brejo da continuidade sem limite, no silêncio em que os grilos tocam sinfonias de orquestras magnânimas em meio à escuridão adormecida no futuro. Ninguém mais sabe, ninguém mais viu que ainda e aonde dará o trilho dessas estrelas neste mar informe de horas e séculos amarrados aos barcos nas ondas intermináveis das existências.

Como descrever, pois, o que acontece dentro dessa casca das almas que vagam na Eternidade sem fim? Sóis acesos nos olhos da distância longa, inevitável, lá bem no centro do Universo quando histórias preenchem o tempo de estar vivo e ser. Marchas solenes e exércitos que conhecem todas as batalhas de muitos e desconhecidos territórios.

Que lógica de explicação a isso de preencher o sentido das presenças envolvas de dúvidas e mistérios? Que, além disso, onde habitariam as antigas consciências nos apuros, supremas indagações de porquês e por quês?  Quiséssemos admitir o quanto percorrer até chegar na paz tão esperada e teríamos de aceitar de bom grado o gosto travoso das surpresas, nós que nos achamos prudentes e civilizados, bizarros e heróis.

Mentes e corações assim entrelaçados na aventura de sobreviver aos prazeres do chão insólito, tornamo-nos meros audazes conquistadores de fama mergulhados no rio das emoções, afoitos convertidos das entregas em nome do gosto de aproveitar viver. São eles, somos nós, que existimos nos desertos de velhos sábios, de credos e flores virgens. Caberá, portanto, só amar, sobretudo, querer amar e plantar felicidade hoje e sempre.

A Misericórdia de Deus -- por Dom Fernando Panico (*)

   Celebramos, neste segundo domingo da Páscoa, a Festa da Divina Misericórdia, instituída pelo Papa São João Paulo II.
    Não podemos duvidar do perdão e da amizade de Deus, pois a misericórdia que o Senhor oferece aos que se arrependem é infinitamente maior que todos os nossos pecados. “Bem-aventurado aquele a quem o Senhor jamais cobrará o preço do pecado!” (Rom 4,8). O abismo das misérias humanas grita pelo abismo da misericórdia divina.
    O Bispo São João Crisóstomo pregava: “O que é o pecado na presença da misericórdia de Deus? Uma teia de aranha que desaparece para sempre sob o sopro do vento”.
     Que a Festa da Divina Misericórdia seja um convite para fazer do amor e da misericórdia um verdadeiro programa de vida, um estilo de ação.

(*) Dom Fernando Panico, Bispo-Emérito de Crato

Fonte: Facebook de Dom Fernando Panico

STF marca para dia 17 julgamento que pode tornar Aécio réu no caso JBS



O STF (Supremo Tribunal Federal) marcou para a próxima terça-feira (17) o julgamento do recebimento de uma denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG). O tucano foi denunciado em junho do ano passado sob acusação de corrupção passiva e obstrução à Justiça em uma investigação derivada da delação da JBS. Se os ministros da Primeira Turma receberem a denúncia, Aécio virará réu no Supremo. A denúncia, oferecida pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot, foi a primeira que resultou do escândalo da JBS. O relator é o ministro Marco Aurélio, que pediu a inclusão do processo na pauta de julgamentos. Também foram denunciados Andréa Neves, irmã do senador, Frederico Pacheco, primo dele, e Mendherson Souza Lima, assessor do senador Zezé Perrella (MDB-MG), que é aliado de Aécio. Os três foram presos preventivamente em 18 de maio de 2017 e soltos no mês seguinte por decisão do Supremo. Agência Brasil Via Blog do Crato


10 abril 2018

Sem culpa, sem medo - Por: Emerson Monteiro

O importante é crer. Nada mais causa espanto, quando se crê. Os piores momentos não passam de provas enviadas por Deus a fim de medir nossas forças e saber de que recompensa nos mostramos dignos.                                       Charles Peguy, escritor francês morto na Primeira Grande Guerra.

Por vezes os humanos se deparam com a solidão no usofruto das circunstâncias e dos dias. Eles a tratam, contudo, quais momentos e modos adversos e, raras ocasiões, os aceitam a título de consequências parciais das horas passageiras. Têm medo de ficar só, quase normalmente acontece. Alguns chegam considerar espécie de maldição o isolamento a que devem suportar, querendo a todo custo reencontrar companhias, independente das características delas.

Porém de algo estejamos certos, quem não for boa companhia a si próprio nas horas da solidão dificilmente sê-lo-á quando junto de outros, conceito dos mais evidentes face às experiências de mundo. Zelar pela consideração no trato consigo representa, pois, o quanto poderá demonstrar diante dos semelhantes.

Nisso limpar a culpa e dispensar o medo de que dela resulta prepara aos embates do inesperado. Quem não deve não teme, diz a população na sua linguagem cotidiana. Passar uma bucha no passado e construir o futuro, ação prudente e salutar. Inclusive nas crenças isto vem nos primeiros lugares. Como aguardar o de que não merece sem ser injusto? Admitir um Ser soberano que a tudo rege e domina e querer lhe transferir as mesmas contradições de onde nasceram limitações humanas representa primarismo inconsequente e desleal.

Andar sozinho nas jornadas deste chão pede atenção e sacrifício, e a limpeza dos vagões da alma. Merecer de si confiança, portanto, possuir tudo a ver nos espaços do silêncio e do isolamento. Tais postulados mínimos, quem primeiro avalia os íntimos corações significam os que vivem de perto, as pessoas interiores. Conhecer a si e depois, então, conhecer o Universo em nós.

Mulher assumirá Presidência da República pela segunda vez, agora é a ministra Carmem Lúcia

 Na história, é a sexta vez que um presidente do STF assume o Executivo. O primeiro a exercer o cargo foi o cearense  José Linhares, em 1945.  
    Brasília. Com uma relação marcada por idas e vindas com Michel Temer, a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Carmén Lúcia, terá de assumir a Presidência da República na próxima sexta-feira (13). Com a ausência do pemedebista no país, que viajará ao Peru para participar da Cúpula das Américas, ela exercerá o cargo por apenas um dia para evitar que os presidentes da Câmara e do Senado se tornem inelegíveis neste ano. Cármen evitará despachar no Palácio do Planalto. Os substitutos do presidente costumam adotar postura discreta para evitar suspeitas de que tenham interesse no cargo.
     Será a primeira vez que ela comandará o Executivo e a segunda mulher a exercer o posto. A expectativa é de que Temer retorne ao Brasil no sábado (14), reassumindo o cargo. O presidente do STF é o quinto na linha sucessória. Com a ausência do presidente, assumiria o vice-presidente. Com o impeachment de Dilma Rousseff, contudo, o país não tem ninguém à frente da função. Na sequência, viriam os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).
    Os dois, no entanto, serão candidatos neste ano. A lei eleitoral determina que quem assume a Presidência da República seis meses antes das eleições se torna automaticamente inelegível. Maia é pré-candidato à sucessão presidencial pelo DEM e Eunício disputará a reeleição como senador pelo Ceará.Para não assumirem o Executivo, eles precisariam apenas se licenciar do cargo, mas resolveram também se ausentar do país. Eunício viajará ao Japão e Maia se deslocará ao Panamá na quinta-feira (12).

Missionário da Misericórdia na Diocese de Crato, Padre Acúrcio participará, em Roma, de encontro com Papa Francisco

Na foto, à direita, Pe. Acúrcio, da Diocese de Crato
     Padre Acúrcio de Oliveira Barros, reitor do Seminário Diocesano São José, está em Roma, onde participa de atividades com o objetivo de avaliar os frutos da missão (ele foi nomeado Missionário da Misericórdia à época do Jubileu, realizado entre 2015 e 2016) bem como o planejamento dos próximos passos (mesmo com o término do Ano Santo, o papa decidiu instituir, de forma permanente, a figura do Missionário na Igreja).
     Junto aos demais missionários (cerca de 600), Padre Acúrcio participa de momentos de oração, adoração ao Santíssimo Sacramento e conferências. A programação teve início no domingo (8) e segue até a próxima quarta (11). Um encontro particular com o papa Francisco é destaque na agenda. Acontece nesta terça-feira, dia 9, na Basílica São Pedro, onde o pontífice também preside a Eucaristia, às sete da manhã, hora de Brasília.
     “Tem sido dias de experiências pastorais e teológicas muito fortes. O que aqui tem sido refletido, estudado, é de um cunho teológico muito alto, ao mesmo tempo de um apelo pastoral muito forte. Aqui, junto à Cátedra de Pedro, tenho colocado, em oração, a nossa diocese, o nosso bispo, os nossos seminaristas e também todo o povo de Deus”, conta Padre Acúrcio.
     A missão do Missionário da Misericórdia é reconduzir à reconciliação todos aqueles que procurarem a misericórdia de Deus.
Fonte: Site da Diocese de Crato

"Coisas da República": O caos da administração pública do Rio de Janeiro: primeiro trecho ferroviário construído no Brasil está desaparecendo

    Inaugurado, em 1852, pelo Imperador Dom Pedro II e concluído em 1854, o histórico trecho ferroviário Mauá-Fragoso está sem uso operacional desde 1962; parte dos seus trilhos foram roubados, segmentos foram asfaltados ou invadidos por construções irregulares e suas estações foram demolidas. Vítima do descaso tão característico do regime republicano, esse fragmento da história Imperial, no município de Magé, no Estado do Rio de Janeiro, corre sério risco de desaparecer.
     Há 30 anos, a Associação Fluminense de Preservação Ferroviária vem lutando para que isso não aconteça, e assim enfrenta o duro desinteresse das autoridades. Em fevereiro, a entidade criou a Ideia Legislativa, no site do Senado Federal, propondo o chamado “Programa de Recuperação do Trecho Ferroviário Mauá-Fragoso”, com a ideia de que o Ministério do Turismo capitaneie a organização de uma gestão compartilhada, dedicada a envolver a sociedade civil, fomentar o turismo cultural e preservar a memória ferroviária, tão valorizada na Monarquia, mas vilipendiada pelas autoridades republicanas.
     Esperamos que o projeto dê certo, para que, em um futuro próximo, um membro da Família Imperial Brasileira possa estar presente na cerimônia de reinauguração do trecho ferroviário!
     Para ajudar, basta ir à página da Ideia Legislativa no site do Senado, clicar no botão APOIAR (em verde, à direita):
https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia…
       Você pode registrar seu apoio usando sua conta no Facebook, no Google ou cadastrando-se no portal. Também compartilhe a Ideia com seus familiares e a amigos!

09 abril 2018

Almas penadas - Por: Emerson Monteiro


Noite lenta. Sons distantes de cães latem de encontro ao silêncio, quais notícias soltas de existências à busca de afirmação nos vagos da rude solidão. Escuro aqui. Escuro mundo afora. Nalgum casulo preso nas folhas que sacodem ao vento frio da Serra, alguma borboleta sonha com a liberdade nalgum dia. Dentro de mim também sacodem sonhos impacientes do túnel de onde, um dia que seja, acharei a liberdade, e que moram guardados no coração das pessoas. 


Enquanto isso, a noite segue no seu leito de solidão adormecida mas que revira na sombra os movimentos inertes das estrelas que reluzem lá dentro do céu imenso. Elas passam à busca dos viajores perdidos nas encostas, retardatários das longas jornadas do Destino. Elas, as visagens dos que morreram e insistem permanecer retardatárias nas dobras deste chão, vagando almas vadias nos apegos dos desejos que alimentavam de permanecer no desespero de haver largado a matéria sem dominar os jogos da natureza. Às vezes ouvem os galos fora de hora, as raposas que buscavam os galinheiros e fogem assustadas ao susto dos mortais inesperados. 

Eu escuto quando mais outra macaúba caiu do pé quase junto da janela, retalhando meus pensamentos de passados remotos, avisando as horas que mergulham nos gritos dos morcegos que investem nas ausências e desaparecem pelo infinito da escuridão em volta. Partida de um xadrez imaginário entre mim e o senhor das interrogações bem ali se estabelece, lances calculados a peso de largas considerações irmãs gêmeas do silêncio e da noite. 

Em volta, elas observam abismadas o quanto ainda resta mover as peças no tabuleiro imenso da colina espalhada sobre o mar das nuvens que deslizam lá fora rio adiante, marcas profundas do tanto de seres que desconhecem o passadio dos vivos, que deixaram de ser, sem ir e sem saber regressar. Quantos e tantos são assim nessa noite das saudades adormecidas. 

08 abril 2018

O farrapo dos dias - Por: Emerson Monteiro

É isso que passa à história, só pedaços manipulados daquilo que transcorre e desce pelo filtro da mídia nos interesses da informação. Quase nunca corresponde à verdade verdadeira, porquanto prevalecem meras particularidades diante dos acontecimentos isentos. Poucos, raros, são os responsáveis pela guarda plena de ocorrências claras nos armários da tradição, nesses tempos contemporâneos, reconhecidos de versões inexatas das notícias.

Vez em quando traços reais prevalecem diante dos falsos valores de poder. A comunidade da informação exige custos elevados que os repassam aos órgãos dominantes e cobram caro por isso. Resultado, pouca verdade ou justiça no que se conta através dos livros após transcritos os jornais, as revistas, os códigos da mídia oficial, que hoje existe a duras penas financeiras dos erários de governos. Seriam meras peças de reposição de mandatos as transcrições ofertadas a público ávido de consciência, porém frustrado e conivente face ao lixo de comunicação transmitido nas usinas que mantêm o funcionamento da sociedade por meio de letreiros, falas e imagens vendidas cotidianamente. Narrativas interesseiras de discursos interesseiros. Patrões pervertidos de cidadãos vulneráveis.

Mais que isso em nada há de que contar os amores clandestinos de grupos e competição, nos ditos meios de massa de comunicação. Mal desnecessário ou hipnose coletiva? A propalada crise de credibilidade dos tantos órgãos que sustentam o mercado das ações da informação distancia, portanto, da coerência política, enjeitados eleitores e pretensos detentores da verdade histórica, ora afastados a ferro e fogo do que seria a ciência social lúcida e transparente da democracia da comunicação coletiva. Duros são, pois, os métodos de dominação a que tantos respondem na própria pele, em face do mau uso deste bem tão precioso da transmissão de conhecimento a que chegaria a Humanidade, porém desvirtuado em mãos pecaminosas e escravocratas dos senhores feudais dessa hora da espécie humana.

(Ilustração: Guernica, de Pablo Picasso).

Há um Deus nos céus - Por: Emerson Monteiro

Em toda parte e no todo, há um Deus perene. A mente humana, por mais buscasse justificativas várias, nunca superou as crenças em um Poder maior. A força desse equilíbrio universal que a tudo rege e domina as consciências no sentido da sobrevivência moral, intelectual e espiritual, quiseram conter no ímpeto das criaturas de revelar a essência do Ser, isso através de teorias e conceitos, no entanto quase nada restaria de tais tentativas materialistas. Filósofos e escolas apenas permitiriam a prova de que existe, durante qualquer tempo, a persistência do aspecto transcendente das vidas, ignorado a título de justificar o domínio do egoísmo na face da Terra.

Esse lado mítico da inteligência houve de persistir e seguirá firme na epopeia de vencer a fome da ignorância, estabelecendo bases de profundas transformações na civilização e nas instituições. Não fora tal grandeza de afirmação, e teríamos desparecido diante das tantas contradições da espécie, detentora de relativo poder com relação aos movimentos da Natureza.

Portanto, há um Deus nos céus que em tudo prevalece, por vezes de tantos e tanto desconhecido (“... embuçado nos céus”, qual dissera Castro Alves). Contudo eterno, soberano, a Lei, o princípio original, o Sol das consciências, a Luz verdadeira, Pai Superior, fonte absoluta do possível e do impossível, esperança e certeza dos dias melhores de Amor e Paz.



À medida que acalma o desejo de controlar as incertezas deste chão, ali amanhece nos humanos esta revelação tão poderosa quanto a imortalidade, porquanto perfeição definitiva dos valores da imaginação em que isto repousará para sempre, a razão primordial do Infinito. O quanto representa saber que somos seres em crescimento estabelece, pois, a noção das profundas atitudes rumo das transformações valiosas de nós mesmos, motivo das buscas e da formação dos grupamentos religiosos. 

Um ano de vida eterna: Missa em memória de Dom Newton foi celebrada na Catedral -- por Patrícia Mirelly (*)

“Combate o bom combate”, este  foi o lema do episcopado de Dom Newton Holanda Gurgel, quarto Bispo Diocesano de Crato, falecido há um ano, em 06-04-2017.
     Em sua memória, foi celebrada Santa Missa na Sé Catedral Nossa Senhora da Penha, em Crato, na tarde desta sexta-feira, dia 6 de abril, presidida pelo Vigário-Geral da Diocese e Cura da Catedral, Padre José Vicente Pinto Alencar da Silva, com participação de vários fiéis, e também de  familiares e amigos de Dom Newton.
     
Na homilia, Padre José Vicente recordou as muitas virtudes de Dom Newton, das quais destacou a serenidade. “Hoje nós lembramos a sua páscoa, a sua passagem para a vida eterna. Certamente, ele recebeu a coroa da vitória, pelos seus feitos e pela sua dedicação, sobretudo, por ter sido um homem de fé, uma fé experimentada na concretude da vida, de alguém que se deixou conduzir pela doutrina de Cristo e pelos ensinamentos da Santa Igreja”, afirmou.
        Após a celebração eucarística, todos seguiram em cortejo até à Capela da Ressurreição, no interior da  Catedral de Crato, para ofertar flores e rezar ante o túmulo de Dom Newton. Mais cedo, outras duas Missas foram realizadas na mesma intenção. A primeira na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, às seis e meia da manhã, e outra uma hora depois, na Capela de Nossa Senhora da Conceição, localizada no antigo Palácio Episcopal, presidida por Dom Gilberto Pastana, atual Bispo de Crato.
     Dom Newton Holanda Gurgel esteve à frente do pastoreio da diocese de Crato, como titular por oito anos e meio. antes, de 1979 até 1993 foi Bispo-Auxiliar desta diocese. Em seu legado como bispo, ordenou vinte e oito sacerdotes e criou quadro paróquias. Em 02 de maio de 2001, teve aceito o pedido de renúncia, por motivo de idade. A partir daí, na condição de Bispo-Emérito, recolheu-se à sua residência particular, em Crato, vindo a falecer no dia 6 de abril do ano passado, vítima de insuficiência respiratória e falência múltipla dos órgãos. Ele morreu aos 93 anos de idade.
Estampa-lembrança distribuída na missa
Túmulo de Dom Newton, localizado na Capela da
Ressurreição, na Catedral N.Sra. da Penha, em Crato

(*) Patrícia Mirelly é jornalista e trabalha na Cúria Diocesana de Crato.

07 abril 2018

"Diante das atuais denúncias de enriquecimento das nossas autoridades: saudades dos Tempos Imperiais", ou "As Dívidas da Imperatriz Leopoldina"


      A primeira Imperatriz do Brasil, Dona Leopoldina (filha do Imperador da Áustria e esposa de Dom Pedro I) não se interessava por roupas caras e enfeites, mas era uma inveterada gastadora, pois seu bom coração de cristã a levava muitas vezes a distribuir esmolas da sua própria dotação a todos os que sofriam e vinham apelar para a sua magnanimidade.Com isso, Sua Majestade gastava mais do que podia. Quando morreu prematuramente, em 1826, verificou-se que tinha algumas dívidas, decorridas de suas obras de caridade. A Assembleia Geral do Império, portanto, sentiu-se no dever, e teve a honra, de mandar efetuar os pagamentos desses débitos deixados pela bondosa Imperatriz, mãe do segundo Imperador do Brasil, Dom Pedro II.

(Baseado em trecho do livro “Revivendo o Brasil-Império”, de Leopoldo Bibiano Xavier).

06 abril 2018

Crônica do fim-de-semana (por Armando Lopes Rafael)

Crato poderá perder acervo dos 23 quadros de Sinhá D’Amora  que eram exibidos no Museu de Artes Vicente Leite
Autorretrato de Sinhá D'Amora

     Felizmente, alguém ameaça tomar uma medida contra o fechamento do Museu de Artes Vicente Leite, na cidade de Crato. Como é de domínio público, desde o final da administração do ex-prefeito Samuel Araripe (2008-2012) o Museu de Artes Vicente Leite de Crato encontra-se fechado. Durante os quatro anos da administração seguinte, a de Ronaldo Gomes de Matos (2013-2016) não foi movida uma palha para reabri-lo! E na atual gestão municipal, sob o comando do Sr. Jose Ailton Brasil, (a terceira que vê o museu fechado) já se passaram um ano e quatro meses e nenhuma medida foi anunciada para sanar o problema.
       Pois bem, em Fortaleza existia o Memorial Sinhá D’Amora, mantido pela Prefeitura e também desativado desde 2013. O descaso levou o Sr. Olavo Correia Lima Filho, sobrinho da renomada pintora, a comunicar a Secretaria da Cultura da capital cearense: a família da artista entrará na justiça para reaver 14 quadros que lá eram exibidos. O acervo seria transferido para a Fundação Sinhá D’Amora que está sendo criada, em Lavras da Mangabeira, terra natal da pintora.
Sala do Solar da família de Sinhá D'Amora, no centro
da cidade de Lavras da Magabeira, onde funciona a Fundação

     As providências do sobrinho de Sinhá D’Amora não param por aqui. Segundo a matéria de meia página – publicada na edição desta 6ª feira, dia 06, do “Diário do Nordeste” – o sobrinho da pintora "(também)luta há 10 anos para a preservação da memória artística de sua tia, no sentido de localizar 23 quadros doados ao Museu de Artes Vicente Leite, no Crato”.
      Quando localizado o valioso acervo, e tendo sua causa vitoriosa na Justiça, a família de Sinhá D’Amora, alocará todas as 37 telas (que dever estar empacotadas em Fortaleza e Crato?) e as reunirá na Fundação, com sede no vetusto solar -- uma bela casa existente no centro de Lavras da Mangabeira -- pertencente aos herdeiros da lendária Fideralina Augusta Lima, avó de Sinhá D’Amora.
     Será que Crato, ex-Capital da Cultura do Cariri, assistirá passivamente a perda desse rico acervo? 
      É a pergunta que fica para reflexão da população cratense, neste fim-de-semana.

“Coisas da República” – outros Presidentes que também foram presos: Hermes da Fonseca, Arthur Bernardes, Washington Luís e Juscelino Kubitschek

Washington Luís foi deposto e preso na Revolução de 30, liderada por Vargas; os outros foram detidos após deixarem Presidência. Lula será 1º ex-mandatário preso por corrupção

Fonte: excertos de matéria publicada no jornal “O Globo”, 06-04-2018 – por Gustavo Villela e Paulo Luiz Carneiro

    A condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e seis meses de prisão, determinada pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, e a decisão do Tribunal Reginal Federal da 4ª Região (TRF-4), elevando a pena para 12 anos e 1 mês, fazem lembrar episódios que marcaram a história republicana brasileira. Em contextos diferentes, um presidente, no exercício do cargo, foi preso, enquanto três outros políticos, após deixarem a Presidência, também foram detidos.
Ainda na República Velha (1889-1930), o marechal Hermes da Fonseca, que governou o país entre 1910 e 1914 — quando, viúvo, casou-se com a jovem cartunista Nair de Teffé, escandalizando a sociedade —, teve a sua prisão decretada na gestão do presidente Epitácio Pessoa (1919-22). Em junho de 1922, o governo federal interveio na eleição estadual de Pernambuco, sendo duramente criticado por Hermes da Fonseca, na ocasião presidente do poderoso Clube Militar. Foi então ordenada a prisão de Hermes e o fechamento por seis meses do Clube Militar, em 2 de julho de 1922. O ex-presidente ficaria preso até janeiro do ano seguinte.
     A Revolução de 1930, que levou Getúlio Vargas ao poder, também foi marcada pela deposição do seu antecessor. Em meio a uma conspiração militar e a pressão de grupos de populares, na manhã do dia 24 de outubro, Washington Luís — cujo lema era "governar é abrir estradas" — foi deposto e obrigado a deixar a sede do governo, o Palácio Guanabara, em Laranjeiras, Zona Sul do Rio. De acordo com informações do Centro Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), com a mediação do cardeal Leme, o presidente "consentiu em se retirar, ressaltando porém sua condição de prisioneiro, pois não havia renunciado. Abraçou cada um dos que estavam ao seu lado e foi transportado para o forte de Copacabana. Seus ministros também foram presos. Quando essa notícia foi divulgada, houve comemorações espontâneas nas ruas da maioria das cidades do país".
       Dois anos após a Revolução de 1930, o ex-presidente Arthur Bernardes, que havia dirigido o país entre 1922 e 1926, também se transformaria em alvo. Após a eclosão da Revolução Constitucionalista de julho de 1932, em São Paulo, ele foi preso em 23 setembro de 1932, em Araponga, município próximo a Viçosa, tentando fazer um levante em Minas Gerais em apoio ao movimento paulista. Embarcado de trem para o Rio, Bernardes foi levado para depoimentos na Ilha das Cobras e, depois, na Ilha do Rijo, ambas na Baía de Guanabara. Ficaria preso ainda no Forte do Leme, antes de seguir, em 4 de dezembro de 1932, para o exílio em Portugal.
      Presidente "bossa nova", que criou Brasília e fez o país caminhar rumo à industrialização com a ajuda do capital estrangeiro, Juscelino Kubitschek também passou pelo constrangimento da detenção, após conduzir o Brasil entre 1956 e 1961. Com o golpe de 64 que depôs o presidente João Goulart, JK teve os seus direitos políticos cassados por dez anos. O endurecimento da ditadura militar, após a edição do AI-5, em 13 de dezembro de 1968, levou Juscelino a ser preso e levado para um quartel, em Niterói, na mesma noite da decretação do Ato Institucional, quando saía do Teatro Municipal do Rio, onde fora paraninfo de uma turma de Engenharia.
      Já o ex-presidente Jânio Quadros, que também teve seus direitos cassados, foi confinado durante 120 dias em Corumbá (MS) pelo regime militar. O ministro da Justiça, Gama e Silva, disse em nota oficial que "o Sr. Jânio Quadros deverá permanecer no local escolhido para seu confinamento até 26 de novembro. Mas não ficará recolhido a quartel do Exército, pois não está preso: poderá andar à vontade pelas ruas da cidade e até trabalhar", conforme edição do GLOBO de 30 de julho de 1968.
      No caso de Lula, pela primeira vez na História um ex-presidente foi julgado culpado por um crime comum. Na sentença de primeira instância, proferida no dia 12 de julho de 2017, o juiz Sergio Moro considerou que Lula é culpado por ter recebido um tríplex no Guarujá, dado como propina pela construtora OAS, que fora beneficiada em contratos da Petrobras. Com isso, o petista foi condenado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Para a defesa de Lula, a decisão judicial tem conotação política e "envergonha o Brasil".